Indicações do Oscar refletem momento atual em Hollywood

Após superar críticas da campanha #OscarsSoWhite, 90ª edição ocorre sob a sombra do #MeToo

por Mariana Peixoto 23/01/2018 13:25
AFP
Greta Gerwig, diretora de 'Lady Bird: A hora de voar', e a atriz Saoirse Ronan, protagonista do filme. (foto: AFP)
Com as 13 indicações ao Oscar, A forma da água, de Guillermo del Toro, confirmou seu favoritismo nesta temporada de prêmios. A história fantástica, que chega ao Brasil em 1º de fevereiro, é ambientada na década de 1960, durante a Guerra Fria. Em um laboratório secreto do governo americano, uma zeladora se relaciona com uma estranha criatura.
 
As indicações à 90ª edição do Oscar – a cerimônia será em 4 de março, em Los Angeles – refletem, de uma maneira geral, o momento atual. Se nas duas edições passadas o prêmio máximo da indústria cinematográfica mundial ocorreu sob a sombra do #OscarsSoWhite, desta vez seus indicados saíram no auge da efervescência do #MeToo.

Pelo menos quatro dos nove filmes indicados ao prêmio principal do Oscar dialogam com os tempos atuais: Lady Bird: A hora de voar, de Gerta Gerwig, que acompanha o rito de passagem de uma jovem para a vida adulta; Três anúncios para um crime, de Martin McDonagh, sobre uma mãe que busca justiça para o assassinato da filha; Corra!, de Jordan Peele, uma visão ácida sobre o racismo; e Me chame pelo seu nome, de Luca Guadagnino, um romance gay na Itália dos anos 1980.
 
O elevado número de indicações A forma da água, no entanto, não chega ao recorde dos filmes A malvada (1960), Titanic (1997) e La la land: Cantando estações (2016). Todos eles receberam 14 indicações ao prêmio da Academia de Hollywood.

E, vale lembrar, A forma da água era também o favorito ao Globo de Ouro. Mas das sete indicações, só recebeu dois prêmios: melhor diretor e trilha sonora. Caso o mexicano del Toro vença na categoria de direção, ele vai se juntar aos conterrâneos Alfonso Cuarón (Gravidade, 2014) e Alejandro González Iñarritu (Birdman, 2015 e O regresso, 2016).

Pela ordem, Dunkirk, de Christopher Nolan, vai na sequência, com oito indicações. No entanto, somente duas delas – filme e direção – estão entre as principais categorias. A maior parte das indicações são para prêmios técnicos.

Os tempos estão mudando em Hollywood. Lady Bird: A hora de voar, indicado a cinco categorias, é uma resposta a isto. A não indicação de Greta Gerwig como diretora no Globo de Ouro foi lembrada por Natalie Portman. Durante a premiação, a atriz anunciou os indicados na categoria (“todos homens”).

Desta vez, Gerwig – ativa integrante do Time's up (O tempo acabou), movimento criado em Hollywood contra o estupro e assédio – foi devidamente reconhecida. Além de ser um dos nove concorrentes a melhor filme, Lady Bird deu a Gerwig as indicações a direção e roteiro original. A narrativa acompanha a juventude da personagem de Saoirse Ronan, também indicada a melhor atriz.
  
Vale lembrar, no entanto, que os ventos de mudança são lentos. Em 90 anos de Oscar, Gerwig é apenas a quinta mulher indicada como diretora. Já Rachel Morrison, é a primeira mulher indicada na categoria de melhor fotografia – por Mudbound: Lágrimas sobre o Mississippi, produção da Netflix que recebeu quatro indicações.
Netflix/Reprodução
Rachel Morrison é a primeira mulher indicada na categoria de melhor fotografia pelo filme 'Mudbound: Lágrimas sobre o Mississippi'. (foto: Netflix/Reprodução)
 
Outras duas produções com grande número de indicações – Três anúncios para um crime (com sete) e O destino de uma nação (com seis, que deve dar o primeiro Oscar a Garyl Oldman por Winston Churchill) – estão marcando presença em várias das premiações da atual temporada.

O Oscar, no entanto, deu um chega pra lá em Steven Spielberg. The Post – A guerra secreta, filme que discute a liberdade de imprensa (outro tema caro aos americanos), só recebeu duas indicações: filme do ano e atriz, para Meryl Streep. Esta foi a 21ª indicação da atriz, que já venceu três Oscar. Tom Hanks, que pela primeira vez contracenou com Meryl Streep (e já venceu dois Oscars), foi solenemente ignorado.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA