Reprodução para manter a pureza da raça buldogue perpetua alguns defeitos genéticos e pode colocar animal em risco

O alerta é de um estudo americano

por Revista do CB 22/08/2016 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
 Zuleika de Souza/CB/D.A Press
Problemas genéticos, como a displasia de quadril, dificuldades respiratórias pelo formato do crânio, câncer e cherry eye (condição na qual o cão tem um pequeno cisto na pálpebra interna do olho), se estabelecessem com muita frequência nos animais considerados de raça pura (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
O excesso de dobras; a aparência, até meio emburrada, do focinho encolhido; o andar cheio de rebolado e as tentativas de correr com as pernas curtas são características que conferem ao buldogue um imenso carisma. No entanto, os traços que atraem muitos compradores e adotantes podem indicar sérios problemas genéticos, que afetam a saúde da raça. Um grupo de pesquisadores do Centro de Companheiros da Saúde Animal da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, acaba de concluir que, justamente a busca pela reprodução do buldogue inglês somente entre os representantes mais puros da raça tem perpetuado certas especificidades genéticas que podem comprometer a qualidade de vida desses cachorros.

Segundo a tese, a seleção artificial feita ao longo dos anos e a partir de poucos indivíduos da raça — a reprodução começou em 1835, com 68 buldogues ingleses — contribuiu para que os problemas genéticos, como a displasia de quadril, dificuldades respiratórias pelo formato do crânio, câncer e cherry eye (condição na qual o cão tem um pequeno cisto na pálpebra interna do olho), se estabelecessem com muita frequência nos animais considerados de raça pura.

A partir do estudo realizado com 102 buldogues, sendo 87 deles dos Estados Unidos e 15 de outros países, os pesquisadores concluíram que a ausência de diversidade genética na raça pode ter chegado a um nível crítico e que a saúde apresentada pelos cães atuais não tem perspectiva de melhora. Significa dizer que os genes problemáticos que esses animais têm hoje serão mantidos e transmitidos aos filhotes. Assim, o resultado do estudo americano levanta a reflexão quanto ao verdadeiro valor de raças puras e se manter um certo padrão físico é realmente saudável para os animais.

Zuleika de Souza / CB / D.A Press
A veterinária Lorena Andrade é uma amante dos buldogues. Ela lembra, no entanto, que é uma raça que precisa de mais cuidados (foto: Zuleika de Souza / CB / D.A Press)
A médica veterinária Lorena Andrade Nichel tem muitos buldogues ingleses como pacientes. Apesar de ser apaixonada pela raça e de duvidar que eles possam ser extintos, ela concorda com o alerta do centro americano. “Com a popularidade da raça, houve muita cruza sem estudos e os problemas foram sendo propagados. Acredito que não temos mais para onde ir no melhoramento genético do buldogue inglês”, explica. Lorena acrescenta ainda que a incidência de falhas genéticas aumenta as despesas e leva ao abandono de muitos filhotes. “As pessoas os compram de sites não confiáveis e de criadores que não têm responsabilidade para buscar um preço menor. Com isso, acabam abandonando o cão com problemas, que traz uma série de despesas”, lamenta a veterinária.

Dona de dois buldogues ingleses, Margot e Rover, a servidora pública Karla Cristina Rocha Botão, 40 anos, se compadece do sofrimento de seus cães: os dois apresentam problemas genéticos. Margot tem 2 anos e sofre com displasia de quadril e deslocamento de patela, ambas doenças ortopédicas genéticas muito comuns na raça. A cadelinha tinha apenas 6 meses quando começou a fazer fisioterapia e acupuntura para se preparar para uma cirurgia. Graças aos cuidados da dona com a saúde dela, a operação não foi necessária, mas Margot nunca poderá abandonar a acupuntura.

Apesar de ser saudável ortopedicamente, Rover, de 1 ano e 11 meses, tem cherry eye e doenças de pele com características genéticas. “Escolhemos a raça pelo temperamento, e sabíamos das chances de eles terem essas doenças, mas sempre achamos que não vai acontecer”, conta Karla. Ela também acredita que a busca pela pureza genética, da forma como tem sido feita, é prejudicial para a saúde dos cães, mas defende que, se houver uma mistura de buldogues com outras raças, muitos donos não vão querer os cães mestiços. Apesar das patologias, ela afirma que seus cães são felizes. “Isso nunca os impediu de correr, brincar, levar uma vida relativamente normal porque cuidamos muito da saúde deles e ficamos sempre atentos.”

Criador de buldogue inglês há 15 anos, o advogado Gilberto Pires Medeiros Filho discorda da conclusão dos pesquisadores americanos. “Acredito que a informação é metade verdadeira. É baseada em pessoas que reproduzem e vendem sem cuidado ou seleção genética, propagam os problemas e denigrem a imagem da raça”, explica.

Gilberto considera que o buldogue inglês nunca será um cão esportista, por exemplo, pois tem limitações naturais, mas que, quando reproduzido com responsabilidade e seleção genética, leva uma vida normal e saudável. “Hoje, existe uma preocupação dos criadores sérios. Cruzamos cães que tenham as narinas maiores para diminuir a dificuldade respiratória, buscamos um palato mole mais alongado, fazemos vários exames para evitar a displasia e temos o cuidado de castrar animais que apresentem muitas alterações genéticas”, defende Gilberto.

O criador acrescenta ainda que os concursos atuais da raça não consideram apenas o padrão da raça, mas sim a saúde. Gilberto explica que os juízes responsáveis observam as rugas ao redor dos olhos, o tamanho das narinas e diversos aspectos do físico do animal. “Os concursos têm colocado esse aspecto em pauta e a saúde do buldogue inglês é uma preocupação dos criadores sérios”, completa.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA