Paulínia Festival de Cinema ganha edição enxuta a partir desta quarta-feira

Retorno prepara terreno para o evento de julho de 2014, que vai se tornar internacional. Na abertura, 'Confia em mim', de Michel Tikhomiroff

por Gracie Santos 10/12/2013 08:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
DOWNTWON/PARIS
O suspense 'Confia em mim', com Fernanda Machado e Mateus Solano, abre o festival (foto: DOWNTWON/PARIS)
Depois da “pausa” forçada no ano passado, anunciada em abril, quando foi suspenso pelo então prefeito José Pavan Junior (PSB), o Paulínia Festival de Cinema volta à cena. O evento será reduzido, de amanhã a sábado, e não haverá mostra competitiva. A proposta é homenagear vencedores das quatro edições anteriores com entrega de troféus e exibição dos filmes, além de promover workshops e reabrir o Polo Cinematográfico. Na sessão de abertura, será exibido, às 20h, 'Confia em mim', de Michel Tikhomiroff, rodado na cidade, com lançamento previsto para março do ano que vem. Para encerrar, dia 14, 'Serra Pelada', de Heitor Dhalia, que reproduziu a mina de ouro brasileira na cidade paulista. As sessões são abertas ao público e têm entrada franca. A cerimônia de abertura começa às 19h, no Theatro Municipal Paulo Gracindo.


A decisão de retomar o evento, ainda que de forma tímida, foi tomada para que o festival ganhe força e possa, como planeja a secretária Municipal de Cultura, Mônica Trigo, não apenas recuperar o espaço perdido como se tornar internacional em julho 2014. “2013 não podia passar em branco. A gestão atual assumiu em julho e tinha que tomar pé da situação. O 5º Paulínia Festival de Cinema vai marcar a retomada. O próximo será realizado na última semana de julho, em 2014, com mostra competitiva e a participação de filmes estrangeiros”, conta Mônica. Nesta edição, serão homenageados 138 premiados nas anteriores.

Alexandre Honório/Divulgação
"O troféu é símbolo desse rito e passagem. Início de processo de reconstrução do polo", Mônica Trigo, secretária municipal de Cultura de Paulínia (foto: Alexandre Honório/Divulgação)
“O troféu é símbolo dessa retomada, desse rito de passagem. O início de um processo de reconstrução do polo. Vamos retomar também a escola, os editais”, anuncia a secretária, que espera aprovar na Câmara Municipal, até dia 31, orçamento para a realização da sexta edição no ano que vem. Mônica Trigo garante que dos cinco estúdios de Paulínia, quatro estão prontos para operar imediatamente. “Podem começar a rodar amanhã. Vamos lançar editais de curtas até o fim do mês, depende apenas da aprovação do orçamento”, afirma, admitindo que a realização desta quinta edição visa sensibilizar o Legislativo municipal para a importância do festival e do polo cinematográfico. Os editais para os longas virão na sequência.

A programação do 5º Paulínia Festival de Cinema vai exibir ainda 'Entre vales', de Philippe Barcisnki, e 'O lobo atrás da porta', de Fernando Coimbra. 'Uma história de amor e fúria', de Luiz Bolognesi, será mostrado diariamente na programação infantojuvenil, antecedido por filmes dos alunos da escola de stop motion. Haverá seis mesas debatedoras com personalidades do meio cinematográfico nacional e internacional. Na pauta, workshop sobre a experiência de filmar em Paulínia e de experiências bem-sucedidas no mundo.

PAIXÃO

Está nos planos da secretária, para 2015, abertura de espaço para a produção de TV no polo de Paulínia. Mônica Trigo também anuncia que foi assinado, em setembro, acordo de cooperação com o governo federal por meio de adesão ao Sistema Nacional de Cultura. “É o início, teremos um Conselho Municipal de Cultura e vamos abrigar câmaras setoriais para promover discussões em torno do audiovisual e de outras artes, com a participação da sociedade civil, trabalhando alinhados com os governos estadual e federal”. Para Mônica Trigo, “tem que ter paixão e o Paulínia Festival de Cinema está sendo retomado pela paixão”.

Retrospectiva


>> Em 2005, começou a ser desenhado o Polo Cinematográfico de Paulínia, complexo de estúdios destinado à produção de filmes brasileiros. Com cinco estúdios (inclusive de animação), a Escola Magia do Cinema e o Theatro Municipal de Paulínia, o polo gerou centenas de empregos e movimentou a economia da cidade.

>> Em 2008, com o desenvolvimento do polo e os primeiros filmes rodados foi criado o 1º Paulínia Festival de Cinema, que consagrou o terror Encarnação do demônio, de José Mojica Marins, o Zé do Caixão.

>> Em 2009, a segunda edição teve o maior número de inscritos entre longas e curtas. Olhos azuis, de José Jofilly, faturou seis prêmios, entre eles os de filme, roteiro, ator coadjuvante (Irandhir Santos) e atriz coadjuvante (Cristina Lago).

>> Em 2010, a terceira edição consagrou 5x favela, agora por nós mesmos, produção coletiva de Manaíra Carneiro, Wagner Novais, Rodrigo Felha, Cacau Amaral, Luciano Vidigal, Cadu Barcellos e Luciana Bezerra, num projeto idealizado por Cacá Diegues – foram seis prêmios, entre eles os de filme, roteiro e montagem.

>> Em 2011, a quarta edição teve na abertura Corações sujos, adaptação de Vicente Amorim para livro de Fernando Morais. Febre do rato, de Cláudio Assis, foi o grande vencedor, levando o prêmio de melhor filme.

>> Em 2012, o então prefeito suspendeu o festival e as atividades do Polo Cinematográfico.

SAIBA MAIS
Dança das cadeiras

O atual prefeito de Paulínia, Edson Moura Júnior (PMDB), tomou posse em 16 de julho. Assumiu o cargo ocupado por José Pavan Júnior (PSB). A decisão da substituição foi da ministra Carmen Lúcia, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), depois da batalha judicial travada desde as eleições. Moura Júnior foi o candidato mais votado nas últimas eleições, mas sua candidatura foi contestada pelo Ministério Público porque, um dia antes do pleito de 2012, ele substituiu o pai e candidato oficial, Edson Moura. Júnior venceu, mas teve o registro cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA