Ratos de Porão tocam em BH no domingo; conversamos com João Gordo sobre novo disco e sons antigos

Show marca lançamento de 'Século sinistro', trabalho mais recente do grupo; ''somos uma banda velha, pouca gente toca assim hoje em dia'', resume o vocalista

por Fernanda Machado 14/08/2014 17:06

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

O Ratos de Porão está de volta a BH. A lendária banda paulista se apresenta no domingo, às 18h, no Studio Bar. Na última passagem pela capital mineira, em abril, eles fizeram um show especial dos 30 anos de 'Crucificados pelo sistema', primeiro álbum do grupo, reunindo a formação da gravação para tocá-lo na íntegra. Dessa vez, os atuais integrantes, comandados pelo icônico vocalista João Gordo, mostram o que há de mais novo produzido pela banda. O show marca o lançamento do álbum 'Século sinistro', de maio deste ano.

Facebook / Divulgação
"O público quer que eu brigue, que eu morra de overdose, mas eu tenho 50 anos! Sou pai de família, tenho dois filhos para criar e a ideia é continuar fazendo som'', declara João Gordo (foto: Facebook / Divulgação)
Além das novas canções, o grupo promete que não deixará de fora do repertório os principais clássicos dos 30 anos de história do Ratos de Porão. Quem garante é o próprio João Gordo: “Quando vou a um show do Slayer, por exemplo, não quero ver música nova, quero ver clássicos, música velha, então o pessoal pode esperar clássicos, vamos tocar algumas que não tocamos há um tempo, tipo 'Diet paranoia' e 'Difícil de entender', entre outras'', afirma o vocalista. A última passagem do grupo por BH com sua formação atual foi em 2009.

Disco novo, velha pegada

'Século sinistro' é o primeiro álbum de estúdio da banda desde 2006. “É um disco bem metal, mas, ao mesmo tempo, tem muito hardcore e punk. No fim das contas é um disco de uma banda old school, somos uma banda velha, pouca gente toca assim hoje em dia”, explica João Gordo, que toca acompnhado pelo guitarrista Jão, um dos fundadores da banda, e pelo baterista Boka, além do baixista Juninho, que entraram posteriormente.

Se o som do Ratos se transformou desde o punk rock cru e extremo de 'Crucificados pelo sistema', a postura banda não mudou em suas letras. As canções de 'Século sinistro' também denunciam injustiças e protestam contra o que há de errado na sociedade. “Tudo que me incomoda eu direciono para as letras, se você for escutar cada disco, nota que tudo que não presta de cada época tá ali. Se ouvir o 'Conflito violento' (faixa do novo álbum), você percebe que estou falando das manifestações de 2013. Todo disco tem conteúdo político-social interessante. Não são letras jogadas ao vento”, explica João, que é autor das letras. Gastos com a Copa do Mundo, violência contra mulher e a relação da população com as mídias digitais também são temas abordados nas 13 faixas.

Sempre na estrada
Com 50 anos de idade, João Gordo viveu uma experiência nova em 'Século sinistro'. Pela primeira vez, a produção do disco ficou por conta dele. “Foi tipo minha maioridade penal. Resolvi por a mão na massa e correr atrás de estúdio, importar material de fora. Foi muito bom, porque atualmente minha prioridade é isso, é trabalho. O rock deixa a gente moleque e o público cobra molecagem da gente, o público quer que eu brigue, que eu morra de overdose, mas eu tenho 50 anos! Sou pai de família, tenho dois filhos para criar e a ideia é continuar fazendo som”, conta ele sobre a experiência.

Há 30 anos na estrada, com 24 discos lançados, entre gravações de estúdio, splits, ao vivos e coletâneas, e várias turnês por diversas partes do mundo, o Ratos de Porão segue firme, disposto a continuar na ativa por mais tempo. “A gente gosta desse tipo de som, de fazer, de escutar, e a sensação de estar em cima do palco e vendo molecada curtir é muito boa. Estar na Eslovênia e ver os caras cantando 'Crucificados pelo sistema' em português, nada tira esse prazer”, afirma João Gordo, que está na banda desde o primeiro álbum.

De volta a BH, o vocalista, que também é ex-apresentador da MTV, fala sobre o carinho que tem pela cidade: ''Estar em BH é sempre muito bom, tenho amigos aí, já quase morei com os caras do Sepulltura, no bairro Santa Tereza, na década de 80. Comecei a frequentar a cidade em 86, quando o Venon tocou no Mineirinho. Tenho muitos inimigos também, já fui agredido, já fui ovacionado, mas é sempre muito bom. Adoro Belo Horizonte. Cidade classe A”.

O show do Ratos de Porão no domingo, 17, contará com a abertura de duas bandas belo-horizontinas. Rastros de Ódio, formada em 2012, também adepta do punk-hardcore, e Vulgaris, surgida na década de 90, que define o próprio som como um rock rude, rústico e ríspido.

Ratos de Porão em BH
Abertura de Rastros de Ódio e Vulgaris. Domingo, 17 de agosto, às 18h, no Studio Bar (Rua Guajajras, 842, Centro). Ingressos: Pista/Parte superior R$40; Setor especial R$60. Vendas na Loja 53HC (Rua Rio de Janeiro, 630, Loja 53, Centro) ou pela internet. Censura: 18 anos. Mais informações: 3271 7237.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA