Thriller surpreendente, 'Buscando...' é inteiramente ambientado no ciberespaço

Trama sobre um pai à procura da filha misteriosamente desaparecida transcorre em redes sociais, chamadas de vídeo, bate-papo online e outros aparatos digitais

por Walter Felix 20/09/2018 16:00

Sony Pictures/Divulgação
John Cho vive Kim, um pai em busca da filha (foto: Sony Pictures/Divulgação)
Quando uma problemática adolescente desaparece, seu pai não mede esforços para desvendar o paradeiro da jovem. Ainda que a premissa não seja das mais inventivas, Buscando..., que estreia nesta quinta (20), é criativo na forma de contar essa história. Toda a narrativa se passa em telas de computadores, smartfones e equipamentos digitais, evocando a onipresença desses dispositivos na vida contemporânea. No que pode ser definido como um “thriller on-line”, que exibe boa dose de surpresas, além da tensão, o diretor indiano Aneesh Chaganty faz de sua estreia em longas-metragens um grande acerto.

Meses após a morte da mãe, Margot (Michelle La) ainda tem dificuldades em lidar com essa perda. Apesar da boa relação que mantém com o pai, a jovem esconde segredos que só vêm à tona quando ela some, misteriosamente. Kim (John Cho) inicia uma jornada em busca da filha e seu primeiro passo é vasculhar suas redes sociais e caixas de e-mail. Ele bisbilhota a lista de amigos, invade contas e passa a ver até comentários nas fotos do Instagram de Margot como pistas que indicam o motivo do desaparecimento. Em sua busca, Kim constata que não conhecia, efetivamente, sua filha. A numerosa lista de amigos no Facebook mascara o fato de que Margot era uma adolescente solitária e apresentava um quadro de depressão.

Em meio ao suspense que se instaura na trama, há leves doses de humor, quando se evidencia o que os personagens secundários fingem ser nas mídias sociais e aquilo que eles realmente são. Há espaço, também, para uma crítica às especulações e teorias de conspiração que pipocam na rede quando crimes se tornam populares e intrigam a opinião pública. A exposição na mídia do desaparecimento de Margot inspira o engajamento de internautas, solidários à dor de Kim, mas também dá margem a postagens maliciosas e acusações infundadas.

INEDITISMO Não é a primeira vez que um longa-metragem transcorre inteiramente em meio digital. Foi essa a base do terror Amizade desfeita (2015), em que uma adolescente suicida assombra os ex-colegas em uma ligação por Skype. A proposta, desenvolvida sem grandes nuances, desapontou a crítica e resultou em um filme pouco célebre. Já Buscando..., de tão assertivo e competente, nos faz acreditar que a premissa é totalmente inédita.

Um de seus maiores feitos é a capacidade do diretor em dispor ações recorrentes em meio digital como técnicas narrativas. Fotos e vídeos antigos visualizados na tela de um computador funcionam como flashbacks. O filme dispensa o desempenho dramático dos atores em dadas cenas, já que os sentimentos podem ser notados, por exemplo, com uma mensagem digitada que o personagem desiste de enviar.

Por meio de notícias em portais e vídeos no YouTube, conhecemos o passado e o renome da detetive Rosemary Vick (Debra Messing). Na web, ela pode ser vista numa condecoração solene ou à frente de um trabalho voluntário com ex-presidiários. A personagem, que ajuda o pai na busca por Margot, revela um ótimo trabalho da atriz Debra Messing, conhecida por papéis cômicos no cinema e na TV – seu maior sucesso é a protagonista da série Will & Grace.

REITERAÇÃO Ainda que competente na execução da proposta, o filme não escapa de alguns deslizes. Certas passagens – em especial, as conversas entre pai e filha no Messenger – soam muito explicativas e pouco naturais. Há, vez ou outra, uma reiteração de fatos e sentimentos que não correspondem a um diálogo entre conhecidos na internet, marcado por maior fluidez e praticidade.

É certo que Buscando... tem potencial para estabelecer rapidamente empatia com quem domina o meio digital e usuários assíduos de redes sociais. Um público pouco familiarizado com esse universo, contudo, poderá se perder em meio à infinidade de sites, plataformas e recursos utilizados pelos personagens. Mas o filme, até certo ponto, tenta ser didático. Ainda que o espectador assista, a todo momento, ao que se passa na tela de um aparato digital, um zoom vai sempre destacar o que é mais importante. A trilha sonora também reitera os auges de tensão do personagem principal.

O protagonista se comunica principalmente por chamadas de vídeo, o que impede que o filme fique restrito às mensagens de texto, postagens e buscas na web. A saída permite que Buscando... escape de ser enfadonho. No desfecho – surpreendente –, o longa leva a crer que, se o ciberespaço cria um problema, também abriga a solução. Ainda que falacioso, o pressuposto se mostra verossímil dentro de um universo em que tudo fica registrado e pequenos deslizes podem revelar grandes mentiras.

 

O mesmo ambiente que desencadeou o desaparecimento da jovem reúne indícios que, conectados, ajudarão o pai e o espectador a solucionar o mistério. Basta saber procurar.

 

Assista ao trailer:

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE CINEMA