Bruno Gagliasso e Débora Falabella estrelam série policial da Globo

'Dupla identidade', escrita por Glória Perez, estreia no dia 19 de setembro

por Ana Clara Brant 06/09/2014 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Estevam Avellar/TV Globo/divulgação
(foto: Estevam Avellar/TV Globo/divulgação)
Rio de Janeiro –
A partir do dia 19, o perigo vai estar mais perto do que você imagina quando estrear 'Dupla identidade', nova série da TV Globo. Escrita por Gloria Perez e dirigida por Mauro Mendonça Filho, a produção traz para a televisão aberta o suspense policial, tão comum nos canais fechados, com suas personagens tradicionais: o serial killer e o caçador de mentes.

“Fiz esta série com o mesmo ponto de partida de 'A diarista'. Na época, não havia séries em que o protagonista fosse um personagem do povo. Agora, percebi que nenhum personagem principal é serial killer. Esse tema sempre me interessou. Por que as pessoas precisam ligar a TV a cabo e assistir em inglês? Não tinha nada em português, então escrevi”, comentou Gloria, depois da exibição do primeiro capítulo a convidados em um cinema carioca.

“Qual a diferença de mais uma pessoa no mundo?” – esse é o pensamento do protagonista Edu, vivido por Bruno Gagliasso, um cara bonito, inteligente, sedutor, sensível, bem-sucedido e de gosto requintado que dedica seu tempo livre a trabalhos voluntários. O homem ideal na vida de qualquer mulher, não fosse um detalhe: é um criminoso sádico, frio e calculista. Já no primeiro episódio, ele dá cabo de Mariana (Yanna Lavigne). “Ele quer o poder, quer ser Deus e ter o controle da vida e da morte de alguém. O papel tem sido um desafio como ser humano e como ator. Gloria sempre faz isso comigo. Ela está me testando, como fez em 'América', quando interpretei um homossexual, e em 'Caminho das índias', quando fiz um esquizofrênico”, destacou Bruno.

De volta à TV depois do sucesso em 'Avenida Brasil' (2012) como a vingativa Nina, Débora Falabella contou que a pausa foi importante para repor as energias. Ela faz o papel de Ray, que se apaixona por Edu sem imaginar que ele é um assassino. “Minha história é completamente diferente das outras dentro do seriado. É uma história de amor, não tenho que pensar nele como serial killer”, conta.

A personagem sofre do transtorno de bordeline, o que obrigou a atriz a pesquisar o tema. “Li livros e assisti a palestras para entender um pouco disso. Entrei em contato com uma blogueira que tem esse transtorno. Ray vive imersa num caldeirão de emoções em busca de sua identidade, o que só se realiza na ligação afetiva com o outro, seja um amor ou um amigo. Ela não consegue suportar rupturas afetivas. Quando o outro se afasta, sua identidade vai junto. Daí as explosões, destemperos e tresloucados gestos”, explica.

Com 13 episódios, o seriado estreia depois do 'Globo repórter'. Será a primeira produção da teledramaturgia a utilizar a tecnologia 4K, que corresponde a quatro vezes a resolução do Full HD. “É muito próximo da película de cinema”, explica o diretor Mauro Mendonça Filho.

A repórter viajou a convite da TV Globo

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MEXERICO