Médica alerta sobre os males do sedentarismo

Karina Hatano reforça a importância da atividade física para combater o sedentarismo

por Lilian Monteiro 02/02/2017 20:08
Arquivo Pessoal
Karina Hatano é médica do exercício e do esporte (foto: Arquivo Pessoal)
Karina Hatano, médica do exercício e do esporte, mestre em medicina esportiva pela Universidade Federal de São Paulo e com especialização em fisiologia do exercício e nutrologia, enfatiza que a importância da atividade física é justamente combater o sedentarismo. “E quando a gente fala em atividade física significa qualquer movimento com gasto energético, como descer um ponto de ônibus antes ou um ponto de ônibus depois, fazer uma caminhada, trocar o elevador pelas escadas, levantar para trocar o canal da televisão, enfim, tentar ter uma vida mais ativa.” No entanto, ela lembra que, nos últimos anos, a comodidade propiciada, inclusive pela tecnologia, faz com que as pessoas gastem menos energia e se tornem mais inativas. “Somado a isso, a mudança da alimentação, com mais comidas industrializadas e com mais condimentos, aumenta ainda mais a gravidade.”

Ela explica que o maior risco de ser sedentário são os problemas de saúde. “Principalmente cardiovasculares. Além disso, a diminuição de massa magra e aumento da gordura corporal não apenas mudam esteticamente o corpo, mas provocam alterações no metabolismo. E a razão é simples, o açúcar no sangue não é gasto, uma vez que não há gasto de energia, você só consome e esse açúcar fica estocado podendo levar ao diabete. Obviamente, se você come muito e não gasta a energia pode se tornar obeso e a obesidade é o mal do século.”

A médica lembra que o sedentarismo pode provocar alterações na qualidade do sono, alteração de humor e diminui o convívio social. “Há mais chances de, inclusive, criar hábitos ou até mesmo vícios ruins para a saúde como o tabagismo e o alcoolismo. Além disso, o sedentário propaga seu comportamento para os filhos e a família. Por outro lado, começar uma atividade física melhora tanto a qualidade de vida quanto previne doenças. Isso porque o exercício tem grande fator anti-inflamatório e ajuda a diminuir a morte natural das células, o que levaria a doenças.”

Karina conta que, no fim do ano, o movimento nos consultórios de médicos esportistas aumenta 50%. É a corrida contra o tempo para se livrar da gordura localizada, perder peso e ganhar músculos para o verão. Homens e mulheres investem na malhação para se exibir na piscina ou na praia. Mas ela alerta que não há mágica. “O foco sempre será a saúde e, em segundo plano, como consequência, a estética. A perda de peso não pode ultrapassar os 800 gramas por semana. Fazer exercícios sem orientação ou exagerar na dose pode causar lesão muscular, entorses, arritmia e a pior fatalidade: a morte súbita.”
 

 
Passo a passo 

1) Procure primeiramente atendimento médico, de um especialista, que irá prescrever a alimentação e o programa de exercícios adequados e acompanhar a evolução.
2) Sempre se hidrate, tome de dois a três litros de água por dia.
3) Meia hora antes do treino coma carboidrato e proteína. Por exemplo, sanduíche com peito de peru ou fruta com iogurte.
4) Fuja das dietas milagrosas e nunca faça atividade física em jejum.
5) Cuidado com os excessos. Em vez    de ajudar, os exercícios muito extenuantes podem provocar lesões, entorses ou até levar ao óbito.
6) Depois de seguidas as orientações e consultado um especialista, tenha um bom treino.
 




VÍDEOS RECOMENDADOS