Novo filme de Scorsese mostra perseguição aos cristãos no Japão

'Silêncio', que estreia nesta quinta (9), é estrelado por Liam Neeson e Andrew Garfield. Longa já foi exibido até para o Papa Francisco

por Redação EM Cultura 09/03/2017 08:48

Imagem Filmes/Divulgação
(foto: Imagem Filmes/Divulgação)
Depois de filmar A última tentação de Cristo, em 1988, o diretor Martin Scorsese volta a abordar o cristianismo para falar sobre a espiritualidade. Mais do que isso, Silêncio, que estreia nesta quinta (9) no Brasil, é um filme sobre dúvidas e certezas e sua relatividade diante de contextos históricos e culturais.

Católico não praticante, o cineasta americano defendeu a necessidade dessa espiritualidade diante dos atuais “acontecimentos terríveis”, quando apresentou o filme em Paris. Scorsese afirma que a obra pretende “abrir um diálogo” com o espectador e mostrar “até que ponto a espiritualidade é parte integrante do ser humano”.

Baseado no romance homônimo do japonês Shusaku Endo, Silêncio narra o choque religioso e cultural de missionários jesuítas portugueses no Japão no século 17. Ao saber que seu mentor – Cristóvão Ferreira, interpretado por Liam Neeson – teria renegado a fé católica e adotado costumes locais, Sebastião Rodrigues (Andrew Garfield) e Francisco Garupe (Adam Driver) viajam até o Japão para se certificar do fato.

 

No país asiático, a dupla se depara com o conflito religioso, em que cristãos convertidos são perseguidos, torturados e mortos por budistas. O silêncio de Deus diante do embate religioso e das provações às quais são submetidos faz os missionários questionarem a verdade de sua fé.

O drama histórico foi rodado em Taiwan e é o resultado de um projeto planejado ao longo de décadas pelo diretor. O premiado diretor fez e desfez este filme em sua cabeça por décadas, precisou superar “problemas financeiros e legais” e “três ou quatro grandes intérpretes” rejeitaram atuar porque “a religião não fazia parte de sua vida”.

 

Aos 74 anos, Scorsese assegurou que já “não tem nada a esconder”, nem precisa “demonstrar que sabe utilizar uma câmera”. “Este filme é o que sou agora. Não sigo a moda”, destacou. “De alguma forma, este é o filme que mais se entrelaçou com a minha vida pessoal”, admitiu.

Até mesmo as filmagens na natureza, que disse tê-lo feito descobrir, por exemplo, o som das marés, foi uma experiência mística. “Sou nova-iorquino, alérgico a tudo (...) e de repente me encontrei no topo de uma montanha”, explicou. “Vimos do silêncio e é para lá que vamos. Deveríamos aprender a nos sentir confortáveis com isso”, disse em alusão ao título do filme.

 

Silêncio foi exibido em sessão especial no Vaticano para 300 jesuítas, com quem o diretor conversou após a exibição. Na ocasião, Scorsese se reuniu com o papa Francisco, um membro da ordem jesuíta que, quando era um jovem padre na Argentina, quis ir ao Japão como missionário, mas foi impedido por motivos de saúde.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA