Exercícios na água ajudam a aliviar sintomas das doenças do trata respiratório

Cerca de 40% da população mundial sofre com alergias que se agravam no outono e inverno

por Augusto Pio 01/06/2016 14:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Drika Vianna/Divulgação
Hidroterapia é uma grande aliada para a prevenção de gripes e melhora da capacidade pulmonar (foto: Drika Vianna/Divulgação)
Para muitas pessoas, principalmente aquelas que sofrem com as mudanças de temperatura, as estações do outono e inverno são um terror, pois o clima tende a esfriar e o ar a ficar mais seco. Quem sofre de alergia sabe muito bem o quanto o inverno agrava os sintomas. Tosse, olhos lacrimejando constantemente, dores de cabeça e na região que vai do nariz às bochechas, e uma secreção nasal incessante. Tudo isso se torna parte da rotina dos alérgicos durante o frio. Basta esfriar um pouco para que os problemas respiratórios e alérgicos comecem a aparecer. De acordo com estimativas, cerca de 40% da população mundial sofre desse mal, que culmina com bronquite, faringite, laringite, meningite, pneumonia, rinite, sinusite e asma. As doenças alérgicas que mais atacam a população, principalmente no inverno, são a asma e a rinite.

Para se ter uma ideia, a asma é uma doença crônica que afeta as vias respiratórias e o pulmão, atingindo 6,4 milhões de brasileiros acima de 18 anos, de acordo com Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) do Ministério da Sáude e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As mulheres são mais acometidas pela doença e a enfermidade é responsável por mais de 100 mil internações no SUS. “Essas doenças, além das infecções respiratórias virais, são as mais comuns nesse período do ano. Os principais vilões do frio são os ambientes fechados e roupas e cobertores guardados há algum tempo, o que facilita a proliferação de fungos e ácaros”, alerta o fisioterapeuta Rogério Celso Ferreira, da Fisior Hidroterapia, de Belo Horizonte (MG).

De acordo com o especialista, a melhor maneira de passar o inverno longe desses problemas é a prevenção. “Manter ambientes limpos, trocar os lençóis e roupas de cama uma vez por semana, lavar as roupas de inverno, tanto as de vestir quanto as de cama, antes de usá-las, deixar as janelas abertas para ventilar, manter a alimentação saudável e tomar bastante água estão entre os principais cuidados neste período”, alerta Rogério. Outra sugestão para a prevenção e o combate aos problemas respiratórios é a hidroterapia. Ele ressalta que a fisioterapia aquática é uma atividade terapêutica, com a realização de exercícios dentro de uma piscina com água aquecida. As atividades são orientadas sempre por um fisioterapeuta, evitando impacto, acelerando a recuperação e prevenindo várias doenças.

MEDIDAS

“No caso dos problemas respiratórios, a hidroterapia é uma grande aliada. A pressão que a água exerce sobre a caixa torácica auxilia nos exercícios para os músculos respiratórios, melhorando a capacidade pulmonar. Além disso, a fisioterapia aquática alia exercícios específicos, que ajudam a corrigir a postura corporal, relaxam e alongam os músculos respiratórios, contribuindo para a melhora da função pulmonar e do bem-estar geral do paciente. Por ser um ambiente úmido, auxilia na higiene brônquica, na desintoxicação e expulsão de resíduos pela respiração”, esclarece Rogério, que é especialista em hidroterapia.

Para o aposentado Geraldo de Matos Souza, de 65 anos, que tem bronquite e rinite alérgica, o período frio é meio complicado. “Ainda não estou fazendo hidroterapia, mas procuro me cuidar. Para amenizar ainda mais os sintomas, tomo algumas medidas fáceis em casa, como passar pano umedecido no chão diariamente, trocar a roupa de cama duas vezes por semana e manter animais domésticos fora do quarto. Além disso, também limpo embaixo de minha cama e em cima dos armários, e opto por cortinas que não retenham pó. Por fim, procuro sempre manter a casa bem arejada, principalmente, o meu quarto de dormir. Assim, consigo controlar um pouco as minhas alergias.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA