Homem com "ossos de vidro" prepara site e vai lançar novo livro

Alexandre Abade nasceu com uma fragilidade anormal nos ossos e, até os 17 anos, sofreu mais de 300 fraturas

por Mariana Nascimento 26/01/2016 14:28

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Jhonatan Vieira/Esp. CB/D.A Press
O próximo livro de Alexandre será sobre inclusão e destinado ao público infantojuvenil: "Quebro preconceitos mostrando que a minha limitação não é nada" (foto: Jhonatan Vieira/Esp. CB/D.A Press)
“Sou hiperativo. Não consigo ficar parado ou esperar as coisas acontecerem.” É assim que Alexandre Abade, morador de Sobradinho, se apresenta. À primeira vista, a definição parece não combinar com a pequena figura de 1,20m, sentada em uma cadeira de rodas motorizada e com mobilidade mínima nos braços e pernas. Mas ele faz questão de destacar as características da personalidade. A aparência frágil deve-se à osteogênese imperfeita, síndrome conhecida como doença dos ossos de vidro e caracterizada pela fragilidade anormal dos ossos. Alexandre nasceu com as duas pernas quebradas e, até os 17 anos, sofreu mais de 300 fraturas, causadas pelo menor contato ou movimento.

Após o nascimento, os médicos estimaram que ele viveria até dois anos, no máximo. Hoje, aos 36, conta com orgulho que contrariou não somente aos especialistas, mas todas as expectativas. Desde a infância, ninguém podia prever como seria o desenvolvimento da doença ou mesmo se ele sobreviveria, então Alexandre tomou as rédeas e resolveu escrever a própria história. “Por ser deficiente, poderia me reservar, sem sair de casa e me contentar com isso. Em vez disso, não paro. Dou palestras, faço parte de grupos da igreja, estou sempre com um projeto novo, que é para todo mundo ver que não existe limitação quando há força de vontade”, declara.

Na vida de Alexandre, a delicadeza física é compensada com determinação. A prova disso é que, na trajetória dele, projetos são uma constante — colocá-los em prática também. Começou a estudar somente aos 17 anos, quando teve uma melhora no quadro da doença. Entre 2009 e 2013, se formou em gestão de marketing e administração, respectivamente, e cursa agora pós-graduação em gestão de recursos humanos. Atualmente, ministra palestras e participa de três equipes da Igreja Bom Jesus da Lapa. Em um desses trabalhos, distribui alimentos para a comunidade carente de Sobradinho. Em 2013, lançou o livro Faça a diferença, em que transforma suas dificuldades e superação em palavras.

Alexandre explica que o fôlego incansável vem da ânsia por transmitir uma mensagem de vitória. Questionado se tantos compromissos não esgotam suas energias, ele ri e responde prontamente: “Se não fizesse tanta coisa, não seria o que sou hoje. O que me motiva é fazer tudo o que faço, alcançar os objetivos que alcanço. Esse é meu jeito de mostrar para as pessoas que elas também podem ser bem-sucedidas em qualquer área.”

Presente
No meio de todas as atividades, Alexandre não abre mão de trabalhar com inclusão de pessoas com deficiência. Esse é um tema que ele sempre aborda nas palestras e, este mês, ele lançou um uma página na internet. “Recebo tantas mensagens nas redes sociais de gente interessada em saber da minha história, me dando apoio, incentivando, que achei interessante reunir tudo isso em um site. É mais um jeito de contar minha história. Meu site e meu livro estarão aonde eu não puder chegar”.

O site ainda está em desenvolvimento com ajuda e parceria da colega Sarah Sena, 18. “Nunca tinha pensado em trabalhar com esse tema. Fizemos tudo sem ajuda, só conversando, decidindo o que poderia entrar ou não. Aprendi muito com ele. Acho que nós estamos aprendendo muito juntos”, declara Sarah. Por meio do site, Alexandre divulga palestras, fotos, relatos de vida. No espaço, é possível também que outras pessoas se manifestem e contem suas histórias.

Futuro

Os sonhos de Alexandre também estão sempre em movimento. Estudar, formar-se, contar às pessoas a trajetória de vida e publicar um livro foram alguns dos desejos alcançados. O próximo passo é lançar uma publicação com conteúdo semelhante ao da primeira, mas para crianças e jovens. “Quero trabalhar o tema da inclusão com crianças porque a deficiência é algo que ainda não está claro na cabeça de algumas. Elas perguntam: ‘Como você nasceu assim?’ ou ‘Você é feliz?’ e acho que é importante fazer esse trabalho com elas, na linguagem adequada”, afirma.

A inspiração para o novo projeto saiu de dentro de casa e foi uma sugestão da sobrinha Mariana Abade, 11. “As pessoas acham que são diferentes, então seria legal um livro para mostrar que todos são iguais e tentar criar um mundo sem obstáculos”, sonha a menina. O pedido de Mariana ficou guardado e Alexandre não se esqueceu dele. A decisão por atendê-lo veio quando outro apelo surgiu. “Setembro é o mês da Luta das Pessoas com Deficiência, então escolas públicas e particulares me chamam para fazer palestras, conversar com os estudantes. Um dia, uma delas disse: ‘Tio, escreve um livro pra gente!’ e quero colocar isso em prática. Os professores tentam trabalhar muito a deficiência, mas falta material adequado, algo que a criança entenda”.

Passado

Alexandre recebeu a equipe de reportagem durante mais de uma hora na sala da casa onde vive, na Quadra 13 de Sobradinho. Nesse tempo, declarou várias vezes a admiração e gratidão ao Correio por contar, em 2009, a sua história (ver Memória). “Foi por causa de vocês que fiquei conhecido como rapaz dos ossos de vidro”, brinca. “Depois que publicaram a matéria, um grupo de cinco pessoas se organizou para doar minha cadeira. A partir daquele momento minha vida mudou.”

De todas as boas lembranças que guarda da fase de sua vida que começou após a doação da cadeira, destaca a participação, em 2010, em uma encenação pascal da igreja que frequenta e onde, um ano antes, conseguiu o primeiro emprego, graças à independência que conseguiu com a nova cadeira. “Sempre assisti à encenação da via-sacra, achava lindo e de repente eu estava lá, no meio deles, participando da peça. Gosto que as pessoas me vejam e pensem que, se eu consigo estar ali, elas também podem fazer qualquer coisa. Quebro preconceitos mostrando que a minha limitação não é nada. Aliás, quem é que não tem limitações?”

História de superação
Em agosto de 2009, o Correio contou, com exclusividade, a história de superação e luta de Alexandre Abade e pessoas de todo o país entraram em contato por telefone e e-mail para parabenizar e demonstrar solidariedade. Na rua, igreja e em outros lugares que frequentava, os vizinhos e colegas também o abordavam. Alexandre começou a receber convites para ministrar palestras. No mês seguinte, uma leitora, emocionada com a história, recrutou mais quatro colegas e comprou a cadeira motorizada que expandiu os horizontes de Alexandre.

Contatos
Alexandre recebe convites para palestras pelos seguintes contatos

Telefone: (61) 8435-4191
E-mail: aleximagem@hotmail.com
Site: aleximagem.wix.com/alexandrepalestras

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA