HIV: autoridades de saúde reclamam que preservativos são muito pequenos para os ugandenses

Legisladores de Uganda afirmam que o problema é um obstáculo na luta contra a Aids. Cerca de 1,8 milhão de pessoas vivem atualmente no país com o vírus do HIV

por AFP - Agence France-Presse 19/09/2014 10:15

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
REUTERS/Edward Echwalu
Médico faz exame de sangue para HIV em unidade móvel de saúde em Uganda. É crime no país transmitir o vírus intencionalmente (foto: REUTERS/Edward Echwalu)
Os legisladores de Uganda receberam uma enxurrada de reclamações de que os preservativos vendidos neste país da África oriental são muito pequenos, e advertiram que este problema é um obstáculo na luta contra a Aids. O deputado Tom Aza, membro do Comitê Parlamentar para HIV/AIDS, insistiu que apenas um tamanho não é adequado para todos, e em uma recente viagem pelas zonas mais afetadas pelo vírus revelou que alguns homens "têm órgãos sexuais maiores e, portanto, deveriam receber preservativos maiores".

"Quando se trata da ação, quando eles têm atividade sexual, naturalmente com a pressão arrebenta", declarou à NTV Uganda. "Alguns jovens se queixam de que as camisinhas que recebem são muito curtas, seus órgãos não cabem nelas", disse ainda Merard Bitekyerezo.

Outra integrante do comitê, Sarah Netalisile, afirmou que o problema do tamanho "expõe nossos homens e mulheres mais jovens, e todos os que utilizam preservativos, a contrair HIV". A NTV afirmou que os legisladores pedirão camisinhas melhores e maiores.

A Aids aumentou em Uganda depois de anos de retrocesso, provocando a morte de 80.000 pessoas a cada ano. Cerca de 1,8 milhão de pessoas vivem atualmente em Uganda com o vírus do HIV, e um milhão de crianças ficaram órfãs depois que seus pais morreram devido à Aids.

SXC.hu
Aids aumentou em Uganda depois de anos de retrocesso; 80.000 pessoas morrem a cada ano (foto: SXC.hu)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA