Animação 31 minutos é boa opção para crianças nos cinemas

Filme tem tudo para divertir também quem gosta de experiências estéticas

por Walter Sebastião 03/08/2012 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Total Filmes/Divulgação
Animação aposta em fantoches para criar visual mais alternativo (foto: Total Filmes/Divulgação)
Uma ótima surpresa da turma da animação: o filme 31 minutos. É comédia amalucada, em ritmo de aventura e suspense, sobre sequestro de um integrante de programa noticioso a mando de uma poderosa colecionadora de animais. Veja mais fotos do filme Confira os horários das sessões
 
A história é boa, irônica, algo ácida, e lança farpas em muitas direções sem deixar de ser filme dedicado às crianças. Mas o sensacional é ser animação integralmente feita com fantoches de tecido, papel e outros materiais. Deliciosa e convincente aposta em estética dos anos 1960 e 70, o que, em tempos de onipresença de computação gráfica, vira, quase um manifesto a favor de um visual indie. 
  
Que ninguém imagine que, por adotar estética artesanal, seja filme precário, tradicional e bem comportado. É produção caprichadíssima em todos os aspectos e ousada. É muito sedutor, do início ao fim do filme, a apurada integração entre fotografia, texto, direção de arte, visual e a “interpretação” dos bonecos. Os últimos ganham performance frenética, movimentada (distinta da lentidão da TV), o que traz um ótimo andamento para a trama. Até a dublagem feita por Mariana Ximenes (é dela a voz da estrela do filme, a malvada Cachirula), Márcio Garcia e Daniel de Oliveira está perfeita. Aspectos que, somados, fazem do filme uma das mais importantes realizações em animação que já chegaram as telas recentemente. 
 
Com muita graça e charme, 31 minutos propõe – e consegue – levar o espectador a fazer imersão, completa em mundo delirante, habitado por dezenas de personagens com o mesmo perfil (microfone, câmera, relógio, que falam e dão palpite nas cenas).
 
E neste sentido é superprodução com direito à paródia de cenas de guerra com muitos figurantes. Pode-se reclamar de momentos fracos do enredo, desejar um pouco mais de humor (a ênfase, acertada, é na ação), mas 31 minutos é excepcional cartão de visita dos realizadores. É filme para os bens jovens, o que é ótimo, mas adultos que gostam de filmes que pesquisam estéticas diferentes não devem perder o programa.
 
O filme é o primeiro longa vindo de seriado chileno, também chamado 31 minutos, criado por Álvaro Diaz, Pedro Peirano, Daniel Castro e Rodrigo Salinas, sucesso do canal Nikelodeon.  Assista ao trailer do filme:


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA