Ausente em Cannes, Godard dá entrevista via celular

Diretor franco-suíço não foi à Croisette, mas respondeu perguntas de jornalistas sobre 'Le livre de l'image', considerado inclassificável pela crítica

por AFP 14/05/2018 08:35

Laurent Emmanuel/AFP
Jean-Luc Godard fala com jornalistas no Festival de Cannes por meio do FaceTime. (foto: Laurent Emmanuel/AFP)

O cineasta franco-suíço Jean-Luc Godard, que compete pela Palma de Ouro no 71º Festival de Cannes, 50 anos depois de ter interrompido a edição da mostra no histório Maio de 68, não se deslocou até a Croisette para apresentar Le livre de l’image, mas concedeu uma incomum entrevista coletiva pelo celular, após a exibição do longa, considerado inclassificável pela crítica.

Uma das múltiplas referências feitas no filme é à Catalunha, cujo tumultuado projeto de independência da Espanha atingiu um ponto de grande tensão enquanto Godard montava Le livre de l’image. “Acredito que o cinema, tal qual eu o concebo, é como uma pequena Catalunha, que tem problemas para existir”, disse a lenda do cinema francês, de 87 anos, por meio da pequena tela segurada por um produtor de seu filme.

A frase contida no filme diz “Homenagem à Catalunha”, ao lado de uma sucessão de imagens que evocam, sobretudo, o mundo árabe e a guerra. Segundo ele, trata-se de uma alusão à obra de George Orwell e, ao mesmo tempo, aos fatos que se desenrolavam na Catalunha, enquanto ele montava o filme.

Na tradicional sala de imprensa, onde as equipes dos filmes em competição no Festival de Cannes falam com os jornalistas, os repórteres foram passando um a um na frente do celular e de um microfone para fazer suas perguntas. Pelo aplicativo FaceTime, o cineasta respondeu a todas elas em uma sessão de cerca de 45 minutos.

Godard respondeu afirmativamente ao ser questionado sobre se pensa em continuar fazendo cinema: “Sim, se conseguir, mas não depende de mim e sim das minhas pernas, muito das minhas mãos e um pouco dos meus olhos”. O diretor apresentou também o que define como a fórmula do cinema: “Quando se faz uma imagem, seja do passado, do presente, ou do futuro, para achar uma terceira, que começa a ser uma verdadeira imagem, ou um verdadeiro som, é preciso suprimir duas. Isto é: x + 3 = 1, essa é a chave do cinema”.

A ausência de Godard na Croisette não é surpresa, já que ele também não foi a Cannes nas duas últimas seleções de que participou, em 2010 e 2014. No total, o cineasta esteve sete vezes na competição oficial. Sua presença neste ano é especialmente simbólica, 50 anos depois de ele ter liderado uma ação de protesto até conseguir interromper a competição, como mostra de solidariedade com o movimento estudantil e operário em Maio de 1968. O cartaz desta 71ª edição homenageia seu filme O demônio das onze horas, de 1965. 

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE CINEMA