Bolsonaro, Temer e Garotinho são alvos de marchinas de carnaval em BH; ouça

Novamente, políticos são ironizados nas composições que disputam o concurso Mestre Jonas. Campeã será conhecida domingo, em baile no Distrital

por Walter Felix 02/02/2018 09:12

Ramon Lisboa/EM/D.A Press
Marchinha campeã é eleita em festa no Distrital (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
A crítica política pautou a maior parte das finalistas do Concurso de Marchinhas Mestre Jonas. A melhor das 10 selecionadas será eleita no domingo (4), durante baile no Distrital do Cruzeiro. Nomes recorrentes do noticiário aparecem em cinco delas. A Orquestra Royal, velha conhecida do carnaval de BH, marcará presença com A dancinha da tornozeleira. A letra faz referência à ex-governadora fluminense Rosinha Garotinho, liberada de usar o equipamento pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes.

Outra aposta da Orquestra é Bolsomico, que teve grande repercussão nas redes sociais. A letra ironiza as polêmicas declarações do deputado federal Jair Bolsonaro. “Nosso objetivo é sempre escrever sobre quem não nos representa na política. Quando divulgamos a marchinha, a mídia disse que estávamos falando para o Bolsonaro – pré-candidato do PSL à Presidência da República –, mas nossa mensagem é para o eleitor dele”, afirma Alfredo Jackson, que assina a música em parceria com Joilson Cachaça.

“A Orquestra Royal sempre traz alguns fatos de volta, impedindo que eles sejam esquecidos. Não sei se as marchinhas podem mudar a opinião de um eleitor, mas elas ajudam a pensar sobre determinado assunto”, completa Alfredo.

Regalias a políticos condenados por corrupção inspiraram Palhaço tupiniquim, a única marchinha escolhida pelo voto popular que chegou à finalíssima. Também não faltam críticas ao presidente Michel Temer e à reforma da Previdência, temas de Marchinha do Assombração. Esperando o metrô questiona a ampliação do transporte público em BH, promessa dos governantes mineiros há 30 anos. Pai, cadê você? brinca com a figura de um fanático religioso, favorável à cura gay e à censura às artes. Outro tema contemporâneo, o assédio sexual, inspirou Não vem se eu não quiser.

Nem só questões políticas estarão em pauta. Em tom farsesco e repleta de duplo sentido, Bloco do torresmo fala do fascínio pela iguaria feita com pele de porco. Trombeta master narra as aventuras de senhoras que tomam chá alucinógeno e saem para curtir o carnaval.

FLÁVIO HENRIQUE
O concurso vai homenagear o músico Flávio Henrique, que morreu no dia 18, vítima de febre amarela. Carnavalesco de carteirinha, ele compôs Na coxinha da madrasta, que animou a folia de BH em 2012.

Festa no céu, de Raul Mariano, fala de Flávio como um pássaro pênsil, referência ao álbum homônimo lançado por ele em 2008.

O concurso leva o nome de Mestre Jonas, outro compositor apaixonado pelo carnaval. Ele morreu em 2011, aos 35 anos, devido a um acidente vascular cerebral (AVC). A marchinha campeã receberá R$ 5 mil. A segunda colocada ganhará R$ 3 mil e a terceira, R$ 1,5 mil. As três melhores fantasias da noite receberão R$ 500 (cada).


CONCURSO MESTRE JONAS
Domingo, a partir das 18h30. Distrital do Cruzeiro. Rua Ouro Fino, 452, Cruzeiro. (31) 3223-7844. Ingressos antecipados: sympla.com/mestrejonas. 1º lote: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada). Fantasiados pagam meia.


AS FINALISTAS

>> A dancinha da tornozeleira
De Marcos Frederico
e Belisário Nogues

>> Bloco do torresmo
De Fábio “Floc” Mação e Haroldo Ribeiro Gomes

>> Bolsomico
De Alfredo Jackson e Joilson Cachaça

>> Esperando o metrô
De João Batera e Dimas Lamounier

>> Festa no céu
De Raul Mariano

>> Marchinha do Assombração
De Gustavo da Macedônia

>> Não vem se eu não quiser
De Carlos Linhares

>> Pai, cadê você?
De Aggeo Simões, João Faleiro e Henrique Lizandro

>> Palhaço tupiniquim
De Licênio Ernesto Rodriguez Maia e Ricardo Gomes dos Santos

>> Trombeta
De Rita Maria Leonardo Pereira Guerra e Maria Regina Gomes Paletta

Ouça todas:

 

VÍDEOS RECOMENDADOS