Trabalhar na construção civil é fator de risco para ataque cardíaco

Pesquisa se baseou nas informações da rede de monitoramento das condições do ar em cidades dos Estados Unidos. Dias com mais internações em urgências cardiovasculares coincidiram como registro de maiores níveis de partículas grossas na atmosfera

por Correio Braziliense 23/11/2015 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paul J Richards / AFP PHOTO
Partículas da construção civil lançadas ao ar podem aumentar o risco de ataque cardíaco (foto: Paul J Richards / AFP PHOTO)
Carros e fábricas não são os únicos a emitir partículas que podem comprometer a saúde. A agricultura e a construção civil também. E, pela primeira vez, cientistas começam a detalhar os impactos das ameaças lançadas ao ar no corpo humano. Segundo estudo da Escola Bloomberg de Saúde Pública da Universidade de Johns Hopkins, nos Estados Unidos, níveis muito elevados desses componentes aumentam os riscos de complicações cardiovasculares, como ataques cardíacos, principalmente em moradores de grandes áreas urbanas como mais de 65 anos.

Com 2,5 a 10 microns de diâmetro - menor que o de um fio de cabelo -, essas partículas são chamadas de grossas. As finas são emitidas pelos tradicionais poluidores do ar. Os pesquisadores também estudaram a ligação delas com complicações respiratórias, mas não encontraram uma correlação considerável. “Esse trabalho fornece a evidência, pelo menos para a evolução das doenças cardiovasculares. Não sinto que precisamos de outro estudo para nos convencer. Agora, é hora de agir”, defende Roger D. Peng, líder do estudo e professor-associado de bioestatística da Escola Bloomberg.

Para chegar à conclusão, Peng e a equipe liderada por ele usaram dados da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos - uma rede de monitoramento das condições do ar - referentes a 110 grandes municípios urbanos. Essas informações foram combinadas com registros de internações nessas mesmas áreas entre 1999 e 2010 de pacientes com 65 anos ou mais.

Durante o período, houve 6,37 milhões de urgências cardiovasculares e 2,51 milhões de urgências respiratórias nos hospitais. Ao juntar os dados, os pesquisadores descobriram que os dias em que foram realizadas mais internações cardiovasculares foram justamente os com o registro de maiores níveis de partículas grossas na atmosfera. Segundo Peng, os resultados indicam que esse material entra no trato respiratório e pode provocar problemas sistêmicos. Os mecanismos que ele desencadeia no corpo, porém, ainda não são completamente compreendidos.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA