Pacientes com câncer contam com equipamento que reduz a exposição à radiação, mas mantém a eficácia

Instituto Nacional do Câncer prevê, para este ano, quase 600 mil casos novos no Brasil

por Renata Rusky 30/03/2016 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Quando o assunto é câncer, médicos, físicos e diversos profissionais trabalham juntos em busca de novas formas de tratamento - mais eficientes e mais confortáveis para os pacientes. Medicina e tecnologia estão unidas em prol de avanços no combate aos tumores. Já considerada o mal do século, a doença atinge cada vez mais pessoas. O Instituto Nacional do Câncer prevê, para este ano, quase 600 mil casos novos no Brasil.

Em termos de tecnologia, Brasília ganhou mais um trunfo para ajudar médicos a tratarem pacientes. Na unidade do Hospital Sírio-Libanês está funcionando um aparelho de radioterapia muito mais evoluído que os disponíveis até então. Foram R$ 18 milhões de investimento no equipamento, na instalação e no treinamento de funcionários. As vantagens da máquina vão desde o maior conforto do paciente ao aumento da capacidade de atendimento do hospital. “Entre os benefícios da nova tecnologia está a diminuição do tempo das sessões, tanto de radioterapia, de 15 para 5 minutos, como de radiocirurgia, de 40 para 15 minutos. Mantemos a mesma eficácia e reduzimos o risco de efeitos colaterais”, especifica o coordenador do serviço de radioterapia do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês em Brasília, Rafael Gadia.

Valdo Virgo / CB / D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais (foto: Valdo Virgo / CB / D.A Press)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA