Sinais do autismo aparecem no olhar de recém-nascidos

Segundo pesquisadores dos EUA, a partir do segundo mês de vida, bebês que têm o distúrbio apresentam dificuldade de estabelecer um contato visual com a mãe e outros cuidadores. A descoberta poderá contribuir para o diagnóstico precoce do problema

por Bruna Sensêve 13/12/2013 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Antes mesmo de engatinhar ou andar, os bebês exploram o mundo de forma muito intensa apenas olhando para ele. Observando atentamente o movimento das pessoas, as expressões dos rostos, as cores e as formas de objetos nunca vistos. Essa investigação natural das novidades que os rodeiam é necessária para o desenvolvimento infantil e prepara o terreno para o crescimento cerebral e suas funções cognitivas. Crianças autistas, no entanto, têm como característica uma maneira diferente de explorar esse mundo e, principalmente, de olhar para ele. É nesse ponto-chave do distúrbio que dois pesquisadores norte-americanos pretendem encontrar uma maneira de diagnosticar o problema a partir dos 2 meses de idade.

Warren Jones e Ami Klin, do Centro de Autismo Marcus, no Children’s Heathcare of Atlanta e da Escola de Medicina da Universidade Emory, usaram uma tecnologia de rastreamento ocular para medir a maneira como 110 crianças de até 3 anos observavam e respondiam a estímulos sociais. Eles foram capazes de identificar sinais de autismo já nos primeiros meses de vida de bebês, com diagnóstico confirmado posteriormente. O estudo, publicado na revista científica Nature, dividiu os participantes em dois grupos.

Anderson Araujo / CB / DA Press
Clique para ampliar e entender a pesquisa (foto: Anderson Araujo / CB / DA Press)
O primeiro foi composto por crianças com grande possibilidade de desenvolver transtornos do espectro de autismo (ASD, em inglês). Esse risco foi medido a partir da existência de parentes em primeiro grau, especialmente irmãos, que já tinham sido diagnosticados com o deficit. Fizeram parte do segundo grupo bebês que não tinham relação próxima — de primeiro, segundo ou terceiro graus — com o diagnóstico clínico. De acordo com os pesquisadores, o fator hereditário pode aumentar em 20 vezes o risco de a criança ter o autismo. “Seguindo esses bebês desde o nascimento e intensamente dentro dos primeiros seis meses de vida, fomos capazes de coletar grandes quantidades de dados muito antes que sintomas evidentes fossem tipicamente vistos”, detalha ao Correio o autor principal do estudo, Warren Jones.

No desenvolvimento típico, os processos normais de interação social emergem extremamente cedo. A partir das primeiras horas e semanas de vida, a atenção preferencial para vozes familiares, rostos, estímulos similares a rostos e movimentos biológicos guiam o desenvolvimento das crianças. Esses processos são altamente conservados no âmbito filogenético, do processo evolutivo, e estabelecem as bases para a especialização interativa da mente e do cérebro, fazendo com que os bebês incorporem os sinais sociais de seus cuidadores. Na pesquisa, os cientistas testaram quanto as medidas desses processos de desenvolvimento inicial podem revelar o momento de ruptura do autismo, buscando um ponto anterior à manifestação dos sintomas já conhecidos.

“Nós medimos a atenção preferencial pelos olhos dos outros, uma habilidade presente em lactentes típicos, mas significativamente prejudicada em crianças de 2 anos com o espectro. Imaginamos que, em crianças mais tarde diagnosticadas com ASD, a atenção preferencial aos olhos dos outros pode começar a diminuir desde o nascimento”, explicou Jones. Equipes médicas avaliaram as crianças durante os dois primeiros anos de vida em 10 períodos. Os resultados do diagnóstico foram, então, confirmados quando as crianças completaram 3 anos. Os pesquisadores avaliaram os dados dos primeiros meses dos bebês para identificar quais fatores separaram aqueles que receberam um diagnóstico de autismo daqueles diagnosticados sem a desordem. O que eles descobriram foi surpreendente.

Queda de atenção
Segundo Ami Klin, as análises revelaram um declínio constante na atenção aos olhos de outras pessoas, desde os 2 meses aos 2 anos, em crianças mais tarde diagnosticadas com autismo. As diferenças mostraram-se evidentes, mesmo nos primeiros 6 meses, o que tem implicações profundas para o campo. “Em primeiro lugar, esses resultados revelam que existem diferenças mensuráveis e identificáveis presentes já antes dos seis meses de vida. E, em segundo lugar, observou-se a fixação dos olhos em declínio ao longo do tempo, em vez de uma ausência absoluta. Ambos os fatores têm o potencial de mudar dramaticamente as possibilidades futuras de estratégias para a intervenção precoce.”

O contato visual desempenha um papel fundamental na interação social e no desenvolvimento, e, no estudo, as crianças cujos níveis de contato com os olhos diminui mais rapidamente também foram aquelas mais deficientes na vida adulta. Essa diferença inicial de desenvolvimento também dá aos cientistas uma visão fundamental para estudos futuros.

Os pesquisadores advertem, no entanto, que o observado não seria visível a olho nu, requer tecnologia especializada e coleta de dados do desenvolvimento da criança ao longo de meses. Por esse motivo, alertam aos pais que não se preocupem caso uma criança não olhe para os olhos de seus cuidadores a cada momento. “Usamos tecnologia muito especializada para medir as diferenças de desenvolvimento acumuladas ao longo do tempo, da mesma forma que as crianças assistiram a cenas muito específicas de interação social”, reforça Jones. Para ele, as principais implicações do estudo se relacionam com as descobertas em torno do desenvolvimento precoce de deficiência social.

Sem problemas iniciais
Embora os resultados indiquem que a atenção aos olhos dos outros está em declínio já nos 2 a 6 meses de bebês diagnosticados mais tarde com o autismo, é importante perceber que essa mesma atenção não é completamente ausente. “Esse mecanismo básico de adaptação social do olho não é imediatamente reduzido em crianças mais tarde diagnosticadas com o distúrbio. Em vez disso: o contato ocular parece ter níveis normais antes da queda”, frisa Jones. Segundo a dupla de pesquisadores, se a identificação do distúrbio for feita precocemente, as intervenções poderiam obter mais sucesso nos níveis de contato com os olhos que permanecem.

Segundo Guilherme Polanc-zyk, coordenador do Programa de Diagnóstico e Intervenções Precoces do Serviço de Psiquiatria da Infância e Adolescência do Instituto de Psiquiatria do Hospital de Clínicas da Universidade de São Paulo, é exatamente o fator de as crianças não diferirem até os 2 meses que chama a atenção nas descobertas de Jones e Klin. “O grande diferencial do trabalho é mostrar que, diferentemente do imaginado até então, existe uma diferenciação aos 2 meses de idade. Até esse período, tanto os que vão desenvolver o autismo, quanto os que não vão ter a desordem apresentam a mesma interação ocular.”

Polanczyk explica que uma das características bastante presentes no autismo é a dificuldade de interação social, que se dá de diferentes formas. “A primeira delas é a interação com o contato ocular, o olho no olho. A comunicação por meio do olhar entre a mãe e a criança é a primeira que a gente estabelece.” Somente a partir do segundo mês de vida, conforme indica os resultados da pesquisa, a criança com desenvolvimento normal terá cada vez uma atração maior pelo olhar humano e a criança com autismo sofrerá uma trajetória diferente. As descobertas, de acordo com o especialista, trazem impactos futuros sobre o desenvolvimento do espectro na infância, mas não deve gerar tão cedo uma forma de diagnóstico.


Soraia Piva / EM / DA Press
(foto: Soraia Piva / EM / DA Press)

Análise é clínica
“Sobre o estudo em questão, os resultados vêm ao encontro de fatos já conhecidos, como o de que o autismo é um transtorno do desenvolvimento cujos sintomas estão presentes antes dos 3 anos de idade e que o padrão de rastreamento ocular é diferente quando comparado com crianças sem transtornos do desenvolvimento. O achado que contradiz a hipótese de que acontece uma falha congênita em comportamentos sociais adaptativos e sugere que alguns desses comportamentos podem estar inicialmente intactos é interessante, mas deve ser investigado, pois existem casos de pessoas com autismo em que ocorre regressão do desenvolvimento e outros casos em que não. Outra questão é que o estudo comparou apenas um grupo de crianças com diagnóstico de autismo e outro grupo de crianças com desenvolvimento típico. Seria importante também comparar com grupos de crianças que têm outros diagnósticos psiquiátricos, como TDAH (transtorno do deficit de atenção com hiperatividade) e deficiência intelectual. Para finalizar, o diagnóstico de autismo é iminentemente clínico, ou seja, ainda não existem exames ou marcadores biológicos que determinem esse procedimento.”

Letícia Amorim, psiquiatra da Associação de Amigos dos Autistas (AMA) de São Paulo

VÍDEOS RECOMENDADOS