Morte de garoto-propaganda de cigarro chama atenção para a DPOC

A doença pulmonar obstrutiva crônica engloba outros males, como bronquite crônica e enfisema. A principal causa é o tabagismo, mas enfermidade ainda é pouco conhecida

27/01/2014 14:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução
Lawson continuou fumando mesmo após receber o diagnóstico da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) (foto: Reprodução)
O ator Eric Lawson foi o homem símbolo da marca norte-americana Marlboro entre 1978 e 1981, período em que havia poucas restrições em relação à publicidade do cigarro e o hábito de fumar ainda mantinha um certo ar de glamour e rebeldia. No último dia 10 de janeiro, Lawson se juntou a outros três 'Marlboro Man' - como eram conhecidos os modelos e atores que ilustravam os anúncios – e morreu aos 72 anos, em função de complicações vinculadas ao tabagismo. Alguns registros incluem Dick Hammer nesta lista, mas apesar de ter morrido de câncer de pulmão, ele não era fumante. A morte de Eric só foi divulgada nesta segunda-feira (27).

Lawson se tornou ainda mais conhecido quando, apesar de fumar desde os 14 anos, participou de uma campanha antitabagismo na televisão, satirizando comerciais originais de Marlboro, com os típicos cowboys norte-americanos. A esposa dele, Susan, informou que o ator continuou fumando mesmo após receber o diagnóstico da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). De acordo com a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, a DPOC ainda é pouco conhecida e subdiagnosticada.

Saiba mais sobre a DPOC
A enfermidade respiratória progressiva atinge principalmente adultos acima de 40 anos e caracteriza-se pela obstrução das vias aéreas. Os sintomas genéricos incluem a tosse, expectoração, falta de ar e sensação de aperto no peito, entre outros. A principal causa é o tabagismo, mas a exposição prolongada à poluição do ar e substâncias químicas nocivas ao pulmão também pode levar ao desenvolvimento da obstrução.

Muitas vezes, esses sintomas são considerados como 'normais' na vida do fumante, retardando o diagnóstico que é, na verdade, bem simples. A função ventilatória do paciente é avaliada pela espirometria, exame não-invasivo e rápido. A Associação Brasileira de Portadores de DPOC considera que todos os fumantes deveriam se submeter a este teste a partir dos 40 anos de idade ou dez anos de tabagismo.

A enfermidade abrange um quadro de bronquite crônica - tosse frequente e produtiva (com catarro), que se estende por meses e aparece em pelo menos dois anos consecutivos – e enfisema pulmonar, que caracteriza-se pela redução do número de alvéolos pulmonares ativos. Neste cenário, acontece uma obstrução do fluxo normal de ar através dos brônquios, dificultando a realização de exercícios físicos e mesmo de atividades simples, como andar rápido, subir escadas ou tomar banho em pé.

Os danos causados pela doença podem ser permanentes e levar à morte. O tratamento com oxigenoterapia e medicamentos consegue amenizar os sintomas da doença, mas a principal medida é parar de fumar. Pacientes que mantém o hábito frequentemente se tornam dependentes do balão de oxigênio, determinando queda da qualidade de vida não só do portador, como também de sua família.

Com agências

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA