UAI

Empresária de BH devolve R$ 30 mil recebidos por engano via PIX

Ao ir à delegacia relatar o ocorrido às autoridades policiais, Daniele Aguiar descobriu que não tinha obrigação de devolver o valor

Reprodução/Instagram Reprodução/Instagram
Douglas Lima - Especial para o Uai clock 07/09/2022 16:16
compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp SIGA NO google-news

Já imaginou acordar com uma grana a mais na sua conta? Uma empresária de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, deu exemplo de honestidade e devolveu quase R$ 30 mil após receber um Pix por engano. A transação ocorreu na última segunda-feira (05/09).

A transferência ocorreu pelo método do número de celular: o número tem a sequência idêntica ao de Daniele Aguiar, com exceção do código de área, equivalente ao interior do estado.

 

"Minha consciência não tem preço", disse Daniele após devolver o valor. A repercussão tomou conta das redes sociais depois que Vivi Wanderley publicou o relato em um dos perfis oficiais. A jovem é influenciadora digital, tem 13 milhões de seguidores no Instagram e 843 mil no Twitter, e filha de Daniele Aguiar.

 

"Uma pessoa depositou R$ 30 mil sem querer na conta da minha mãe. Ela foi na delegacia para devolver e falaram que ela não era obrigada. Eu não sabia disso, fiquei chocada, no final deu certo e ela devolveu", escreveu.

 

A influencer ainda questionou os seguidores sobre a atitude deles, caso eles também recebessem a quantia por engano. "Agora tenho uma pergunta, você devolveria?", questionou.

 

Confira, abaixo:

Em entrevista exclusiva ao portal G1, a mulher contou que, enquanto trabalhava, recebeu dezenas de ligações de um mesmo número. Como não tem o hábito de atender chamadas enquanto trabalha, a empresária ignorou as chamadas.

 

No entanto, um fato interessante chamou a sua atenção: o número de telefone era igual ao dela, com exceção do código de área. Na capital de Minas Gerais, o código telefônico é 31. Já o número que entrou em contato tinha o prefixo 34.

 

Ao conversar com o remetente, Daniele descobriu que havia recebido a transferência. "A filha de uma senhora com 67 anos me mandou mensagem e ligou, me contando que a mãe fez uma transferência de forma equivocada para mim. Ela digitou o número e não conferiu o nome do destinatário. Como o número era o mesmo, ela concluiu a transação", contou.

 

A princípio, a mulher pensou que poderia se tratar de um golpe. Aguiar chegou a conferir sua conta bancária e não percebeu um valor à mais, até que a verdadeira destinatária explicou para qual instituição financeira o valor foi repassado. A quantia de quase R$ 30 mil foi enviado para uma conta pouco utilizada pela empresária.

"Não é obrigada"

Temendo se ver envolvida em uma transação ilegal, Daniele Aguiar seguiu para uma delegacia da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), onde conferiu a autenticidade da origem do dinheiro. Ao comprovar que a situação era segura, vista que nenhuma das pessoas envolvidas no equívoco tinha registro criminal, a empresária se assustou com a informação recebida pelos agentes de que não era obrigada a devolver o dinheiro.

"A primeira coisa que passou pela minha cabeça é que Deus está vendo. A gente acha que as pessoas não estão sabendo, mas Ele está. Minha consciência não tem preço".

Daniele Aguiar

A remetente da transferência mora em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Durante as conversas com a verdadeira destinatária da transferência, Daniele recebeu a informação que a mãe dela utilizaria o dinheiro para pagar contas. A empresária combinou a devolução total do dinheiro conforme o limite praticado pela instituição bancária.

compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp