Luiz Carlos Lacerda é presença garantida na Mostra de Tiradentes desde a primeira edição

Conhecido como o Bigode, diretor está lançando livro de poemas e se prepara para filmar em Minas

por Carolina Braga 27/01/2014 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Túlio Santos/EM/D.A Press
Bigode vai filmar em Cataguases e Leopoldina argumento inédito de Lúcio Cardoso sobre o samba, com participação de Ney Latorraca (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)
Tiradentes –
Você já é um personagem de Tiradentes? O diretor Luiz Carlos Lacerda, o Bigode, despista na hora de responder. Mas reconhece: “Lido bem com isso, porque personagem é resultado de um bom relacionamento com as pessoas”. Quem frequenta a Mostra de Cinema de Tiradentes também não tem dúvidas. O cineasta já ganhou lugar cativo em restaurante, com direito a placa “Cantinho do Bigode”. É tão de casa que até traz as próprias massas integrais a tiracolo para poder se esbaldar no molho.


Quando anda pelas ruas, sempre de chinelo e bermuda, é saudado o tempo inteiro. Pela bibliotecária, pelo artesão, pelo garçom e por ex-alunos. Afinal, quem não conhece o Bigode? A oficina de realização em curta digital é a única que existe desde a primeira edição do festival, há 17 anos. Sob a orientação do cineasta já foram realizados filmes de tudo quanto é gênero na cidade. Isso sem falar da geração de técnicos e profissionais espalhados por aí que tiveram com ele o primeiro contato com o cinema.

O que muita gente desconhece é uma faceta até então guardada a sete chaves e que o cineasta descortina por aqui este ano. Bigode é poeta há longa data. No pacote de lançamentos desta edição da Mostra de Cinema de Tiradentes, em meio a DVDs e livros sobre vertentes da sétima arte, o carioca com o coração em Minas apresenta 'Os sais da lembrança', primeiro livro de poesias em 30 anos. A obra foi publicada no fim de 2013, depois de passada a resistência inicial do autor.

“A dúvida era se eu ia retrabalhar um tipo de expressão do qual estava afastado há tanto tempo. Perguntava-me: será que as ideias não estão explícitas no cinema? Não será um apêndice desnecessário?. Depois achei que não, e me deu um pique”, conta. 'Os sais da lembrança' tem 30 poemas. A série que dá nome ao livro foi dedicada ao amigo Ney Latorraca, mas há também homenagens a Lúcio Cardoso (1913-1968), João Cabral de Melo Neto (1920-1999), Cláudio Murilo e outros.

Neto e bisneto de poetas, Bigode sempre deixou explícito seu interesse por essa forma de expressão. Como escritor bissexto, participou de várias antologias. Escreveu inclusive para o 'Suplemento Literário de Minas Gerais', a convite de Murilo Rubião (1916-1991). A relação entre cinema e poesia é transparente em sua trajetória. Levou a poesia de Cecília Meireles (1901-1964) para as telas em 'O sereno desespero' e com 'O homem e sua hora tratou da obra' de Mário Faustino (1930-1962). Sem falar da criação de Lúcio Cardoso, presente desde o longa de estreia, 'Mãos vazias'. Mas a experiência agora é outra.

Em 'Os sais da lembrança' há uma passionalidade latente em cada página. Os textos foram escritos entre a década de 1960 e os dias de hoje. “Acho que me deu oportunidade de rever um Bigode do passado, do qual não tinha um distanciamento crítico e um olhar que só é possível com o tempo”, afirma. Vencida a resistência inicial, Bigode assegura que gostou tanto de “ser poeta” que já prepara novo livro para o ano que vem. Serão cerca de 25 poemas eróticos.

No cinema, a novidade é a filmagem de 'Introdução à música do samba', argumento de Lúcio Cardoso que ficou perdido por cerca de 30 anos. O roteiro, do próprio Bigode, está pronto e Ney Latorraca foi escalado como protagonista. Pela primeira vez, o cineasta vai rodar um filme em Minas. Cataguases e Leopoldina foram as cidades escolhidas como locações.

“Mineiro tem esse lance de não ter o mar e de não ter o horizonte, ele é cheio de montanhas e mistérios. Essa coisa da introspecção faz as pessoas pensarem sobre o que esta atrás daquele morro. Isso desenvolve uma capacidade criativa muito grande, na literatura e no cinema. Acho que estimula essa coisa do pensamento. A praia é muito óbvia”, divaga, sem deixar de reafirmar sua paixão por Minas e pelos mineiros.

 

Os efeitos do tempo
[FOTO2]
Em uma edição em que a discussão sobre processos pontua os debates, a sessão de estreia da Mostra de Cinema de Tiradentes, no Cine Praça, foi exemplar. O documentário 'Cidade de Deus', dez anos depois mostra o que ocorreu com a vida de alguns dos atores que participaram do longa que consagrou Fernando Meirelles. Fica claro o quanto o processo de construção de uma carreira artística, depois do sucesso nacional e internacional do filme, não foi igual para todos. Nem o resultado.

A praça do Largo das Forras estava lotada como há muito não se via na cidade. Dirigido por Cavi Borges e Luciano Vidigal, o filme promove o reencontro da plateia com Leandro Firmino, o Zé Pequeno – com alguns quilos a mais –, Alexandre Rodrigues, o Buscapé, e tantos outros personagens. Eles falam sobre a relação com a fama, a crueldade da realidade e o que fizeram com o dinheiro que ganharam com o filme. Entre os que conseguiram dar prosseguimento à carreira estão Débora Rodrigues e Leandro Dantas, hoje rostos conhecidos das novelas.

Lembra-se daquela criança que chora desesperada e toma um tiro no pé? É Felipe Paulino, hoje com 18 anos e mensageiro em um hotel no Leblon. Há outros que não conseguiram estabelecer uma carreira e acabaram envolvidos com as drogas e o crime. Relativamente curto, com 75 minutos, o documentário mistura cenas do filme e dos personagens 10 anos depois.

 “O filme mostra o questionamento que a arte traz. A realidade é dura e poucas pessoas aproveitaram a oportunidade”, comentou o engenheiro Nélio Muzzi. “É uma retrospectiva muito interessante. A vida é feita de escolhas e é triste ver que alguns se perderam no meio do caminho”, lamentou a telefonista Rosemary Tomaz. “Foi legal ver como estão, ver o que fizeram com o dinheiro. Os atores e os personagens tinham vidas parecidas na ficção e na realidade”, disse o engenheiro Ramón Fraga Rezende.

A previsão é que o documentário chegue aos cinemas brasileiros entre junho e julho, dependendo da carreira internacional. Pelo menos 20 festivais estrangeiros já demonstraram interesse em exibir o filme.

* A repórter viajou a convite da Mostra de Cinema de Tiradentes

AURORA
Começa hoje a mostra queridinha dos críticos em Tiradentes, a Aurora, dedicada a jovens realizadores em início de carreira. O documentário 'A vizinhança do tigre', do mineiro Affonso Uchoa, será o primeiro dos sete concorrentes a ser exibido. Trata-se do principal evento competitivo da Mostra de Cinema de Tiradentes. O vencedor leva o Prêmio Itamaraty, no valor de R$ 50 mil.

HOJE NA MOSTRA

Cine Teatro Sesi

. 11h – Debate sobre 'Passarinho lá de Nova Iorque'
. 12h15 – Debate sobre 'Amor, plástico e barulho'
. 15h – Perspectivas para o audiovisual brasileiro em 2014: foco na indústria
. 17h – Oportunidades para o cinema brasileiro na Europa

CINE TENDA
. 16h30 – Sessão de curtas
. 18h – Sessão de curtas
. 19h30 – Mostra Aurora –  'A vizinhança do tigre', de Affonso Uchoa
. 22h30 – Sessão de curtas – Mostra Foco

TENDA BAR SHOW
. 0h30 – Show Transmissor

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA