Professora e empresária contam como introdução do suco no dia a dia mudaram suas vidas

Os benefícios, elas garantem, foram tantos que já não imaginam ficar sem tomá-los. Para especialista, no caso da laranja, é preferível comer a fruta do que tomar o suco dela

por Lilian Monteiro 15/12/2013 08:01

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Jair Amaral/EM/D.A Press
Ana Paula Passos procurou uma nutricionista há um ano, quando conheceu o detox, uma mistura de abacaxi, limão, gengibre, maçã e couve (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Elas buscavam saúde. Encontraram bem-estar, pele revigorada, silhueta na medida certa, ânimo e... saúde. Descobriram no suco detox uma fórmula simples para alcançar metas saudáveis, até então difíceis de serem cumpridas. A professora universitária e psicóloga Ana Paula Carvalho Pereira Passos, coordenadora da clínica de psicologia da PUC Minas, assegura: “Mudou a minha vida”. Com bons hábitos alimentares, sem tomar refrigerante, sendo adepta do suco natural de laranja, apesar de pecar no de caixinha, o industrializado, e bebendo pouca água, Ana não estava se sentindo bem.

Com carga de trabalho extenuante, sentindo cansaço enorme, tonturas, fraqueza, pouca disposição, enfim, ela convivia com um mal-estar diário. Ao fazer exames clínicos, nada foi diagnosticado. Foi quando decidiu, há um ano, procurar uma nutricionista para mudar a alimentação e, de quebra, perder peso. “Na primeira semana fui apresentada ao suco detox. Foi incrível. Não só emagreci como ganhei qualidade de vida, os sintomas desapareceram e a disposição para o trabalho mudou.”

Ana Paula revela que seu organismo ficou viciado em abacaxi, limão, gengibre, maçã e couve. Ela até experimentou outros sucos, mas essa combinação em jejum a seduziu completamente. “Meu apetite no almoço diminuiu e me sinto melhor, mesmo. E, agora, se não tomo, passo mal. Virei ‘sucodependente’. Outro dia não bebi, comi só uma fatia de abacaxi e tive dor de cabeça o dia inteiro. Por isso, também fiquei dependente de um sacolão delivery, para não correr o risco de ficar sem um dos ingredientes. Vou tomá-lo o resto da vida.”

Para não ter preguiça de preparar, Ana Paula já se organizou. Primeiro, sua ajudante deixa tudo picado e lavado. Ao acordar, ela bate no liquidificador e toma o suco a caminho do trabalho e, muitas vezes, nos corredores da universidade. “Virou folclore. Os alunos começaram a perguntar o que era aquilo. Levava num copo transparente e, apesar de muito gostoso, não é bonito de se ver. Alguns alunos curiosos notaram minha animação e começaram a tomar. E ganhei de uma amiga um copo bacana, que se tornou minha marca registrada.”

Ela conta que ao introduzir o suco na alimentação ficou até mais sensível à gordura e, se está fora de casa ou em viagem, procura tomar só suco verde ou outro que tenha um de seus ingredientes preferidos: limão, gengibre... “Não sou xiita, mas mantenho o suco natural”. Ela destaca ainda outros benefícios, como o cabelo ter ganhado brilho, estar mais disposta e uma sensação de bem-estar incrível. E ainda, como sou resistente a salada, o suco me dá a sensação de missão cumprida: comi o verde!”.

ANIMADA A empresária Andrea Cristina Chaves de Pinho Rabelo confessa que não queria emagrecer, mas “ter uma saúde bacana”. Há três meses, ela toma o suco funcional 30 minutos antes do café da manhã e, além de manter o peso, seu intestino funciona melhor, a deixa saciada e a pele melhorou. “E não é nenhum sacrifício. O suco é saboroso, não enjoa e alimenta porque não é ralo, é consistente. Estou mais disposta e animada.”

Andrea conta que está mais antenada em toda a alimentação. Ela não era de abusar, mas ficou seletiva e cuidadosa com o que come. Passou a se aventurar também com outros sucos de frutas e verduras diferentes e, às vezes, faz um mix com linhaça e chia. “Aliás, não tomo mais refrigerante e, se não é o suco detox, só tomo o integral de uva misturado com meio copo de água para ficar menos concentrado. Enfim, me tornei um exemplo e a alimentação, não só minha, mas da família melhorou. Tem mais qualidade.”

"É preferível comer a laranja do que tomar suco"

Beto Novaes/EM/D.A Press
É preferível comer a laranja do que tomar suco - Ênio Cardillo Vieira, nutrólogo (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
O nutrólogo Ênio Cardillo Vieira, ex-professor de bioquímica da UFMG, onde atuou por 40 anos, professor emérito do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) e membro da Academia Mineira de Medicina, do alto de sua competência recomenda: “É preferível comer a laranja do que tomar suco.” Por quê? “Porque a parte branca da fruta tem pectina, que ajuda a baixar o colesterol, diminui lentamente a glicose e é alimento de micro-organismos (benéficos) do nosso intestino grosso. Por isso, é melhor comer a fruta a tomar o suco natural.”

O médico não é contra o suco, pelo contrário. “Não tem nada de errado em tomá-lo. É um bom alimento, se preferir... Agora, não é um alimento mágico e não vai resolver todos os problemas do mundo.” Porém, Ênio ressalta que é mais importante e tem mais valor comer a couve e o abacaxi. Mas reconhece que o suco pode ser uma técnica, usada por médicos e nutricionistas, para incluir determinados alimentos para crianças e adultos que têm dificuldade de ingeri-los. “Uma forma de introduzir hortaliças e frutas no dia a dia para habituar o paladar.”

Para quem se preocupa com as calorias do suco, o nutrólogo garante que “a densidade calórica é muito baixa e, por isso, bem difícil de engordar”. E se a questão for a quantidade de açúcar, Ênio ensina que a quantidade nas frutas é pequena em relação à necessidade do organismo e explica que comemos 60% das nossas calorias em forma de carboidrato, presente no arroz, batata, massas, feijão... que têm açúcar. “Logo, não é a glicose da fruta que preocupa.” Sobre outra crendice, a de que seria melhor evitar comer várias frutas diferentes ao mesmo tempo, de novo pela quantidade de açúcar, ele é enfático: “Bobagem. Pode-se comer frutas separadas ou juntas, ao mesmo tempo ou ao longo do dia. Não tem nada a ver.”

DESINTOXICAR Ênio Cardillo é contra o jejum e a ideia de desintoxicação. “Pergunte a quem jejua qual toxina está eliminando. Não existe toxina eliminada por determinado alimento. Há a desintoxicação diária por meio da urina, do fígado, que é contínua. Há alimentos que nos defendem de doenças. Assim como os benefícios reais que têm frutas e hortaliças em geral, que podem estar presentes no suco. O que é fundamental é ter uma alimentação saudável e equilibrada todos os dias.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA