Tecnologia alterou a forma como armazenamos lembranças: isso é bom ou ruim?

As memórias são uma construção coletiva, seja porque guardamos dados pessoais na "nuvem", seja porque confiamos aos amigos uma parte importante de nossas vidas

por Juliana Contaifer 30/10/2016 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
 Luis Nova/Esp. CB/D.A Press
Quando percebeu que a memória estava falhando, Sandra resolveu agir. Hoje, decora tudo (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Uma vida é feita de memórias. Boas e ruins. São pequenos e grandes acontecimentos, amizades, amores, desamores, viagens, desastres, milagres, encontros, desencontros, nascimentos e mortes que criam uma rede intrincada e única. Por meio das memórias, torna-se quem se é.

Para se lembrar de alguma coisa, é preciso prestar atenção. “O cérebro funciona em conjunto, como uma orquestra, mas há regiões que são especiais para a memória. Os hipocampos nos lobos temporais são estruturas soberanas da nossa memória e estão intimamente ligados aos nossos circuitos emocionais. O conteúdo emocional pode facilitar ou dificultar a consolidação de uma memória”, explica o neurologista Ricardo Teixeira, do Instituto do Cérebro de Brasília.

Hoje, as memórias não funcionam exatamente como há alguns anos. Antes da agenda de celular com milhões de espaços para contatos, antes das redes sociais que lembram os aniversários dos amigos, antes do Time Hop, que lembra o que aconteceu em determinado dia, guardava-se muito mais informação na cachola. Agora, tendo certeza de que as informações estão devidamente guardadas no celular, no tablet ou no computador, não é preciso prestar tanta atenção nos detalhes da rotina.

Sem contar com as informações pequenas que confiamos à tecnologia, até momentos que deviam ser aproveitados passam sem grandes marcas. Parece mais importante fazer uma foto maravilhosa, colocar nas redes sociais e provar que esteve no local. Uma reclamação recorrente de grandes músicos, acostumados a fazer shows para milhares de pessoas, são os celulares sempre apontados para o palco, prontos para captar todos os movimentos. Não se aproveita a experiência de estar ali, ao vivo, escutando suas músicas preferidas. No fim das contas, assiste-se ao show pela tela do celular.

Mas não confiamos nossas memórias apenas às tecnologias. Os amigos, companheiros que passam por situações semelhantes, também são um depósito externo importante para guardar pedaços de lembranças que o cérebro não dá conta de registrar.

	Luis Nova/Esp. CB/D.A Press
Segundo Rita Faria, o espaço liberado pelo mundo digital deve ser investido em outras coisas (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)

Tecnologia ajuda ou atrapalha?
Com as facilidades da vida moderna, a cabeça ganhou um alívio. E não é algo necessariamente ruim. “Acredito que não há problema no curto, médio ou longo prazo. É um novo modo de usar nossos recursos. O mundo digital reduz nosso esforço para tarefas x ou y, mas acho que deriva essa energia cerebral ‘economizada’ para melhorar nossas habilidades w e z”, explica o neurologista Ricardo Teixeira.

A psicóloga Rita Faria, porta-voz da empresa Supera, de ginástica para o cérebro, explica que a tecnologia pode se tornar um desserviço quando gera uma relação de dependência. “O seu smartphone não vai ser criativo por você. A memória precisa ser usada, precisa de treino para se desenvolver. Se é toda delegada para o smartphone, corre-se o risco de prejudicá-la”, afirma.

A especialista explica ainda que a memória que fica armazenada no celular ou nas redes sociais não é a mesma que guarda acontecimentos importantes. Existe todo um conteúdo emocional por trás da criação de uma lembrança. Por exemplo, a maioria das pessoas lembra o que estava fazendo em 11 de setembro de 2001. Poucas recordam o que faziam no dia anterior, por exemplo. Os números de telefone e as datas de aniversário ajudam, sim, a exercitar o cérebro. “Treinar a memória faz com que você tenha uma possibilidade maior de se expressar no mundo. Se eu não tiver as questões de memória resolvidas, não tenho como falar o que eu tenho para dizer.”

Rita destaca que um dos efeitos do estímulo intelectual é a criação de novas conexões neurais, que favorecem o raciocínio e a criatividade. “Um bom exercício é não fazer a lista do mercado escrita, por exemplo. Se for muito difícil, procure algumas técnicas de memorização. O Ivan Izquierdo, um dos pesquisadores mais respeitados quando se fala de memória, destaca também a importância da leitura. É uma atividade que trabalha as memórias de curto e longo prazo”, conclui.

Para Ricardo Teixeira, as crianças que conseguem equilibrar o formato digital com a leitura convencional terão cérebros mais bem treinados no futuro. “O formato digital é mais curto, e é diferente do exercício cerebral da leitura de um livro de 400 páginas, no qual exercitamos a reflexão”, garante.

 Luis Nova/Esp. CB/D.A Press
Beatriz Laviola, de 10 anos, já sabe que a leitura é um exercício fundamental para o cérebro (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)

Ainda se decora tabuada?
A
estudante Beatriz Laviola, 10 anos, é um bom exemplo de que a leitura ajuda, e muito, na memória. Ela está sempre com um livro dentro da bolsa e já organiza alguns dos poemas que escreve em um caderno. Por conta da leitura, desenvolveu senso crítico e procura sempre melhorar. Mas, apesar de toda a desenvoltura com as letras, o desafio atual fica longe do português: decorar a tabuada.

Adriana Araújo, professora do colégio Marista há 18 anos, explica que, apesar das facilidades oferecidas pelo celular, saber a tabuada de cor ainda é imprescindível. E os alunos só pensam em recorrer à tecnologia quando se veem diante de um problema que não conseguem resolver. “O desafio da escola hoje é aproveitar a tecnologia, porque os alunos têm outros tipos de memória — visual e ligada à tecnologia. Não é mais aquela decoreba de antigamente. Por isso, procuramos outras técnicas de memorização. Hoje, as crianças pegam o conteúdo mais rápido”, conta. Lembrar o conteúdo de cor ainda é uma etapa importante do conhecimento para levar o estudante a uma análise crítica.

Luis Nova/Esp. CB/D.A Press
Adriana Araújo: o desafio é aproveitar a tecnologia (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Beatriz entende que saber a tabuada é fundamental e que não sabê-la de cabeça pode atrapalhar seu futuro na matemática. “Ler me ajuda muito na memória, mas eu esqueço as coisas de vez em quando. Um dia desses, esqueci que tinha uma prova de ciências. Quando cheguei à escola, uma amiga me perguntou se eu tinha decorado os tipos de energia. Eu achei que a prova era no dia seguinte! Sentei e fui estudar em cima da hora, mas guardei tudo a tempo”, conta. Outro elemento facilitador da capacidade da estudante de lembrar é a convivência com os pais. Em casa, Beatriz e a família conversam muito, contam e relembram de histórias que passaram juntos. O exercício é fundamental.

Malhação de neurônios
Ter a memória treinada e afiada é muito importante para criar a capacidade de guardar novos fatos e acessá-los com facilidade. A pedagoga Bárbara Mota, 28 anos, estuda há um ano para passar em um concurso. Como é costume das bancas cobrar grande quantidade de conteúdo específico, ela precisa lembrar de vários assuntos rapidamente e sob pressão. Para ajudar nessa tarefa, Bárbara se matriculou há quatro meses em um curso de ginástica para o cérebro.

“A gente acaba ficando escravo da tecnologia, que facilita nossas vidas, mas acho que é preciso trabalhar o que a gente não usa com tanta frequência, estimular áreas que não eram estimuladas”, explica. A concurseira conta que, treinando o cérebro, é capaz de armazenar tudo o que estuda de forma diferente, ressignificando o conteúdo e criando novos caminhos para lembrar do que precisa. “Tem melhorado a questão do foco, da disciplina, e tenho percebido até uma melhora nas minhas relações interpessoais.”

Luis Nova/Esp. CB/D.A Press
Bárbara Mota usa o ábaco para treinar a mente (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)

Os exercícios que Bárbara faz não têm muito a ver com provas ou concursos — além de seguir uma apostila, ela participa de dinâmicas, de jogos. O professor costuma, por exemplo, passar o nome de alguns filmes para os alunos guardarem. Logo, muda de assunto para falar sobre a comida preferida de cada um. No fim da aula, volta para o nome dos filmes. “Outra atividade que acho muito interessante é o ábaco. A gente usa muito a calculadora por praticidade, ou conta nos dedos, mas o ábaco estimula o cálculo mental e faz pensar”, afirma.

No curto e no longo prazo
A idade tem relação direta com a perda cognitiva, e com ela, a memória vai se deteriorando. Fica cada vez mais difícil lembrar detalhes da infância, telefones, onde ficaram guardados os óculos. Para evitar chegar a esse ponto, a terapeuta Sandra Régis, 63 anos, percebendo que a memória já não estava tão boa quanto antes, não tão “audaciosa”, resolveu se mexer. Matriculou-se no Supera há um ano para exercitar a cabeça. “A vida é muito boa com saúde, e a saúde começa pelo seu mental. A melhora da memória contribui também para a autoestima. A vida passa a ser mais bela, mais interessante, você começa a se interessar por coisas novas. Se a gente deixa, a memória vai se acomodando, o cérebro vai fazendo as coisas da mesma forma de sempre”, analisa.

No começo, Sandra não se dedicou tanto às aulas e aos exercícios mas, nos últimos meses, tem se surpreendido consigo mesma. Estabeleceu uma meta de 30 exercícios da apostila por aula, fez 90 na última vez. Na última aula de violão, em que tinha alguma dificuldade, conseguiu pegar a música de primeira. “E não parei por aí. Eu gosto muito de um texto de Napoleon Hill e sempre quis declamá-lo. Nunca consegui, são quatro parágrafos, mas eu gaguejava, tremia. Este fim de semana, consegui recitar tranquilamente, na frente de uma plateia, em um evento. Ainda está todo aqui na minha cabeça. Depois, ainda falei o nome dos 15 integrantes da minha equipe. Foi muito gratificante para mim, para eles e até para o meu filho, que estava assistindo e ficou orgulhoso”, relata.

Sandra explica que não fortaleceu apenas a memória recente. O que está fresquinho na cabeça continua fácil de lembrar, mas até lembranças mais antigas vêm com mais facilidade. Para manter a cachola afiada, a terapeuta conta que, nos últimos tempos, tem se esforçado para decorar números. Telefones, aniversários de gente que não encontra mais e até placas de carro. “Reparo sempre. Umas são mais harmônicas que as outras, não é?”

	Minervino Junior/CB/D.A Press
Waldélia, Irismar e Raquel: "Nossa história é como uma colcha de retalhos" (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)

Vida construída em conjunto
Além da tecnologia, existe uma outra forma de terceirizar as lembranças. Segundo uma pesquisa publicada em julho deste ano pelas faculdades americanas Penn State Fayette, Amherst College e Purdue University, os amigos de verdade funcionam como uma espécie de HD externo. Segundo as pesquisadoras, existe uma espécie de memória compartilhada entre amigos muito próximos. Em outras palavras, tendo passado pela mesma experiência, cada um guarda um pedaço da lembrança, confiando que, se for necessário relembrar os acontecimentos, o amigo estará sempre por perto para prover sua parte da história.

As melhores amizades, as mais fortes, teriam as memórias mais intrincadas. A pesquisa explica ainda que pessoas muito amigas, mas muito diferentes, ou de outro sexo, também têm lembranças mais integradas, uma vez que cada um enxerga a situação de uma forma diferente. Para o neurologista Ricardo Teixeira, os resultados da pesquisa podem ser enxergados na prática. “Ao lembrarmos de uma viagem de 20 anos atrás que fizemos com um amigo, ele vai se lembrar de detalhes do roteiro que você não guardou, e vice-versa”, explica.

A dentista Raquel Vinholes, 60, a enfermeira Irismar Barros, 60, e a médica Waldélia Moura, 63, são prova viva de que a amizade e as lembranças andam de braços dados. Amigas desde 1982, lá se vão 34 anos de convivência intensa. O trio se conheceu no trabalho e não se desgrudou desde então. Viraram, com os outros colegas, uma grande família. Os filhos cresceram juntos, passaram por separação de uma, pela viuvez de outra. Quando uma aposentou, foi logo seguida pelas outras. Além de se encontrar todos os dias no serviço, criaram a “quinta sem lei”, um encontro semanal para ir ao cinema ou lanchar. Aposentadas, ainda fazem questão de se encontrar pelo menos uma vez por semana, mas se acompanham para “tomar providências”, como chamam. Se uma vai ao médico, por exemplo, alguém vai junto.

“Nossa amizade é como uma colcha de retalhos. Cada uma lembra um pedacinho da história. Waldélia tem uma memória excelente”, conta Raquel. Elas explicam que lembrar do que passaram juntas é parte muito importante da amizade e olham com saudade os tempos idos. “Lembramos para rir do que já passou. Mas não queremos viver só no passado! Queremos criar ainda muitas memórias novas”, afirma Waldélia.

Anos depois, uma amiga de Irismar acabou incorporada ao grupo. Não trabalhou com elas, mas já sabe de todas as histórias. E as tecnologias não interferem tanto na vida delas. Raquel, Irismar e Waldélia preferem terceirizar as memórias umas com as outras mesmo. O lado bom é que, em tempos de WhatsApp, não se desgrudam mesmo a distância. “As memórias antigas são mais sedimentadas, vivemos juntas de uma forma muito intensa. A tecnologia é uma facilitadora para garantir que a amizade continue firme e forte”, conta Waldélia.

O cérebro será um computador
Para o neurologista Ricardo Teixeira, o futuro da memória envolve uma capacidade cada vez mais acentuada de se lembrar. “Acho que serão criadas drogas com o poder de facilitar as conexões das redes de neurônios. Talvez cheguemos ao ponto de fazer uploads de informação em chips implantados no cérebro”, afirma.

A mulher que não esquecia
A norte-americana Jill Price nunca se esquece de nada. Um dos únicos casos documentados na história, Jill se lembra perfeitamente de tudo o que aconteceu em sua vida desde os 14 anos. Os pesquisadores da Universidade de Irvine, na Califórnia, descobriram que ela tem a região do lobo temporal e o núcleo caudado maiores do que o normal. Jill é tão especial que um termo foi cunhado especialmente para ela: síndrome da hipermemória. Recordar tudo não é tão bom quanto parece: a americana sofre de depressão e diz que não é fácil rever todos os erros que já cometeu na vida.

Amizade
“A memória tem um significado muito grande porque você sabe de onde veio, quem você é hoje e quem será amanhã. Estar com amigos antigos é uma maneira de firmar seus valores, de retornar às raízes”, conta a professora, publicitária, musicista e produtora de eventos Rosana Sarkis, 51 anos. Ela é parte de um grupo de cerca de 30 pessoas que se conhecem desde a infância. São as crianças que moravam no bloco D, da 312 Norte, que brincavam debaixo do bloco e fugiam dos cachorros, que cresceram juntos e, hoje, fazem questão de estar presente nas vidas uns dos outros.

Em mais de meio século de amizade, o grupo esteve sempre em contato. Seja por carta, mensagem de celular, grupo no WhatsApp ou página no Facebook. E, uma vez por ano, faz o que for preciso para se encontrar. “É uma tradição já. Conversamos sobre as novidades, sobre os filhos, sobre os pais e, principalmente, lembramos de histórias antigas. É um encontro de riso, de gargalhada”, conta Rosana.

Ela explica que a memória do grupo realmente é compartilhada — algumas vezes, são contadas histórias sobre ela que nem se lembrava, ou detalhes que ela sabe e que os outros não têm recordação. “Vamos puxando na memória um dos outros, formando uma colchinha de retalhos com as lembranças”, explica. A turma, muito unida mesmo vivendo longe, está sempre ligada. Sempre que acontece algo importante na vida de um dos membros (seja bom ou ruim), logo o grupo se reúne para prestar solidariedade. A memória de uma vida construída em conjunto é o que une essa forte amizade cinquentona. “São os amigos que fazem o resgate da memória — são eles que nos lembram quem somos”, conclui a professora.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA