BH recruta pacientes com câncer de próstata para testar novo medicamento

Resultados iniciais de estudo internacional mostram redução de risco de morte de 30% e aumento de sobrevida. Podem se candidatar homens com diagnóstico de tumor na próstata com metástases ósseas que receberam tratamento hormonal, mas que apresentam progressão da doença

por Valéria Mendes 11/11/2015 09:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
(Ilustração: Soraia Piva / EM / D.A Press)
Pesquisa da SBU mostra que 73% dos homens de BH nunca se consultaram com especialistas em saúde masculina (Ilustração: Soraia Piva / EM / D.A Press) (foto: (Ilustração: Soraia Piva / EM / D.A Press))
O câncer de próstata já representa quatro em cada 10 tumores que atingem os brasileiros com mais de 50 anos. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), 69 mil homens são diagnosticados com a doença por ano. O tumor na próstata é também o segundo câncer em causas de morte, com 13 mil óbitos anualmente e atrás somente do de pulmão. A cada hora, 7,8 homens recebem a notícia da doença.

Novembro é o mês dedicado a falar sobre esse assunto já que o diagnóstico precoce do câncer de próstata aumenta a chance de cura da doença. Pesquisa recente da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), no entanto, evidencia como a saúde masculina é negligenciada: 51% dos entrevistados com mais de 45 anos nunca foram ao urologista. A realidade em Belo Horizonte é ainda pior: 73% afirmaram que nunca se consultaram com especialistas em saúde masculina.

A notícia boa em período da campanha ‘Novembro Azul’ é que o Brasil é um dos países que está testando uma nova terapia para pacientes com diagnóstico de tumor na próstata com metástases ósseas. A primeira fase do estudo internacional intitulado ‘ALSYMPCA’ que testou a droga rádio-223 - já comercializada fora do Brasil e com perspectivas de ser aprovada por aqui - determinou a redução do risco de morte em 30% comparado ao placebo, aumentou significativamente o tempo para a progressão de um evento esquelético, de 10 para 16 meses, e mostrou também que o medicamento foi bem tolerado.

De acordo com o professor de medicina e oncologia e pesquisador do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), André Márcio Murad, o sucesso dessa primeira etapa de testes da rádio-223 motivou a condução de um novo estudo clínico para incrementar ainda mais a eficácia do medicamento. “Na primeira etapa, a droga foi usada na fase final da doença, quando quase nada poderia ser feito pelos pacientes”, afirma

Nesta etapa, a droga será associada a um agente hormonioterápico. A abiraterona já é comercialmente disponível e indicada para o tratamento de pacientes com câncer de próstata metastático que falharam ou progrediram ao uso de um tratamento hormonal de primeira linha. “Se o paciente tem metástase óssea e não responde a hormonioterapia de primeira linha, o protocolo é passar para as medicações de segunda linha. Nessa fase do estudo clínico, o uso da rádio-223 será acrescentado à medicação de segunda linha”, detalha o especialista.

Arte: EM / D.A Press
O câncer de próstata já representa quatro em cada 10 tumores que atingem os brasileiros com mais de 50 anos (foto: Arte: EM / D.A Press)


Como participar
No Brasil, o Centro Avançado de Tratamento Oncológico (Cenantron) está conduzido a segunda fase desse estudo em Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo e um dos investigadores principais no país é o oncologista André Márcio Murad. Os testes também estão sendo iniciados em vários países do mundo.

Serão sorteados 800 pacientes com diagnóstico de câncer de próstata com metástase óssea que receberam o tratamento hormonal, mas que apresentam a progressão da doença. Ou seja, é necessário que esse homem tenha sido previamente tratado com uma linha de medicação hormonal, que usualmente compreende a associação de um bloqueador de testosterona (geralmente a bicalutamida) e um bloqueador central de hormônio liberador de luteínico (os chamados agonistas ou antagonistas de LH-RH).

O interessante desse estudo é que mesmo os pacientes que receberem o placebo ao invés da rádio-223 associada à hormonioterapia de segunda linha estarão sendo beneficiados com essa abordagem já que o Sistema Único de Saúde (SUS) ainda não disponibiliza a abiraterona.

Os interessados podem entrar em contato no (31) 9 8412-9058.

Metástase óssea
O oncologista André Márcio Murad explica que a metástase óssea é quando o tumor atinge a matriz dos ossos e faz com que os osteoblastos passem a provocar o crescimento ósseo exagerado. Segundo ele, a rádio-223 é uma substância radioativa que emite partículas alfa no organismo e alcança e combate as metástases ósseas produzidas pelo câncer de próstata ao mimetizar o cálcio, ou seja, o osteoblasto acha que essa partícula é cálcio.

O especialista esclarece ainda que é o excesso de osso que comprime as estruturas nervosas, provoca um peso exagerado na coluna e que pode ocasionar fraturas. “O medicamento destrói as células tumorais, mas poupa os tecidos adjacentes aos tumores e também a medula óssea”, reforça Murad. Dessa forma, os ossos tendem voltar à normalidade e ficarem anatomicamente mais equilibrados. “A dor cessa e tem um impacto significativo no prolongamento da vida”, afirma ele.


Alexandre Fonseca, médico oncologista da Oncomed-BH

O que é o câncer de próstata?

Câncer, também conhecido como neoplasia, é uma doença na qual ocorre um crescimento exacerbado e desordenado de algumas células. No caso do câncer de próstata, essas células são originariamente da próstata, e podem invadir os tecidos e órgãos e espalhar-se para outras partes do corpo, o que denominamos metástases. Esse tipo de câncer tem crescimento lento, acometendo, em geral, homens com idade acima de 50 anos. Embora não seja conhecida sua causa, é sabido que fatores genéticos estão envolvidos, sendo que homens com parentesco de 1º grau de neoplasia de próstata apresentam risco mais elevado de desenvolver a doença.

O que o paciente sente?

Na fase inicial, os pacientes não têm sintomas. Grande parte deles permanecerá assintomática ou terá sintomas urinários (dificuldade para urinar e aumento da frequência urinária), posteriormente podendo evoluir para quadro de obstrução urinária, dor no reto ou óssea, fraqueza e desânimo.

Como se faz o diagnóstico?
O diagnóstico precoce é feito por meio do exame de toque retal associado ao exame de sangue (PSA) a partir dos 50 anos. Os pacientes que apresentarem no sangue aumento do antígeno prostático específico (PSA em inglês) e/ou alteração no toque retal são candidatos à realização de ultrassonografia transretal com biópsia da próstata para verificar a presença da doença na próstata. O diagnóstico de certeza é feito com a biópsia da próstata.

Tem cura? E como é o tratamento?
Existe cura sim, em vários casos, quando a doença é diagnosticada em fase inicial e o tratamento é adequado. O tratamento do câncer da próstata é multidisciplinar, podendo envolver cirurgia, radioterapia, uso de hormônios ou quimioterapia. A escolha do tratamento ideal é feita dependendo do estágio da doença e das características de cada paciente.


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA