Cientistas explicam por que as dietas nem sempre funcionam

Estudo descobriu que as pessoas não reagem da mesma forma ao consumo de alimentos saudáveis

por AFP - Agence France-Presse 20/11/2015 10:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
SXC.hu
Mulher que participou do estudo apresentou um aumento dos seus níveis de açúcar no sangue a cada vez que comia um tomate, alimento com pouco açúcar e gordura (foto: SXC.hu)
Com a proximidade do verão, muitas pessoas se questionam por que as dietas publicadas nas revistas nem sempre funcionam. A razão é que as pessoas reagem diferente ao consumo de alimentos saudáveis, permitindo a alguns a perda de peso e a outros não, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira (19/11).

Uma mulher que participou do estudo apresentou um aumento dos seus níveis de açúcar no sangue a cada vez que comia um tomate, alimento com pouco açúcar e gordura, exemplificou o estudo realizado com 800 pessoas em Israel e publicado pela revista científica Cell Press. "A primeira grande surpresa e descoberta assombrosa que tivemos foi a grande variedade de reações das pessoas a alimentos idênticos", declarou Eran Segal, pesquisador do Instituto de Ciência Weizmann de Israel.

Para o estudo, foi controlado o nível de açúcar no sangue dos participantes durante uma semana, foram analisadas suas fezes e foi observado o consumo alimentar. Nenhum participante era diabético, mas alguns eram obesos e tinham condições de saúde similares aos pré-diabéticos. "Há diferenças enormes entre os indivíduos - em alguns casos tinham reações opostas - e realmente nos faltou informação científica sobre o tema", destacou Segal.

No lugar de seguir dietas padrões, os pesquisadores sugerem regimes mais personalizados, e colocar cada pessoa no centro de seu programa alimentar e não o contrário, o que permitirá não só ajudá-las a controlar seus níveis de açúcar, mas também a melhorar sua saúde, declarou o co-autor do estudo, Eran Elinav.

Os pesquisadores afirmam ter avançado no desenvolvimento de um sistema capaz de fazer uma melhor análise nutricional em função de cada pessoa.

O método necessitava que fossem enviadas amostras de fezes para analisar as bactérias do sistema digestivo. Os pesquisadores identificaram microrganismos específicos vinculados ao nível de açúcar no sangue depois das refeições.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA