Carnaval de BH: a liberdade é multicolorida

"Como crescer, caminhar com as próprias pernas, sem perder a independência e, acima de tudo, o papel social que ajudou o belo-horizontino a redescobrir e reocupar a própria cidade?"

por Renan Damasceno 09/02/2018 06:00

Marcos Vieira/ EM D.A Press
Luzes de LED em adereços carnavalescos viraram tendência na capital mineira (foto: Marcos Vieira/ EM D.A Press)
Quem descia a Avenida Afonso Pena, no fim da tarde de quarta-feira, se deparava com formas e cores que iam além do rosa das nuvens expostas aos últimos raios de sol. Desde o cruzamento da Avenida Brasil, estendendo para todo o raio de ruas que levavam até a entrada do Parque Municipal, foliões exibiam luzes de LED em tiaras no cabelo, luzes que piscavam pelos corpos como imensos colares, luzes multicoloridas que prenunciavam o que promete ser o maior carnaval da história da capital mineira, com previsão de 3,6 milhões de pessoas nos próximos dias.



O desfile do Chama o Síndico, o primeiro dos blocões na semana que antecede o carnaval, deu o tom do que deve ser a folia nos próximos dias: uma mistura de irreverência, luzes, cores e flores afinadas com um forte discurso político, reivindicações de igualdade e campanhas de conscientização, entre elas contra o assédio, que ganha cada vez mais força – afinal, não é não. No carnaval de BH, sambar e reivindicar, cantar e gritar têm pesos bem parecidos.

Como todo jovem, o carnaval de Belo Horizonte atravessa sua puberdade criando tendências, defendendo território e tentando estancar as dores do crescimento. E como faz parte de toda evolução, se vê às voltas com as crises de identidade. Como crescer, caminhar com as próprias pernas, sem perder a independência e, acima de tudo, o papel social que ajudou o belo-horizontino a redescobrir e reocupar a própria cidade? É a pergunta que o carnaval de 2018, que começa oficialmente amanhã, tentará responder.

Marcos Vieira/ EM D.A Press
Uso de flores em trajes despojados também deixam a festa mais colorida e diversa na cidade (foto: Marcos Vieira/ EM D.A Press)
 

VÍDEOS RECOMENDADOS