Conheça Carlos Alberto Vasconcellos, o dublador brasileiro do Homer Simpson

O ator está na atração desde 2007, quando gravou a voz para o filme

por Adriana Izel 17/12/2014 10:41

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arquivo Pessoal/Divulgação
Vasconcellos sempre foi fã do seriado 'Os Simpsons' (foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)
Enquanto nos Estados Unidos a voz de Homer Simpson é do comediante Dan Castellaneta, no Brasil, o personagem já teve três dubladores Waldyr Sant'anna (1ª a 4ª temporada, depois da 9ª a 18ª), Júlio Cezar Barreiros (5ª a 18ª) e o atual Carlos Alberto Vasconcellos, que assumiu o posto desde a 18ª temporada, quando Sant'anna teve problemas contratuais com a emissora. Assim como Castellaneta, ele também dubla o pai de Homer, Abraham Simpson.

Fã do seriado, Vasconcellos fez um teste para dublagem do longa-metragem 'Os Simpsons: O filme', em 2007. "Quando soube que ia ter o filme, entrei em contato, e perguntei se teria uma possibilidade de fazer alguma voz. Fiquei surpreso porque quando cheguei era um teste para a voz do Homer. Na hora não acreditei, era bom demais. Passaram três semanas, me ligaram dizendo que a Fox dos Estados Unidos tinha me escolhido porque eu tinha a voz mais parecida com o dublador americano", relembra.

O teste, que lhe garantiu a voz de Homer, foi bastante inusitado. Ele dublou um episódio em que o personagem sempre caía do mesmo penhasco. Mais do que falas, Vasconcellos teve que gravar diferentes gritos de dor. "A partir daí comecei a fazer e estou desde a 18ª temporada até agora", lembra o dublador.

No início da dublagem, o radialista sofreu com uma certa resistência dos espectadores, que sentiam falta da voz clássica eternizada Sant'anna. Até o próprio Vasconcellos afirma que demorou a pegar o jeito. "Engraçado que eu escuto os episódios da primeira temporada que gravei e até me incomoda, porque eu estava um tom muito acima. Não foi de cara. Acabou que de início fiz um meio termo, uma voz mais largada. Até que acabei dando um tom de cansaço, que é hoje", explica. Ele afirma que a voz atualmente de Homer é um algo como se o personagem estivesse tomando uma água de coco no fim da tarde na rede.

Há sete anos no cargo e com 174 episódios no currículo, Vasconcellos conta que já chegou a gravar cinco episódios em apenas um dia. Porém, ele explica que devido a quantidade de falas do Homer, que sempre participa em todos os capítulos, esse ritmo torna a dublagem cansativa. "No início, eu tentava encarar. Hoje já sei que depois do segundo episódio, fazer o terceiro já é mais difícil. Não sai tão prazeroso e tão naturalmente", completa.

Por conta dos novos programas de edição, não é preciso que as dublagens sejam feitas em conjunto. Então, Vasconcellos normalmente grava sozinho as falas de Homer. No entanto, diz que adora encontrar os companheiros de dublagem, com quem tira fotos e publica nas redes sociais.
 
Entrevista // Carlos Alberto Vasconcellos
 
Arquivo Pessoal/Divulgação
O dublador Carlos Alberto Vasconcellos é a voz de Homer Simpson (foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)
 
 
Tem algum episódio que foi especial para você?

Todos são muito engraçados, mas teve um que foi uma paródia de 'O conde Monte Cristo'. O mais engraçado em 'Os Simpsons' são as piadinhas nas entrelinhas. Às vezes é uma coisa muito rápida, mas você tem que pescar. Teve um outro que o Homer foi picado por uma aranha e ele ficou paralisado como se estivesse segurando uma tocha, uma referência analógica a Estátua da Liberdade. E ele não tinha como se comunicar, então, a forma que ele encontrou de se comunicar com a Lisa foi pelo peido. Cada peido, era uma letra diferente. Foi hilário.


E como foi dublar o peido?

Não, esses barulhos ficam do original. Eles têm a banda original do seriado, que faz os efeitos especiais. Mas no máximo, às vezes, tem que gravar um arroto. Mas mesmo assim tem que fazer um esforço danado.


Como é a reação das pessoas quando sabem que você é o dublador?

Tem um monte de dublador que não gosta. Pelo tempo que já trabalhei em rádio e televisão, sempre perto das pessoas, não tenho dificuldade. As reações são engraçadas. Eu gosto disso, me faz bem. Eu gostaria que fizessem isso comigo. Se fosse muito fã de alguma coisa, seria uma emoção receber um recado do meu ídolo. Acho legal porque vejo a alegria que as pessoas ficam quando eu faço as imitações.


Você não teve receio quando começou a gravar pelo fato das pessoas já terem se acostumado com a dublagem do Sant'anna?

Claro, e no começou muita gente falou mal. Mas, na verdade, no início nem eu gostei. Não estava no jeito que eu queria. Praticamente a primeira temporada, eu não tinha achado o tom. Estava um pouco gritado. Um amigo meu Garcia Júnior, que foi diretor da Disney, me ligou para falar que estava muito gritado. É difícil fazer uma coisa que você gosta muito e de cara já encontrar o som. É como fazer um personagem de uma novela, porque o dublador também é um ator. Perto do fim da primeira temporada foi quando consegui pegar um tom legal, que é entre o cansado e o preguiçoso ao mesmo tempo o cara bonachão, mas que quer ajudar todo mundo. No fim, ele é isso. O desenho faz com que todo mundo pense que ele é um bobão, mas no fundo ele se faz. É um cara bom, bom pai e tal.


Qual é a frase que mais te pedem para imitar do Homer?

É o "zé ruela", não tem jeito. Fui em um evento recentemente em Sorocaba (SP) e, por incrível que pareça, todo mundo quando fazia uma pergunta colocava para gravar e dizia: "Homer, fala meu nome e me chama de zé ruela". Essa frase que o Homer passou a usar com o Bart. Antes não era assim, os outros dubladores não usavam isso. Eu chamo meu filho de "zé ruela" desde os 3 anos e comecei a chamar o Bart de "zé ruela" por causa dele. É o que as pessoas mais pedem para fazer: me chama de "zé ruela" e finge que está me esgoelando.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MEXERICO