Cirurgia inédita em Montes Claros: mulher é mantida acordada e conversando durante cirurgia no cérebro

A 'awake craniotomy' é necessária quando o tumor está localizado em área do cérebro que controla a fala

por Luiz Ribeiro 13/12/2016 11:03
Santa Casa de Montes Claros / Divulgação
Segundo neurocirurgião, procedimento busca reduzir ao máximo possíveis sequelas (foto: Santa Casa de Montes Claros / Divulgação )
Foi realizada na Santa Casa de Montes Claros, no Norte de Minas, cirurgia inédita, em que a paciente, uma mulher de 35 anos, teve o cérebro exposto e, mesmo assim, foi mantida acordada e conversando durante o procedimento cirúrgico. A paciente foi submetida a cirurgia para a retirada de um tumor cerebral.


Conforme explica o neurocirurgião César Felipe Gusmão Santiago, responsável pelo procedimento, a craniotomia com paciente acordado (awake craniotomy) foi necessária tendo em vista que o tumor (decorrente de uma metástase) estava localizado numa região do cérebro que controla a área da fala, fazendo com que a intervenção pudesse gerar como sequela a perda da capacidade de falar (afasia). A paciente já estava em tratamento há dois anos.


A cirurgia durou cerca de três horas e foi conduzida por César Felipe Santiago e equipe, formada pelo anestesista Erickson Miranda, o neurofisiologista Marcos Camarinha e a neuropsicóloga Danielle Resende. Depois de aberto o cérebro, o anestesista acordou a paciente, sem que ela sentisse qualquer tipo de dor. Enquanto era feita a retirada do tumor, a parte da fala da paciente era monitorada por um equipamento chamado potencial evocado somatossensitivo, que proporciona segurança e evita a ocorrência de sequelas.


Ao mesmo tempo, a neuropsicóloga conversava com a mulher e realizava os testes de linguagem e fluência vocal, a fim de se evitarem os danos na área operada. “Em tempo real, a ressecção do tumor foi realizada, juntamente com os testes da fala e de compreensão. O procedimento dá total segurança e precisão à paciente e, claro, à equipe médica. O objetivo maior é manter a paciente com seu status ou performance igual ao de antes da cirurgia, sem as temidas sequelas neurológicas”, destaca César Felipe.


O neurocirurgião explica que a craniotomia com paciente acordado é uma técnica cirúrgica inovadora no Brasil e que, pela primeira vez, foi feita no interior de Minas Gerais. “Trata-se de um fato bem inusitado. O tratamento é novo em todo o Brasil. Para uma região como a nossa é um marco na saúde. É bem surreal a paciente conversando com o crânio aberto”, comentou o especialista, acrescentando que o procedimento realizado em Montes Claros alcançou total sucesso, tendo em vista que a paciente deixou o bloco cirúrgico sem nenhuma sequela.



VÍDEOS RECOMENDADOS