Realidade X ficção: cientistas analisam franquia 'Jurassic World'

'Reino ameaçado', novo filme sobre parque de dinossauros, estreia hoje em 1,4 mil salas do Brasil. Primeiro longa da série, dirigido por Steven Spielberg, completou 25 anos

por Walter Felix 21/06/2018 08:44
NBC/Divulgação
'Jurassic World: Reino ameaçado' estreia hoje (foto: NBC/Divulgação)
Em 1993, quando o primeiro longa da franquia Jurassic Park estreou, os dinossauros se tornaram febre mundial. A grandiosa produção dirigida por Steven Spielberg se tornou a maior bilheteria da história do cinema, só desbancada em 1997 por Titanic. O sucesso foi tanto que a primeira trilogia – com títulos lançados em 1997 e 2001 –  deu origem à segunda, iniciada em 2015. Nesta quinta-feira (21), estreia oficialmente Jurassic World – Reino ameaçado, em cartaz em cerca de 1,4 mil salas brasileiras – 47 delas na Grande BH. Nada menos de US$ 170 milhões foram investidos no filme dirigido por Juan Antonio Bayone, cujas sessões de pré-estreia ocorrem desde a semana passada.

Vinte e cinco anos depois do longa de Spielberg, prossegue o fascínio – da arte e da ciência – pelas criaturas que viveram na Terra antes do ser humano. “Além do Período Jurássico, há uma enorme curiosidade em torno dos períodos Cretáceo e Triássico (que foram a Era Mesozoica), porque tudo que se sabe a respeito deles é espetacular. A força daqueles dinossauros para se manter de pé, com até 100 toneladas, ou a capacidade de se alimentarem com bocas tão pequenas são coisas desafiadoras, que intrigam até hoje”, avalia Cástor Cartelle, curador de paleontologia do Museu de Ciências Naturais da PUC Minas.

Em 1991, nos Estados Unidos, Cartelle participou de encontro com sumidades da paleontologia, reunidas para apontar erros e esclarecer dúvidas a respeito dos dinossauros para a equipe que produzia o futuro blockbuster de Spielberg. “Fazia estágio em um museu de Washington e tiveram a gentileza de me convidar para assistir àquela reunião. A equipe do filme se esforçava em corrigir erros comuns a reconstituições. Eles nos questionavam, principalmente, sobre os barulhos emitidos pelos dinossauros. Meus colegas tiveram que explicar que eles não rugiam”, lembra o cientista espanhol, radicado em Minas desde a década de 1960.

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press
Paleontólogo Cástor Cartelle (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Cartelle elogia o pioneiro Jurassic Park: Parque dos Dinossauros. “Foi um marco. Antes dele, as representações no cinema eram horrorosas. Jurassic Park intensificou não só as visitas, mas também a presença de réplicas de animais nos museus. No passado, muitas delas eram feitas em argila, não em resina, o que resultava em pesos exorbitantes. Com isso, só poderiam ser abrigadas em locais especiais”, explica.

Ao analisar os longas da franquia, o professor aponta disparidades: ora eles são bastante fidedignos, ora extrapolam a liberdade criativa, tornando-se absurdos. “O pessoal não vai ao cinema para ver história, mas para ver os animais. Nesse ponto, os filmes são perfeitos. Aquele triceratops morrendo é uma cena maravilhosa. Os rebanhos de dinossauros são magníficos, provavelmente eles eram daquele jeito mesmo”, elogia Cartelle, referindo-se ao primeiro Jurassic Park.

Mas o cientista põe reparo na ficção: “O filme começa de um ponto que dificilmente poderia ocorrer: a captura do DNA da espécie a partir da gota de sangue em uma resina. Também há cenas de pterossauros enormes voando e carregando pessoas. Houve pterossauros grandes, mas, no caso da maior parte deles, se você lhe desse um sopapo ele já caía”, diverte-se. “Tudo isso é imaginação, mas não é essa a base de grande parte dos filmes?”, observa.

EXAGEROS Professor de paleontologia na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e coordenador do núcleo de pesquisa sobre répteis e fósseis da instituição, Jonathas Bittencourt diferencia entretenimento e ciência. “Há uma preocupação dos filmes em serem fiéis às anatomias dos dinossauros. Talvez eles caçassem realmente daquela forma. Mas há ressalvas quanto aos exageros cinematográficos. É tudo puro entretenimento, nada educacional”, opina.

Assim como Cartelle, Jonathas chama a atenção para a impossibilidade de clonar um dinossauro a partir da manipulação genética – ponto de partida da franquia. “Os filmes pecam por trazer alguns conceitos incorretos, o que acaba criando uma noção errada sobre até que ponto a ciência pode chegar”, ressalta.

Quando Jurassic Park chegou às telas, Jonathas nem sequer pensava em se dedicar à paleontologia. “Fiquei encantado ao assistir ao primeiro filme, pois tudo me parecia fidedigno. Depois que passei a estudar os dinossauros, vi que, realmente, eles são bem representados, mas com tamanhos bem maiores do que o real”, aponta o professor.

Spielberg pode ter influenciado toda uma geração de profissionais que se dedicam à paleontologia e áreas afins, acredita Bittencourt. “O grande papel desses filmes foi atrair o interesse das pessoas não só para os dinossauros, mas para a paleontologia. Eles contribuem porque, habitualmente, a pesquisa é financiada por dinheiro público. A popularização acaba justificando a pesquisa, fazendo com que nosso trabalho continue, cresça e se aprofunde”, observa Jonathas.

Porém, o fenômeno Jurassic Park poderia ter sido mais proveitoso para o Brasil, caso o investimento em ciência não fosse tão escasso em nosso país, ao contrário dos EUA e da Europa. “Há um interesse maior no que a mídia solta sobre o assunto, enquanto a pesquisa fica limitada à universidade. Se tivéssemos mais museus e mais divulgação da pesquisa feita aqui, certamente os profissionais que quisessem ingressar na área seriam mais estimulados e o efeito seria maior”, afirma o professor da UFMG.

“Houve aumento de procura, sim, até em nível profissional, mas isso foi aquém dos outros países por conta do pouco investimento (no Brasil) em museus, exposições e no próprio trabalho dos paleontólogos”, reforça o professor Jonathas. Atualmente, seu grupo de pesquisa na UFMG se dedica a fósseis encontrados no Rio Grande do Sul e no Nordeste. O cientista chama a atenção também para achados no Triângulo Mineiro.

Cartelle lamenta a falta de recursos para tocar projetos do museu da PUC Minas. Conta que está quase concluída uma exposição sobre a evolução do homem. Porém, são necessários investimentos para possibilitar sua montagem e a abertura para o público. “Sonho com o dia em que vamos inaugurar essa exposição. Certamente, será uma das mais completas do mundo sobre a temática.”

CRIANÇAS Apesar de algumas ressalvas, Cástor Castelle e Jonathas Bittencourt concordam: as franquias Jurassic Park e Jurassic World beneficiaram o universo da paleontologia. Mesmo que, vez ou outra, os filmes mandem às favas a realidade. Na prática, eles seguem encantando, especialmente o público infantojuvenil. Cartelle sabe disso melhor do que ninguém: foi intimado pelo filho, Cástor Henrique, de 10 anos, a levá-lo para assistir a Reino ameaçado.

Esses filmes potencializaram a ida de crianças a museus, em excursões escolares ou acompanhados por parentes. O Museu de Ciências Naturais da PUC Minas, em Belo Horizonte, recebe 70 mil estudantes por ano. “Acompanhar as reações dos nossos pequenos visitantes é espetacular. Os mais novos choram de medo, é preciso explicar que os dinossauros são amigos e não farão mal. Os maiores ficam tão fascinados que alguns querem levar as réplicas para casa”, conta Cartelle.

O paleontólogo dá dicas sobre as atrações imperdíveis no museu da PUC Minas. No primeiro andar, dinossauros e pterossauros fisgam a atenção. Mamíferos extintos, datados de 12 mil a 30 mil anos, ocupam o segundo andar. Já no terceiro, Cartelle destaca invertebrados aquáticos e peixes que viviam na Chapada do Araripe, no Ceará, de 110 milhões a 130 milhões de anos atrás.

MUSEU DE CIÊNCIAS NATURAIS
PUC Minas. Av. Dom José Gaspar, 290, Coração Eucarístico, (31) 3319-4152. Aberto de terça-feira a sábado, das 9h às 17h. R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada). Entrada franca para crianças de até 3 anos

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE CINEMA