Ginseng protege contra hipertensão, gripe e isquemia; potencial terapêutico da planta é amplo

Biólogo dos EUA atesta que a erva protege contra a gripe, a bronquite e pneumonias graves. Estudiosos de outras partes do mundo constataram o mesmo efeito para outro males

por Paloma Oliveto 30/04/2014 16:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
AFP PHOTO / KIM JAE-HWAN
Agricultor mostra ginseng cultivado na Coreia do Sul: povos orientais o conhecem como 'raízes dos céus'. medicina está cada vez mais convencida de que os compostos do ginseng são promissores para o tratamento de diversos males (foto: AFP PHOTO / KIM JAE-HWAN )
Por milhares de anos, o ginseng foi a raiz dos céus. Assim os povos orientais conheciam essa planta selvagem que, originalmente, crescia nas relvas da Coreia e da China. O formato quase humano — alguns exemplares parecem ter cabeça, braços e pernas — ajudava a conferir divindade à erva. As propriedades medicinais, contudo, eram o que faziam dela um recurso natural reverenciado pelos antigos. De tão importante, o imperador coreano tinha o próprio exército de “cavadores de ginseng”. Em 1025, o Cânone Chinês de Medicina descrevia as múltiplas serventias da planta: “Fortalece a alma, ilumina os olhos, abre o coração, expulsa o mal, beneficia o conhecimento e, se tomada por períodos prolongados, vai revigorar o corpo e prolongar a vida”.

Na cultura ocidental, a raiz Panax ginseng não é dotada de poderes tão mágicos, mas a medicina está cada vez mais convencida de que os compostos do ginseng são promissores para o tratamento de diversos males. Pesquisas recentes mostram que o potencial terapêutico dessa erva é amplo. Com propriedades anti-inflamatórias e moduladoras da imunidade, ela ajuda a recuperar lesões no tecido cerebral e da medula espinhal, normaliza a pressão sanguínea, baixa o colesterol e diminui a fadiga de pacientes oncológicos, entre outros (veja quadro). Agora, dois estudos que serão apresentados em revistas especializadas indicam que o ginseng também pode imunizar contra a gripe e o vírus sincicial respiratório (VSR), micro-organismo que infecta o pulmão e obstrui as passagens de ar.

Anderson Araujo / CB / DA Press
Clique para ampliar e saber quais são as utilidades do ginseng (foto: Anderson Araujo / CB / DA Press)
O principal autor das pesquisas, Sang-Moo Kang, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Estadual da Geórgia, nos EUA, explica que não está falando de um simples resfriado. “A gripe é doença grave, com epidemias no mundo todo, podendo se espalhar muito rapidamente”, diz. Ele cita dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) que apontam a ocorrência de 5 milhões de casos de influenza severa por ano, com até 500 mil óbitos relacionados.

O cientista recorda a epidemia da gripe suína, causada pelo vírus H1N1, que atingiu mais de 70 países em 2009, e lembra da falta de vacinas contra outras variantes, como a gripe aviária. “Por isso, é muito importante encontrar uma medida preventiva que proteja contra a emergência de uma cepa inesperada”, defende. “A fonte de novos agentes anti-inflamatórios pode estar em ervas medicinais e, como a Panax ginseng é uma das plantas mais usadas no mundo, com potencial de melhorar a resposta do sistema imunológico constatada em estudos anteriores, decidimos testar o extrato de ginseng vermelho”, explica, referindo-se ao tipo de raiz que cresce na Coreia.

Extrato inibidor
Em um dos estudos, o biólogo analisou o potencial terapêutico do ginseng contra o vírus da influenza A, o de maior circulação no globo. Para isso, investigou a ação da erva em amostras de tecido epitelial do pulmão humano e no organismo de ratos infectados com o micro-organismo causador da gripe. No primeiro caso, os cientistas trataram células pulmonares cultivadas in vitro com uma solução do extrato de ginseng. No microscópio, viram que, embora infectadas pelo vírus da influenza, essas estruturas sobreviveram, diferentemente do que ocorreu nas amostras que não receberam a substância. Além disso, a erva inibiu a multiplicação viral no organismo.

Outro experimento que fez parte dessa pesquisa testou a capacidade do ginseng de proteger contra os efeitos do micro-organismo. Durante 30 dias, ratinhos receberam uma dosagem alta do extrato da raiz. Passado esse período, foram infectados com o vírus da influenza A. “O ginseng, aparentemente, modificou a resposta imunológica dos ratos ao vírus, sugerindo que o uso dele por um período longo pode ajudar a prevenir a gripe”, diz. Os roedores previamente tratados não apresentaram os sintomas da doença, mesmo infectados. Já no grupo de controle — ratos que não tomaram o extrato de ginseng vermelho —, a gripe se manifestou.

REUTERS/Lee Jae-Won
Além da pesquisa sobre a influenza A, estudos indicam potencial do ginseng no combate à gripe aviária, causada pelo vírus H9N2 (foto: REUTERS/Lee Jae-Won)
Sang-Moo Kang realizou uma outra pesquisa sobre o potencial da raiz asiática que será publicada na Revista Internacional de Medicina Molecular. Dessa vez, investigou a ação do ginseng contra o VSR. Esse micro-organismo está por trás de bronquites e pneumonias graves e é a principal causa de morte por agente viral em crianças e idosos. Atualmente, não existem vacinas contra ele. Também nesse estudo, o biólogo analisou os efeitos da planta em tecidos epiteliais e em ratos.

No primeiro caso, o extrato impediu o vírus de, uma vez nas células, expressar os genes responsáveis por causar a inflamação e também inibiu a formação de moléculas que contêm oxigênio, um fator relacionado aos danos epiteliais provocados pelo VSR. Nos ratinhos que tomaram o extrato antes de serem colocados em contato com o micro-organismo, exames indicaram baixa carga viral no organismo. “É uma prova de que o ginseng protege contra a ação do VSR”, diz Jong Seok Lee, pesquisador do Centro de Inflamações, Imunidade e Infecções do Instituto de Ciências Biomédicas e integrante do estudo. Ele esclarece, porém, que são necessárias mais pesquisas antes que o extrato seja utilizado em larga escala contra a gripe e o vírus sincicial respiratório.

Aviária
Autor de uma revisão científica de artigos que investigaram o potencial do ginseng, Hyeyoung Min, pesquisador da Universidade de Chung-Ang, em Seul, explica que, embora ainda não se tenham desvendados todos os mecanismos terapêuticos da erva, conhecimentos sobre o poder das plantas, em geral, podem fornecer algumas pistas. “As plantas estão em contato contínuo com diferentes micro-organismos, como vírus, bactérias e fungos. Por isso, elas produzem compostos antimicrobianos como mecanismo de defesa contra o ataque de micróbios. Muitos compostos derivados de plantas já são amplamente usados para prevenir infecções bacterianas ou virais em humanos”, diz. No ginseng, segundo Min, há moléculas que, juntas ou separadas, promovem uma forte atividade antimicrobiana.

O farmacêutico afirma que, além da pesquisa sobre a influenza A, existem pesquisas indicando o potencial do ginseng no combate à gripe aviária, causada pelo vírus H9N2. “Essa variante é responsável por altos índices de mortalidade das células humanas e causa sérias inflamações. Há dois compostos retirados do ginseng que se mostraram bastante promissores contra a gripe aviária. Em estudos de laboratório, eles evitaram os danos celulares e impediram a replicação viral”, informa.

Medicina védica
O ginseng também é citado nos Vedas, conjunto de hinos sagrados hindus escritos há 5 mil anos. As escrituras chegavam a dizer que essa era a base da força: “A raiz que é cavada da terra fortalece os nervos. A força do cavalo, da mula, da cabra, do carneiro e do touro vem dela. Essa erva fará de ti tão vigoroso que, quando excitado, vais exalar o calor em forma de fogo”.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA