Visitas de fim de ano podem agitar o pet; veja dicas

Felizmente, é possível adestrá-lo para essas ocasiões

por Revista do CB 26/12/2015 09:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Zuleika de Souza / CB / D.A Press
O labrador Nick sempre recepciona as visitas da professora Nathalie: pura simpatia (foto: Zuleika de Souza / CB / D.A Press )
Quando um cachorro passa por situações inesperadas, ele pode tornar-se ansioso e alterar o comportamento. Nem sempre a mudança precisa ser claramente desconfortável, como o barulho de fogos de artifício. Às vezes, a simples entrada de pessoas (conhecidas ou não) na casa é suficiente para deixá-lo agitado.

O comportamentalista canino Renato Buani aponta que o melhor modo de tornar a visita um evento natural é acostumar o cachorro com muitas situações, locais e pessoas. Isso já pode ser feito por volta de 3 meses de idade, após a vacinação. Buani propõe que seja feito um trabalho de adestramento específico para visitas, de modo a diminuir a sensibilidade do animal ao barulho da campainha. Uma dessas técnicas é pedir para uma pessoa não conhecida pelo pet tocar a campainha seguidamente. A cada toque, o cão ganha um petisco. Com a prática, ele vai associar a “visita” a algo positivo.

Em situações reais, o dono pode orientar o visitante a ofertar um petisquinho tão logo cruze a porta. Para cachorros agressivos, porém, o especialista acredita ser melhor procurar ajuda profissional e, inicialmente, manter o bicho afastado dos não moradores. “O ideal é que o animal tenha um nível de restrição e, se alguém tiver interesse em interagir, pode aproximar-se”, indica.

A professora Nathalie Nobre, 39 anos, não tem problemas com o labrador Nick. Quando ele chegou à família, há quase nove anos, Nathalie morava em um apartamento com metade do tamanho do atual. O marido da professora ficou com receio de cuidar de um labrador, que pode chegar aos 60kg, mas Nathelie insistiu.“Deixei ele (Nick) em casa, tranquei as portas e saí para comprar o enxoval”, diverte-se.

A preparação para a novidade começa já quando o interfone toca. Nick fica sentado próximo à porta esperando Nathalie abri-la, para ele ir para a frente do elevador recepcionar a visita. A madrasta de Nathalie tem medo de cães, por isso é a única pessoa que recebe tratamento diferenciado. Nick fica preso até que ela se acomode. Quem não conhece o cachorro pode assustar-se com o tamanho. “Os entregadores, às vezes, se assustam e voltam para o elevador”, conta.

Já Pierre, o cãozinho da dona de casa Ana Maria Souza, 51, nem sempre consegue controlar a felicidade quando recebe alguém: ele pula nos convidados. “Ele sempre fica muito afoito, late já na escada, só depois fica quieto”, conta. Ela tem ainda uma vira-lata de sete meses, Marjorie, que se inspira em Pierre para tudo que faz. Ambos serão castrados no início de janeiro — o que, provavelmente, os deixará mais tranquilos. “Um dia, Pierre ficou sozinho e, quando cheguei, ele virou a cara pra mim, não quis almoçar”, lembra.

Segundo Buani, o hábito de pular nas pessoas é um mecanismo criado ainda na infância dos cães, quando eles sabem que vão ser recompensados com colo quando fizerem isso. Por isso, sempre que querem atenção partem para o contato físico. O problema surge quando eles crescem e não têm consciência de que cresceram, podendo machucar alguém. Para solucionar isso, é simples: basta olhar para cima ou para os lados, ignorando o pet. Se ele não encontra atenção, logo desiste.

Nathalie Nobre acredita que o bom comportamento de Nick é reflexo de uma vida social saudável. Ele tem amizade com vários cães do condomínio, recebe visita das crianças vizinhas e, periodicamente, nada na piscina. A única atitude de Nick que incomoda Nathalie talvez faça parte do instinto evolutivo dos cães: “Ele cheira o bumbum das pessoas”.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA