Vacina contra dengue terá 17 mil voluntários de 13 cidades brasileiras; BH incluída

O contrato do governo federal com o Instituto Butantan para financiamento da terceira e última fase da pesquisa foi assinado nesta segunda (22/02)

por Correio Braziliense 23/02/2016 09:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Wallace Martins / Esp. CB / D.A Press
A expectativa do Instituto Butantan é que a vacina tetravalente contra a dengue fique pronta em 2018 (foto: Wallace Martins / Esp. CB / D.A Press)
Ao todo, 17 mil voluntários de 13 cidades nas cinco regiões do Brasil vão participar dos estudos clínicos para o desenvolvimento da vacina da dengue. O contrato do governo federal com o Instituto Butantan para financiamento da terceira e última fase da pesquisa foi assinado nesta segunda-feira (22/02) e prevê investimentos de R$ 300 milhões. O Palácio do Planalto analisa outros R$ 100 milhões do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, por meio de um contrato da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). Outros R$ 100 milhões podem ser investidos, ainda, pelo Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES).

Os testes serão conduzidos em Manaus (AM), Porto Velho (RO), Boa Vista (RR), Aracaju (SE), Recife (PE), Fortaleza (CE), Brasília (DF), Cuiabá (MT), Campo Grande (MS), Belo Horizonte (MG), São José do Rio Preto (SP) e Porto Alegre (RS). A vacina, que será desenvolvida pelo Butantan em parceria com o National Institutes of Health, nos Estados Unidos, tem potencial para proteger contra os quatro tipos de vírus da dengue com uma dose, mas o governo espera que a vacina possa ser pentavalente (ter ação também contra o zika), ou que se desenvolva uma vacina contra a zika em paralelo.

Cadastro aberto
A droga será produzida com os vírus vivos, mas geneticamente enfraquecidos, com o objetivo de não provocar a doença. A expectativa do instituto é disponibilizá-la em 2018. A vacinação de um grupo de 1,2 mil voluntários teve início ontem, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Eles têm entre 2 e 59 anos e residem na capital e na região metropolitana de São Paulo. Ontem, dez pessoas foram vacinadas. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, o cadastro de interessados em participar do estudo passa de dois mil.

Nesta etapa da pesquisa, dois terços dos voluntários serão vacinados e um terço receberá placebo — uma substância com as mesmas características da vacina, mas sem o vírus, ou seja, sem efeito. A partir dos exames coletados, a intenção é descobrir se quem foi vacinado ficou protegido e quem tomou placebo contraiu a doença. Os participantes serão acompanhados por um período de cinco anos, em que será verificada a duração da proteção oferecida pela vacina. O acompanhamento será feito por visitas programadas para coleta de amostras, contatos telefônicos e mensagens por celular.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA