Menos da metade dos latino-americanos faz atividade física, aponta estudo

Nos países da América Latina, 31% da população não faz nenhuma atividade física

por Agência Brasil 16/11/2014 10:36

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Estudo feito em nove países americanos mostra que a prática de atividade física é hábito de poucos latino-americanos. Segundo o levantamento, enquanto no Canadá e nos Estados Unidos 68% da população se exercitam duas ou mais vezes por semana e apenas 14% não pratica nenhuma atividade, nos países da América Latina são 41% os que se exercitam e 31% não fazem nenhuma atividade.

O levantamento Percepção e Realidade – Um Estudo sobre a Obesidade nas Américas foi organizado pela WIN Américas, em nove países do continente americano - Argentina, Brasil, Canadá, Colômbia, Equador, Estados Unidos, México, Panamá e Peru - que representam 90% da população da região. No Brasil, a pesquisa foi feita pelo Conecta, plataforma web do Ibope Inteligência.

Segundo a pesquisa, as mulheres têm uma percepção mais crítica de sua saúde do que os homens: 67% delas se declaram saudáveis, percentual que sobe para 72% entre os homens. Eles, entretanto, têm mais dificuldades para enfrentar os problemas relacionados ao sobrepeso. Pelo menos 40% dos homens declaram estar acima do peso, porém, de acordo com seu Índice de Massa Corporal (IMC), 52% têm sobrepeso de fato. Entre as mulheres as percepções se invertem: 46% dizem estar com sobrepeso mas o cálculo do IMC mostra que, na realidade, 43% delas estão acima do peso.

Dados da pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, de 2013, indicam que 50,8% dos brasileiros estão acima do peso e 17,5% são obesos. Os percentuais são 19% e 48% superiores aos ocorridos em 2006, quando a proporção era 42,6% e 11,8%, respectivamente. A obesidade é considerada fator de risco para doenças crônicas como o diabetes e a hipertensão e alguns tipos de cânceres.

Segundo o estudo, apesar de 75% dos cidadãos das Américas desejarem mudar a alimentação, apenas 19% conseguem fazer essas alterações com sucesso. Os dados mostram que brasileiros são os mais dispostos: 89% mudariam seus hábitos alimentares. Os americanos e canadenses aparecem na sequência, com 77% e 76%, respectivamente. Os mexicanos se mostram muito resistentes, 50% não querem mudar sua maneira de se alimentar.

A pesquisa foi feita entre agosto e setembro de 2014, com 10.786 entrevistados de nove países do continente.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA