Maior portal de sebos do país, Estante Virtual começa a vender livros novos

Empresa que reúne vendas online de 1300 lojas em todo o país investe para oferecer exemplares sem uso, além dos de segunda mão

por Fernanda Machado Agência Estado 10/12/2014 15:34

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Mateusz Stachowski/sxc.hu/Banco de imagens
(foto: Mateusz Stachowski/sxc.hu/Banco de imagens)
Com um acervo de 12 milhões de livros provenientes de 1.300 sebos e pequenos livreiros espalhados por mais de 300 cidades brasileiras, a Estante Virtual quer ir além da venda de títulos usados e fora de catálogo e entra, agora, na briga pelo mercado de livros novos.

 

Não que esse tipo de comercialização não fosse feito antes. "Há muitos anos os sebos não vendem apenas livros raros e esgotados, como está no imaginário das pessoas. Vendem livros seminovos e, mais recentemente, novos - que compram de ponta de estoque das editoras ou numa transação normal", explica André Garcia, fundador da Estante Virtual. A abertura para o novo negócio, acredita, vem do fato de as livrarias estarem cada vez mais restritas, até por limitação de espaço, a obras comerciais.

No entanto, os best-sellers não serão ignorados pelos sebos. Muito pelo contrário. Nesta terça, 9, um exemplar de 'A culpa é das estrelas', o livro mais vendido no País em 2014, estava sendo oferecido no portal pelo Sebovero por R$ 16,99. Na Amazon, que costuma ter os preços mais baixos — e é criticada no mercado por isso — ele custava R$ 20,61. O preço de capa é R$ 29,90. Uma curiosidade: a edição usada mais barata era vendida por R$ 15.

"Ou ele está com preço promocional ou esse livro já está sendo vendido na ponta de estoque porque ele não é o último best-seller", avalia Garcia, que afirma não haver uma orientação de sua empresa quanto aos preços praticados, ou seja, não há intenção de concorrer de igual com as grandes redes. "Não regulamos. No caso dos usados e seminovos, o preço é muito importante e recomendamos um desconto de 40% ou mais em relação ao preço de capa. No caso dos novos, não pedimos nenhum desconto e eles dão se quiserem. Mas no nosso entendimento, o preço não é o foco no caso dos livros novos. Ele está na diversidade de títulos e na sustentabilidade do mercado."

O que a Estante Virtual está iniciando agora, a Amazon já faz, por exemplo, nos Estados Unidos — mas não aqui, por ora. Sebos consultados pela reportagem disseram que ainda não foram procurados pela empresa.

 

De todos os portes

Até o fim de janeiro, pequenas livrarias também vão poder vender seus livros pelo portal. "Um dos pilares da Estante Virtual é a sustentabilidade, sempre privilegiando os pequenos e médios players. Queremos democratizar o acesso dos leitores ao livro estejam eles onde estiverem. Queremos inverter a lógica da hiperconcentração", diz.

Principal portal do gênero, a Estante Virtual entrou em conflito com os fornecedores este ano ao aumentar suas tarifas — sua comissão varia hoje entre 8% e 12% e ela recebe R$ 42 de mensalidade. "Foi uma tensão gerada por uma movimentação que envolveu um aumento do patamar de serviços. Muito do que fizemos foi pedido dos livreiros, e não havia como viabilizar sem uma revisão da tarifa." Alguns ameaçaram tirar o acervo do ar. "Mas a saída foi infinitesimal, não chegou a 10."

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS