Envelhecimento saudável é tema de debate em seminário internacional no Brasil

Brasil demorou apenas 20 anos para atingir número grande de idosos, enquanto EUA e Europa tiveram 100 anos para se preparar diante do envelhecimento populacional

por Agência Brasil 26/05/2014 13:34

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Kleber Sales/CB/D.A Press
Para a coordenadora do seminário, Dirce Guilhem, é injusto que o idoso se aposente e passe a perder espaço na sociedade (foto: Kleber Sales/CB/D.A Press)
O Seminário Internacional em Epidemiologia e Saúde Pública, que ocorre até quarta-feira (28), em Brasília, está discutindo estratégias para garantir um envelhecimento saudável à população brasileira, entre outras políticas para o setor. O evento é resultado de uma parceria entre a Universidade de Brasília (UnB) e a University College London.

Segundo a professora do Departamento de Enfermagem da UnB e coordenadora do seminário, Dirce Guilhem, o Brasil demorou 20 anos para chegar a um número grande de idosos, enquanto países como os Estados Unidos e os da Europa tiveram 100 anos para se preparar para enfrentar todas as demandas que decorrem do envelhecimento populacional.

“Em 20 anos, o Brasil mudou o perfil epidemiológico, estamos atualmente com 15 milhões de idosos acima de 60 anos, e chegaremos a um número muito maior em 2020 e 2050. Mas nós não estamos preparados para trabalhar com o idoso, os serviços de saúde e as instituições sociais não estão preparadas. Os idosos têm vários agravos à saúde, além das demências, que até há pouco tempo a gente não conhecia e que hoje já conseguimos identificar”, disse Dirce Guilhem.

Além do tratamento de saúde adequado, a professora destaca a necessidade de inserir os idosos no contexto social. “Até agora, o idoso se aposenta e perde o lugar na sociedade, passa a ser uma pessoa descartável, já que não está mais no mercado de trabalho, o que é injusto, porque muitos sustentam as famílias com suas aposentadorias”.

Para Dirce Guilhem, é importante que os serviços de saúde ofereçam terapias com grupos de idosos e também que sejam criadas casas de longa permanência que promovam a interação dos idosos na sociedade, atualmente atendidos apenas em asilos para aqueles com grau avançado de demência ou problemas graves de saúde. As conferências e oficinas do seminário estão sendo oferecidas no auditório do Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz) na capital federal.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA