Além de não fazer bem ao corpo, pesquisa mostra que comida 'fast food' tira o prazer da vida e gera ansiedade

Dados da Universidade de Toronto confirmam que essa alimentação faz mal à mente

por Lilian Monteiro 10/06/2015 14:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
 Freepik/Divulgação
Quanto maior for o papel que os alimentos 'fast food' representam em sua vida, menos você desfruta dela (foto: Freepik/Divulgação)
Que hambúrguer, batata frita, cachorro-quente, coxinha, frango frito e tudo mais do cardápio “comida rápida” fazem mal à saúde todos já sabem. Os médicos não se cansam de alertar e, infelizmente, muitos insistem em comer ou fazer desse menu uma rotina perigosa. O que a maioria ainda não sabe é que o fast food rouba o prazer da vida, a alegria do dia a dia. E, não satisfeita em colocar em risco seu checape e contribuir com quilos e quilos a mais na sua silhueta, ela também prejudica sua mente e gera ansiedade.

Três estudos baseados em psicologia social e ciência da personalidade feita por psicólogos da Universidade de Toronto, no Canadá, constataram que quanto maior for o papel que os alimentos fast-food representam em sua vida, menos você desfruta dela. Os pesquisadores acreditam em consequências psicológicas: “a cultura de velocidade e eficiência pode significar que nos tornamos tão apressados e impacientes que já não somos capazes de desfrutar de nossas vidas, porque já não tomamos tempo para fazê-lo”.

Para o médico Fábio Cardoso, especialista em medicina preventiva, longevidade e antienvelhecimento, e mestre em medicina do esporte, a comida fast-food se encaixa em uma cultura que coloca um valor alto na eficiência. “Queremos fazer mais em menos tempo. E isso ocorre com tudo. As refeições não são mais um ritual. Em vez disso, podemos pegar o carro e ir ao drive-thru de alguma rede fast food”.

Fábio enfatiza que o estudo canadense destaca o alto grau de ansiedade que as pessoas estão incorporando no dia a dia. E não dá para ser feliz sendo ansioso. Pela pressa, as pessoas são levadas a tomar decisões rápidas em tudo, pessoais e alimentares, para acelerar a vida. Mas isso não vai gerar bem-estar e felicidade. “O que nos faz pensar: estamos indo cada vez mais rápido, mas para onde? E vale a pena?”

Susana Pabst/Divulgação
Fábio Cardoso, especialista em medicina preventiva, longevidade e antienvelhecimento, chama a atenção para o alto grau de ansiedade que as pessoas estão incorporando ao dia a dia (foto: Susana Pabst/Divulgação)
ACELERADO
O fast food é um símbolo desta sociedade acelerada, com informação científica envolvida. “O comer acelerado piorou a qualidade de vida, porque gera ansiedade. E não estou falando dos alimentos de pouca qualidade, caloria vazia e que traz doenças... Quem consome o fast food são pessoas ansiosas e não se encaixam nos critérios de felicidade traduzidos pelo estudo. Não relaxam, não são tranquilas e, consequentemente, são presas fáceis para a tristeza e a infelicidade”, enfatiza o médico destacando que, hoje, há dados em que o jovem do mundo passa 3 bilhões/horas por semana no videogame. Um garoto dos 8 aos 21 anos, nesse ritmo, já terá jogado 10 mil horas, o que, num treino sério, é o que se gasta para formar um atleta olímpico, diz ele. E tudo só piora, já que Fábio conta que, nos anos 1990, os jovens gastavam 12 segundos para perder o foco em algo. Hoje, estudos com faixa etária entre 16 e 18 anos comprovam que gastam de quatro a seis segundos.

Fábio Cardoso diz que o primeiro passo para fugir desse ciclo é a conscientização. É preciso tirar o pé. Fazer pelo menos três refeições por dia assentado à mesa, sem estar hipnotizado pela TV ligada, atento ao celular ou tablet e longe do computador. A ordem é relaxar, buscar a qualidade de 40, 50 minutos para se alimentar corretamente, sentindo o sabor e não em pé no balcão ou mesmo andando pelas ruas. “As pessoas estão perdendo o prazer porque têm dificuldade em relaxar. Meditação teria de ser matéria curricular, aprender a respirar, saber parar por alguns minutos e retomar o controle do bem-estar, a começar pelo café da manhã, almoço e jantar, no mínimo.”

O resultado

Embasado nos resultados dos três estudos, os pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá, chegaram às seguintes conclusões:

Estudo 1 – questionário sobre nível de felicidade

Os pesquisadores testaram essa teoria de várias maneiras. Em uma delas, a meta era conseguir quase 300 pessoas para preencher o questionário de emoção, regulamentado e revisto pela Sociedade Canadense de Psicologia, de perfil emocional e níveis de felicidade. Esse questionário mede se a pessoa gosta de coisas agradáveis e qual o nível de felicidade. Os pesquisadores canadenses descobriram que os participantes pontuaram pior nos restaurantes de fast-food e nas suas imediações.

Estudo 2 – redução do gosto pela natureza

As pessoas se sentem melhor e mais felizes se são rodeadas pela natureza. Mesmo o simples fato de olhar fotos de árvores ou paisagens naturais aumenta os sentimentos de felicidade. Os canadenses foram capazes de confirmar esse efeito em um experimento, no qual 275 pessoas foram colocadas para olhar fotos da natureza. O efeito foi menor quando as pessoas tinham primeiro olhado fotos de hambúrgueres e batatas fritas.

Estudo 3 – efeito sobre a música

Os pesquisadores repetiram o Estudo 2 de outra
forma. Em vez de mostrar fotos da natureza, colocaram as pessoas para ouvirem a ópera Flower Duet, de Lakme Leo Delibes. O grupo de pessoas para quem foram mostradas fotos de fast food antes de ouvir a música, gostou menos do que aquele que apenas ouviu a música. As pessoas que viram primeiro a fotos de fast food ficaram mais impacientes enquanto escutavam a música e sentiram que ela durou mais tempo do que as do segundo grupo. A peça durou apenas 86 segundos.

Conclusão
“Dada a prevalência dos símbolos de fast-food em nosso ambiente cotidiano, é fundamental entender melhor a sua influência. Como um símbolo onipresente de uma cultura impaciente, o fast food não só tem impacto sobre a saúde das pessoas físicas mas também pode moldar a sua experiência de felicidade de forma inesperada.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA