Família de transplantado faz campanha para evitar casos como o de Renata

Menina de 13 anos morreu devido a complicações de uma miocardiopatia dilatada. Yuri, de 24, teve mais sorte e ganhou um novo coração. Jovem e amigos distribuíram folhetos na Av. Afonso Pena

por Márcia Maria Cruz 09/06/2014 08:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Beto Novaes/EM/D.A Press
Yuri Sousa Aurélio, de 24 anos, passou 120 dias internado à espera de um coração, devido às complicações de uma miocardite idiopática (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
As batidas no peito de Yuri Sousa Aurélio, de 24 anos, atestam que a doação de órgãos é um ato de amor. Em 10 de abril de 2013 ele recebeu um sopro de vida, depois de 120 dias internado à espera de um coração, devido às complicações de uma miocardite idiopática. Há um ano e dois meses, o ritmo e compasso em seu peito são frutos da generosidade da família de um jovem que teve morte encefálica depois de baleado. Em agradecimento à segunda chance que a vida lhe deu, o jovem se engajou em campanhas para conscientizar as pessoas sobre a importância do ato. “Doar é um gesto de amor puro. É fazer o bem sem olhar a quem”, afirma. Durante toda a manhã de ontem, ele, a família e amigos distribuíram cerca de 6 mil panfletos e 300 balões aos visitantes da feira da Avenida Afonso Pena, no Centro de BH, como forma de estimular doações.

Ao falar do assunto foi impossível para Yuri não se lembrar de Renata Lara de Oliveira, que morreu aos 13 anos, devido a complicações de uma miocardiopatia dilatada. Yuri foi visitar a jovem que passou 44 dias no Hospital das Clínicas da UFMG à espera de um doador. Mesmo com a campanha de famíliares, o coração não chegou a tempo: a menina faleceu no dia 5.

Com recursos próprios, a família de Yuri confeccionou material de apoio com informações para desmistificar medos sobre a doação. De forma didática, os voluntários falavam do passo a passo do processo, como se tornar um doador, quando é determinada a morte encefálica, quais órgãos podem ser doados e para onde vão. “Se a pessoa quer se tornar doadora, é importante avisar a família. Muita gente pensa em deixar registrado em cartório, mas o mais importante é manifestar o desejo aos familiares”, afirmou a mãe de Yuri, Márcia Helena de Sousa. Ela lembra que, quando o filho estava em estado grave no hospital, o primeiro coração que apareceu, embora compatível, não pôde ser transplantado, porque a família não autorizou.

Os primeiros sintomas da miocardite se manifestaram quando Yuri estava em um intercâmbio nos Estados Unidos. Ao retornar ao Brasil para tratar da saúde, ele descobriu que para se manter vivo precisaria de um novo órgão. Foram 120 dias aguardando o gesto que iria lhe garantir a vida. “Torcíamos para que ele recebesse um coração, mas, ao mesmo tempo, pensávamos na tristeza da família de quem iria doar. É algo muito difícil, mas graças a Deus ele conseguiu”, disse o pai do jovem, Francisco Aurélio, de 55.

Beto Novaes/EM/D.A Press
Participantes distribuíram panfletos na feira da Afonso Pena (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Na manhã de ontem, dezenas de pessoas se juntaram voluntariamente à campanha para a doação de órgãos. Foi o caso da estudante Natália Pires Limeres, de 23. “O Yuri é meu amigo de infância. Sabia que ele precisava do coração, então entrei na campanha. Eu tinha uma visão sobre doar órgãos, mas, ao acompanhar o sofrimento da família, decidi que quero ser doadora e que vou participar de todas as campanhas, independentemente de conhecer quem receberão a doação”, afirmou.

TRANSPLANTES
No ano passado, foram realizados 27 transplantes no Hospital das Clínicas, um dos dois centros habilitados para esse tipo de procedimento em Minas. “Foi um número recorde. Apenas 20 centros em todo o mundo fazem mais de 40 transplantes por ano”, informou o cardiologista Sílvio Amadeu de Andrade, que integra a equipe de transplantes do hospital. “O cenário mineiro não é diferente do restante do Brasil. Mas uma de nossas dificuldades é a logística, pela dimensão territorial do estado.” No HC, 32 pessoas aguardam um coração para continuarem vivas. O médico lembra que a legislação do Brasil para a doação de órgãos é uma das mais rigorosas do mundo. Para que haja a retirada do coração, o paciente deve ter tido morte encefálica, que resulta de traumatismo craniano ou derrame cerebral (AVC).

A morte cerebral só é atestada quando o paciente está em coma profundo, sem nenhuma possibilidade de reversão e não apresenta qualquer reflexo do sistema nervoso central. Para tanto, são realizados dois testes de apneia, com intervalo de seis horas entre eles e sem que haja qualquer tipo de sedação. O paciente em morte encefálica passa ainda por outros métodos de diagnóstico, como o eletroencefalograma, arteriografia cerebral ou doppler cerebral.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA