Desidratação pode causar danos ao coração. Prática de exercícios no calor do verão requer cuidados

Evitar atividade física nos horários de calor mais intenso é recomendado. Boca seca, sonolência, sede, diminuição de produção de urina, pele seca, prisão de ventre, dor cabeça, tonturas e vertigens são sintomas da falta de hidratação do corpo

06/01/2016 14:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay/Reprodução da internet
Desidratação acima de 2% da quantidade de líquidos do corpo, já aumenta o estresse sobre o coração (foto: Pixabay/Reprodução da internet)

O verão é sinônimo de calor, férias praia e atividade física. Mas com o aumento das temperaturas devemos ter atenção redobrada ao fazer algum exercício mais intenso. O coração sofre com os efeitos da desidratação, e essa época do ano os problemas podem se agravar.

Alguns sintomas podem indicar o início de um processo de desidratação do corpo, como boca seca, sonolência, sede, diminuição de produção de urina, pele seca, prisão de ventre, dor cabeça, tonturas e vertigens. A principal recomendação é, além de ter atenção especial ao consumo de água, evitar exercícios nos horários de pico de calor.  A exposição ao sol entre as 10h e 15h, horário de maior incidência de raios ultravioletas, também deve ser evitada.

O cirurgião cardíaco do Hospital Beneficência Portuguesa Marcelo Sobra explica que, quando a desidratação atinge 2% da quantidade de líquidos do corpo, o sistema cardiovascular já começa a sofrer com aumento do número de batimentos cardíacos e estresse sobre o coração. Mesmo se a atividade é realizada em horários alternativos, é importante prestar atenção nos sintomas. “Caso o exercício passe de uma hora é indicado a reposição de líquidos e minerais perdidos, antes de retomar o esforço físico. Água mineral, suco de abacaxi e laranja, e bebidas isotônicas são ótimas opções para hidratar o corpo nos intervalos dos movimentos e também durante os dias de calor”, destaca Sobra.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA