Será que casar muito jovem dá certo? Veja o que deve ser analisado antes de dizer 'sim'

Para especialistas, a experiência de viver sob o mesmo teto logo depois da adolescência é um desafio que exige uma boa dose de maturidade

por Revista do CB 24/07/2014 08:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Zuleika de Souza/CB/D.A Press
Será que pode dar certo? Carolina Cardoso, 20 anos, e Luís Felipe Marinho, 21, trocaram alianças há um ano e apostam que sim (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
Decidir o momento de trocar alianças faz parte de uma etapa do casal, não importa a idade dos noivos. Quando os pombinhos são jovens, contudo, é comum ter como feedback uma certa descrença ou até mesmo sarcasmo por conta de pessoas mais maduras. “Não é a mesma coisa que namorar”, “vamos conversar de novo daqui a um ano” ou “você vai desperdiçar os melhores anos da sua vida” são comentários maldosos, porém, comuns. Independentemente do que os outros digam, o importante é ter certeza do que se quer. “É comum que jovens tenham mais sensação de certeza do que as pessoas mais maduras, pois quanto mais conhecemos da vida mais sabemos de tudo o que pode dar errado — é a tal da benção da ignorância”, compara a psicóloga e terapeuta de casais Marisa de Abreu.

 

Esta matéria está dividida em três partes. Leia também:

Paciência é a chave para equilibrar casamentos em que os noivos são muito jovens

Planejamento financeiro logo no primeiro ano de casamento auxilia os mais jovens

 

 

“A única vantagem (de se casar jovem) seria poder comemorar bodas de ouro sem rugas”, brinca a psicóloga. Brincadeiras à parte, a especialista pondera que, talvez, esses jovens tenham convicção de já terem encontrado a pessoa certa — logo, “perder tempo” seria desnecessário. Maduros ou não, todos precisam se preparar, psicológica e financeiramente, para a mudança de vida. “Quem vai dizer quem está certo será o tempo”, conclui a especialista.

Pensar na parte prática da vida ajuda a entender se o momento é o ideal para trocar alianças. Saber que os gastos vão aumentar ajuda a “clarear os aspectos emocionais” do novo arranjo, segundo a psicóloga Marisa de Abreu. Ter em mente que a relação em si não será mais a mesma também evita futuros aborrecimentos. “A convivência diária muda muito a forma como nos relacionamos com o namorado que víamos apenas no fim de semana”, completa Abreu.

Encontrar a pessoa certa é uma sensação maravilhosa, mas nem sempre é o romantismo que impulsiona o casório precoce. Lorena Noronha, psicóloga e terapeuta de casais, diz que a maior parte dos nubentes mais jovens que recebe em seu consultório resolveram casar por conta de gravidez indesejada. “Existe também o fator de querer sair da casa dos pais”, completa. Muitas vezes, ela diz, fica difícil pagar a conta da ‘brincadeira de casinha’. “Ter uma casa própria não é a mesma coisa que brincar de casinha, e casar não é o mesmo que ter um namorado”, justifica Noronha.

Uniões entre pessoas na faixa etária de 20 a 24 anos já foram mais populares (veja abaixo), é verdade, mas dizer que os mais jovens não querem saber de compromisso é mero clichê. Carolina Cardoso, 20, e Luís Felipe Marinho, 21, por exemplo, estão juntos há três anos, sendo um ano de namoro, um de noivado e um de casamento. Eles se conheceram por meio de uma amiga em comum e começaram a namorar. A ideia de se casar surgiu durante uma viagem, na qual passaram uma semana juntos.

“Percebemos que gostamos da experiência — ficar juntos o tempo inteiro e compartilhar todos os momentos. A partir dali, começamos a nos planejar e preparar as nossas famílias”, completa Carolina. No início, todos os parentes acharam a decisão precipitada. Para a mãe da noiva, tudo não passava de uma fase que não deveria ser levada a sério. Com o tempo, porém, o plano do casamento começou a amadurecer e a ganhar credibilidade entre os familiares.

O lado financeiro ainda preocupa. Atualmente, Carolina está se dedicando aos estudos, enquanto Felipe, que trabalha com telefonia empresarial, segura as contas da casa. “Nosso plano é eu me formar primeiro e, depois, ele investir na educação dele”, conta Carolina. Ela acredita que manter o casamento, mesmo começando tão jovem, é possível. “Meus pais se casaram com 20 anos e estão juntos até hoje. Na época, era normal. Hoje, as pessoas acham que casais de 20 anos são crianças”, observa. Segundo ela, o salário de Felipe é suficiente para sustentá-los sem precisar da ajuda da família.

Ambos citam como maior benefício do casamento a intimidade do casal e a independência em relação aos pais. “Hoje em dia, tomamos nossas decisões e pensamos em conjunto. Mas tudo tem que ser feito com planejamento.” Os projetos incluem comprar uma casa e ter filhos. “A gente já está juntando dinheiro para isso. Quando a Carol começar a trabalhar, a situação vai ficar bem melhor”, diz Felipe.

Zuleika de Souza/CB/D.A Press
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
É hora de se casar?

Saber o momento certo de se casar não é simples, mesmo para quem não é mais tão novo.

Veja o que deve ser analisado antes de dizer “sim”:

-Tenha clareza com relação às consequências práticas da decisão. Saiba que a vida vai mudar em todos os sentidos: financeira, social e emocionalmente.
-Calcule, faça planilhas, planeje-se: coloque no papel gastos como deslocamento, alimentação, aluguel e não se esqueça de guardar um pouco na poupança.
-Coloque no planejamento financeiro quanto há disponível para custos básicos bem como para passeios e viagens.
-Cuidado com o mito “casados e felizes para sempre”. Lembre-se que o mais difícil não é encontrar um(a) parceiro(a), mas reconhecer que relações amorosas, antes de qualquer coisa, precisam ser olhadas e cuidadas.
-A relação não ficará congelada: o casamento é duradouro e as pessoas mudam. As pessoas não avançam somente na idade, mas na profissão, passam a ser pais, trocam de hobby, criam novos laços de amizades, enfrentam doenças e mortes significativas, perda de emprego entre (muitas) outras mudanças.
-Reduza as despesas ao máximo. Leve em consideração quais são as maiores fontes dos gastos — na sua grande maioria, são empréstimos e carros.
-O ponto básico das finanças é não gastar mais do que se ganha. A renda mensal deve cobrir os gastos e ainda sobrar para controle e garantia.
-Trace uma meta dos planos em conjunto. É importante fazer um planejamento para o casal investir.

Fontes: Marisa de Abreu, psicóloga e terapeuta de casais; Ana Reis, terapeuta de casais e de família; Beto Veiga, advogado.

Soraia Piva / EM / DA Press
(foto: Soraia Piva / EM / DA Press)
Casamento jovem em números
De acordo com o último levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), feito em 2011, os casamentos com pouca idade já foram mais populares. Veja a porcentagem de casamentos entre os novinhos:

15 a 19 anos
A maior porcentagem de casamentos registrada nessa faixa-etária ocorreu em 2004: 18,71%.
A menor ocorreu em 2011: 12,78%.

20 a 24 anos
A maior porcentagem de casamentos registrada nessa faixa-etária ocorreu em 2003: 32,7%.
A menor ocorreu em 2011: 25,38%.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA