Mostra Cultura, arte e poder em cena traz 24 produções a BH

Evento é parte da programação do Verão Arte Contemporânea - VAC. Exibições acontecem no Cine Humberto Mauro e no Sesc Palladium, até o dia 16 de fevereiro

por Estado de Minas 02/02/2014 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Matheus Rocha/Divulgação
'Sopro', primeiro longa do mineiro Marcos Pimentel, integra o programa da mostra (foto: Matheus Rocha/Divulgação)

Com curadoria de Sávio Leite e do Grupo Oficina Multimédia, a Leite Filmes – 5ª Mostra de Cinema – Cultura, Arte e Poder, programação integrante do Verão Arte Contemporânea (VAC 8), trata de semelhanças e especificidades da linguagem audiovisual em filmes que dialogam no eixo da cultura, da arte e do poder. Os idealizadores do festival priorizaram produções nacionais de talentos emergentes e consagrados diretores brasileiros.

O Cine Humberto Mauro e o Cinema Professor José Tavares de Barros/Sesc Palladium exibem, de hoje ao dia 16, 24 produções, entre curtas e longas.

Destaque para Candeias e o cinema, de Eugenio Puppo, sobre a trajetória do caminhoneiro que se tornou um dos maiores cineastas do Brasil. Quem narra a história é o próprio Candeias, que aos poucos revela seu estilo e genialidade, tendo como pano de fundo as diversas fases do cinema nacional e a Boca do Lixo paulista, principal polo de produção durante os anos 1970.

Também em cartaz, A primeira vez do cinema brasileiro, de Hugo Moura, Denise Godinho e Bruno Graziano, que conta os bastidores do primeiro filme pornô brasileiro, Coisas eróticas, que celebrou 30 anos em 2012. Assim é, se lhe parece, de Carla Gallo, traz a figura excêntrica do artista plástico Nelson Leirner. E Sopro, primeiro longa do mineiro Marcos Pimentel, revela o cotidiano de pequena vila rural no meio do nada, no interior do Brasil, onde algumas famílias vivem, há anos, isoladas de maiores contatos com o mundo exterior.

A mostra terá também a retrospectiva do paraibano-mineiro Dellani Lima, cujas obras já foram incluídas em importantes mostras e festivais no Brasil e no exterior. Ele é coautor da publicação Cinema de garagem: um inventário afetivo sobre o jovem cinema brasileiro do século 21. E, no projeto História Permanente do Cinema, do Cine Humberto Mauro, será exibido 48 horas (Went the day well?), do brasileiro Alberto Cavalcanti, filmado no Reino Unido, em 1942, seguido de debate com o curador da mostra, Sávio Leite.

O que ver hoje

16h – Aterro, de Marcelo Reis (72min, documentário, 2011)
18h – Marighela, de Carlos Pronzato (90min, documentário, 2010)
20h – Vips – Histórias reais de um mentiroso, de Mariana Caltabiano (71min, documentário, 2010)

Onde: Cine Humberto Mauro. Av. Afonso Pena, 1.537, Centro. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA