Conheça os benefícios físicos e psicológicos da capoeira

A capoeira é uma arte, uma dança, uma expressão cultural, um chamado à ancestralidade e também um esporte

por Revista do CB 20/05/2016 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Zuleika de Souza/CB/D.A Press
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
O exercício físico é consequência. Para os praticantes de capoeira — só recentemente reconhecida como esporte —, valorizar a identidade cultural brasileira é a principal motivação. Sob o Sol escaldante do meio-dia, o capoeirista e professor de educação física Peterson Faria, 41 anos, também conhecido como Farinha, reuniu alguns dos praticantes da escola onde ministra suas aulas para jogar no Parque da Cidade, e falar sobre os benefícios físicos e mentais que a atividade proporciona.

De acordo com Farinha, a capoeira trabalha a coordenação motora, melhora o equilíbrio, a flexibilidade; alonga a musculatura; e também leva à hipertrofia, mas com parâmetros diferentes dos adotados pela musculação. “Como desenvolvimento mental, trabalha a timidez, melhora a depressão. Não tem rico, pobre, branco, negro — é um espaço neutro”, acrescenta.

A capoeira mobiliza praticamente todos os grupos musculares e, em geral, não apresenta restrições. “A gente tem um trabalho com crianças a partir de 2 anos. É uma estimulação precoce, com musicalidade, e se a pessoa tiver 60 ou 70 anos, é a mesma coisa. Qualquer indivíduo, estando em boas condições físicas, pode fazer”, defende o professor. A capoeira pode ser jogada em qualquer lugar e com qualquer roupa. “Existe um uniforme por questões didáticas e técnicas, como acontece com qualquer outro esporte.”

Para aquecer, é feito um alongamento específico, antes da aula, com movimentos próprios da atividade. Farinha chama a atenção também para os critérios que os interessados precisam levar em conta para começar a prática. Para ele, a qualificação e o histórico do profissional devem prevalecer sob a comodidade de frequentar a “roda perto de casa”.

Para quem quer se aprofundar, a capoeira funciona de acordo com um sistema de graduação e formação contínua. O iniciante é tratado como aluno. Depois de várias etapas de aprendizagem, passa a ser graduado. Posteriormente, torna-se instrutor, que geralmente é alguém que está se preparando ser um professor, e já está apto a ministrar aulas e representar o nome da instituição. Por último, há o mestrando, que é alguém que já tem bagagem, nível técnico e experiência de vida — aspectos levados em consideração para que a comunidade da capoeira enxergue o indivíduo como mestre.

De dança a esporte
Em fevereiro deste ano, o Conselho Nacional do Esporte, órgão consultivo do Ministério do Esporte, determinou que a capoeira, além de outras artes marciais, seja considerada um esporte e não apenas uma dança. Na prática, isso quer dizer que a modalidade se beneficiará de programas do ME, como o Bolsa Atleta, com repasse de verbas para a confederação desses esportes.

Bom para a cabeça

A capoeira aprimora o condicionamento físico e o raciocínio. “Há pesquisas científicas que afirmam que esse cruzar de braços e pernas, característicos da atividade, estimula os dois hemisférios do cérebro ao mesmo tempo.” É o que explica o empresário e mestrando em capoeira Eberson Pereira, 40 anos.

O ganho emocional foi experimentado pela engenheira ambiental e servidora pública Juliana Pereira, 30 anos. “Eu melhorei bastante a minha timidez. Pelo fato de você ter que entrar numa roda e jogar com uma pessoa diferente, então tem me ajudado”, explica. Juliana também conta que se sentiu cativada pela diversidade que a atividade propicia, por englobar noções de arte, música, dança e luta, e pela identidade genuinamente brasileira. A servidora, que pratica o esporte há um ano e nove meses, percebe também ganhos físicos, como a melhoria da flexibilidade, da força e da agilidade, e que não há uma rotina a ser seguida em todos os treinos. “Cada dia é uma história diferente. Uma história da nossa história. A capoeira é muito inclusiva”, resume.

Exemplo disso é a trajetória de superação e ganho de qualidade de vida do engenheiro agrônomo e indigenista Nelson Júnior, 62 anos. O carioca, também conhecido como “Toda hora”, conta que sempre gostou de capoeira, mas não tinha condição financeira de pagar por uma academia ou uma escola especializada. “Na época, eu fumava um monte. Parei de fumar porque achava que não condizia com a vida de atleta. E nunca mais eu pus um cigarro na boca. A capoeira só me trouxe coisas boas”, defende.

Sobre os apelidos, comuns entre os capoeiristas, “Toda hora” — que começou a jogar aos 42 anos — explica que tem origens históricas. “Antigamente, o capoeirista era visto quase como um marginal. Então esses apelidos foram criados para as pessoas não serem identificadas.” No aspecto social, Nelson afirma ainda que, na roda, ele é reconhecido e respeitado apesar da idade. “A capoeira tem essa alegria de estar em contato com a rapaziada. O pessoal gosta de jogar comigo. É uma coisa autêntica nossa. Isso também me motivou”, elogia.

Para o professor de educação física Dênis Silva, 36 anos, o esporte evitou que ele tivesse alguma aproximação com o mundo das drogas na juventude. Ele relata que morava em Luziânia e a condição financeira da família era precária. Até que um professor notou a presença dele assistindo às rodas e pediu para a avó de Dênis, que era a sua responsável na época, para que ele começasse a praticar como bolsista. “A capoeira entrou na minha vida para ficar, me colocando onde estou hoje. O brasileiro ainda não aprendeu a valorizar nossa arte. É uma identidade brasileira.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA