Pesquisa confirma que zika vírus consegue atravessar a placenta

Técnica usada para confirmar a transmissão intrauterina do zika vírus foi o exame RT-PCR que detectou traços de material genético do vírus em células da mãe e do embrião

por Redação 20/01/2016 09:55

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgada nesta quarta-feira (20/01) pesquisa do Instituto Carlos Chagas, da Fiocruz no Paraná, que confirma a capacidade do zika vírus de atravessar a placenta de gestantes. Os cientistas encontraram traços do DNA do vírus em uma amostra de tecido de uma mulher que teve a gravidez interrompida ainda no primeiro trimestre. O feto parou de se desenvolver dentro do útero da mãe e a paciente, que não foi identificada, relatou sintomas compatíveis com a infecção por zika vírus semanas antes do aborto.

A técnica usada para confirmar a transmissão intrauterina do zika vírus foi o exame RT-PCR, que detectou traços de material genético do vírus em células da mãe e do embrião. A virologista que liderou a pesquisa, Cláudia Nunes Duarte dos Santos, considera o resultado inequívoco e confirma a transmissão do vírus pela via placentária. O zika vírus é apontado como a principal hipótese para o aumento de casos de nascimento de bebês com microcefalia (crânio menor que 32 cm).

Leia também:Pesquisadores se debruçam sobre zika para confirmar relação com microcefalia 

Os pesquisadores também identificaram como seria o caminho do vírus na transmissão. A hipótese é que se dê através de uma célula do sistema de defesa do organismo. Ou seja, as “células de Hofbauer” estariam capturando o zika e depois sendo absorvidas pela placenta. Essa hipótese ainda não está confirmada. Os pesquisadores também afirmam que não se pode dizer que a interrupção da gravidez tenha sido causada pelo zika.

Outras análises já haviam detectado a presença do vírus no líquido amniótico de duas gestantes da Paraíba em que os fetos foram identificados com microcefalia. Como o líquido amniótico pode ser atingido por outras vias, como o canal transvaginal por exemplo, faltavam mais evidências da transmissão. A pesquisa da Fiocruz-Paraná reforça o potencial do vírus de fazer a infecção congênita.


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA