Cirque du Soleil chega a BH com o espetáculo 'Corteo'

Montagem que estreia nesta quinta celebra a liberdade como superação da morte. Brincadeiras infantis inspiraram o diretor Daniele Finzi Pasca

por Helvécio Carlos 18/09/2013 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paulo Whitaker/Reuters
(foto: Paulo Whitaker/Reuters )
Quarta montagem do Cirque du Soleil apresentada em Belo Horizonte, 'Corteo' se inspira em estripulias infantis que costumam deixar pais de cabelo em pé, com cenas emocionantes e de encher os olhos. Relembrando suas histórias de garoto, o diretor suíço Daniele Finzi Pasca montou, há oito anos, o espetáculo que a capital mineira verá até 27 de outubro.


“Quando era menino, Daniele costumava ser pego pela avó dependurado nos lustres e pulando nas camas de sua casa”, diz Bruce Mather, diretor artístico de Corteo. No início do espetáculo, essas referências aos tempos de moleque surgem em “Bouncing beds”: seis atletas lembram um bando de crianças, fazendo acrobacias de tirar o fôlego sobre camas gigantes. Por sua vez, “Chandeliers” remete ao universo doméstico: suspensas em candelabros gigantes, quatro mulheres desafiam leis da física.


Sem temer o futuro, Daniele Finzi Pasca foi além do passado e da infância. Ele imaginou o próprio funeral em Corteo – o resultado diverte e emociona. Visualmente, o espetáculo que chega a BH, a 51ª cidade a vê-lo, é mais belo do que 'Alegria' (2007), 'Quidam' (2009) e 'Varekai' (2011). Chamam a atenção tanto os detalhes quanto a cortina pintada em estilo barroco de 12m de altura e o palco de 360 graus.


“Daniele é de uma criatividade inigualável”, elogia Mather. O espetáculo resultou de extensa pesquisa sobre a arte do picadeiro. “Se o Soleil é o novo circo, torna-se oportuna a homenagem a suas raízes”, diz o diretor artístico.
Com dois atos e 19 números, a história do palhaço Mauro gira em um palco de 360 graus. Essa figura sonhadora é uma espécie de alter ego de Finzi Pasca em seu leito de morte. Seis clowns – paixão do encenador – ajudam a contá-la.

Balão

A armena Valentyna Pahlevanyan rouba a cena (e o espetáculo) ao protagonizar um dos momentos mais delicados de 'Corteo'. Suspensa por enormes balões de gás hélio, a palhaça flutua sobre a plateia. Volta e meia, pousa na palma da mão de um espectador, que a remessa para o alto.


A bem-humorada Valentyna encanta o público. “Palhaços são importantes, eles nos fazem enxergar a criança que existe dentro de nós. 'Corteo' quer deixar o público se sentindo livre como uma criança”, resume Bruce Mather. “Gosto de observar as reações do público. A alegria fica estampada no rosto de cada um”, assegura.


Em suas turnês itinerantes, o Cirque du Soleil leva sua verdadeira torre de Babel pelo mundo. A estreia brasileira de 'Corteo' ocorreu em março e a trupe se apresentará em seis cidades do país. Nada menos de 60 artistas, de 19 nacionalidades, sobem ao palco. Nos bastidores atuam cerca de 70 profissionais, de seis nacionalidades.

Brasileiros

A equipe conta com cinco brasileiros: o palhaço Marcelo Perna; a ex-ginasta Romina Mendes, que competiu em dois Jogos Olímpicos; e os acrobatas Camila Comin e Fábio Santos. Romina é a artista que mais se aproxima do perfil de Corteo. Ela nasceu no interior de São Paulo. A mãe e o pai, colombiana e peruano, trabalhavam num circo mambembe.

“Sempre fui acostumada a executar números nas alturas”, revela a artista, que se exibe a oito metros do chão. “Não é muito alto”, garante. A brasileira é uma das quatro mulheres que contracenam com candelabros em “Chandeliers”. A ginasta ingressou no elenco de Corteo quando a turnê já estava no Brasil, vinda da trupe de 'Zaia', apresentado na China há dois anos.

Com saudades da rotina das grandes montagens, Romina, de 38 anos, não pensou duas vezes antes de aceitar o convite para testes com outras 10 artistas. Aprovada, treinou intensamente por três semanas. “Tanto esforço vale a pena. É um orgulho participar de um grupo como o Cirque du Soleil”, elogia ela. Por enquanto, idade não é problema. “A certa hora, claro, o corpo vai sentir. Mas enquanto tiver força, vou trabalhar”, avisa.

 

CORTEO

Endereço: Avenida Clóvis Salgado,s/ nº, Pampulha
Estreia nesta quinta-feira às 21h
De sexta-feira, às 21h; sábado, às 17h e às 21h; e domingo, às 16h e às 20h.
Inteira: de R$ 150 a R$ 450

Informações: 4003.5588
Em cartaz até 27 de outubro
Ingressos à venda na bilheteria instalada no local no site Tickets for Fun

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS