Romance de Graciliano Ramos ganhará adaptação no cinema

Angústia, terá direção de Sylvio Back e poderá chegar aos cinemas em 2013

por Agência Estado 25/07/2012 11:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
Cineasta catarinense Sylvio Back ficará responsável por levar Angústia às telas (foto: Divulgação)
O diálogo com as letras está sempre presente na carreira de Sylvio Back, como atestam sua cinebiografia poética Cruz e Sousa - o Poeta do Desterro, e também com a versão do suicídio em Petrópolis do escritor austríaco Stefan Zweig, na produção internacional Lost Zweig, baseada no livro de Alberto Dines, Morte no Paraíso. A vocação de diálogo com a literatura continua agora na adaptação do romance do escritor alagoano Graciliano Ramos, Angústia, prevista para o início do ano que vem. Ganhando musculatura para o desafio, Sylvio já filmou o documentário O Universo Graciliano, com locações em Maceió e Rio de Janeiro, uma espécie de preparação para a abordagem da ficção do autor alagoano. "O filme vai ao encalço de rastros, sombras e escombros imemoriais em torno e sobre o genial Graciliano, que viveu de 1892 a 1953", conta. Esse documentário prospectivo é definido pelo cineasta como espécie de "ensaio geral" com vistas à abordagem de Angústia, romance jamais filmado de Graciliano. O difícil trabalho de passagem da prosa do escritor alagoano para as telas terá início no final do ano. A prática do "documentário prévio" vem ganhando adeptos. Basta lembrar que, antes de Back, Walter Salles filmou um doc percorrendo as trilhas da beat generation como aquecimento para adaptar o clássico de Jack Kerouac On the Road, que ganhou o título em português de Na Estrada e continua em cartaz nas salas brasileiras depois de haver participado do Festival de Cannes. O desafio maior de Back vem com a filmagem desse grande romance brasileiro que é Angústia. "Para o início do ano que vem estou preparando as filmagens em Maceió e no Agreste alagoano do romance, com roteiro de minha autoria, e cuja produção encontra-se atualmente em fase de captação de recursos", diz o diretor. É um projeto que Sylvio vem "acarinhando" faz sete anos. Sabe que, além das dificuldades intrínsecas da versão para a tela terá de enfrentar comparações. "Dos livros 'clássicos' de Graciliano, Angústia é o único ainda não filmado; os demais, Vidas Secas e Memórias do Cárcere, ambos de Nelson Pereira dos Santos, e São Bernardo, de Leon Hirszman, são hoje obras seminais do cinema brasileiro. Por aí pode-se aquilatar a minha responsabilidade", diz. De fato, Vidas Secas é tido como uma das obras clássicas do Cinema Novo, assim como São Bernardo. Memórias do Cárcere foi o filme considerado como símbolo do processo de abertura política que se realizava no país, após 20 anos de ditadura. Mas, para além de sua implicação política, é a qualidade estética desses filmes que os impõe como padrão e patamar. Angústia é também um grande desafio. É, talvez, o mais "existencial" e atormentado dos romances de Graciliano. Seu personagem, Luís da Silva, sem deixar de ser brasileiríssimo e nordestino, tem um toque dostoievskiano. A narrativa flutua entre a vida presente do funcionário Luís e recordações da sua vida pregressa, da morte do pai e do amor ambíguo por Marina.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA