Marília de Dirceu e seus amores

Há 250 anos, nasceu em Ouro Preto Maria Doroteia, a musa do poeta inconfidente Tomás Antônio Gonzaga

por Angelo Oswaldo 10/11/2017 17:46
Quinho
(foto: Quinho)
Foste amada, Marília, e se o teu nome
À par de Laura, e Beatriz ressoa
No orbe literário; se interessa
Teu destino aos mortais, a amor o deves!
À morte de dona Maria Doroteia de Seixas Mairink

*Beatriz Brandão


Publicado no Rio de Janeiro em 15/3/1853

As liras de Marília de Dirceu compõem o relicário de uma paixão que atravessa o tempo com o vivo frescor da palavra enamorada. Sensibilizam e encantam os leitores, mais de dois séculos depois de compostas. Degredado pela mesma sentença da rainha Maria I que condenou Tiradentes à morte, Tomás Antônio Gonzaga chegou a Moçambique em 1792, ano da publicação do livro, em Lisboa, pela Tipografia Nunesiana.

Desde então, os poemas do inconfidente de Vila Rica de Ouro Preto despertam o interesse do público leitor. As gerações se renovam no fascínio de uma poesia doce e suave, na qual um homem maduro abre o coração diante da jovem amada, na esperança da felicidade perene. As “ternas fadigas” de amor, que apontam um rasgo de melancolia por entre as liras, contrapõem-se à perda real da musa, quando a repressão implacável da metrópole acordou o poeta de seu devaneio árcade. O naturalista francês Auguste Saint-Hilaire, que chega a Vila Rica em 1817, refere-se à popularidade dos versos de Gonzaga: “Por muito tempo ainda encantarão o viajante até sob os humildes ranchos e nos lugares mais solitários”.

Maria Doroteia Joaquina de Seixas, a Marília (1767-1853), nasceu há 250 anos, em 8 de novembro de 1767, em Vila Rica. Uma polêmica cerca a história de sua vida, após o noivado desfeito em razão da prisão e degredo do poeta, desembargador e conjurado Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810). Enquanto se registram alusões ao fato de ter tido um filho, o médico Anacleto Teixeira de Queiroga, notoriamente considerado como seu afilhado, protegido e herdeiro, outras versões insistem no celibato de Marília e na sua reclusão à casa da freguesia de Antônio Dias, virgem e solitária.

Na época da musa do poeta inconfidente, poucas mulheres se destacam na elite de Ouro Preto, pelo comportamento fora dos padrões convencionais. A poetisa Beatriz Francisca de Assis Brandão (1779-1868), filha de Francisco Sanches Brandão e Feliciana Narcisa de Seixas, irmã da mãe de Maria Doroteia, convive com a prima. Casada em 1813, separa-se do marido, o alferes Vicente Batista Rodrigues Alvarenga, em 1832, divorcia-se em 1839 e vai morar no Rio de Janeiro. O levantamento de sua poesia na imprensa carioca daquele tempo e o estudo biográfico devem-se a Cláudia Gomes Pereira, em tese de mestrado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) publicada em 2005.

Ainda na capital mineira, verifica-se uma outra separação litigiosa. Domitila de Castro Canto e Melo, a marquesa de Santos (1797-1867), reside em Ouro Preto até se divorciar do oficial dos Dragões Felício Pinto Coelho de Mendonça, que tentara matá-la, em 1819. Retornando a São Paulo, conhece dom Pedro I, às vésperas da Independência, e se torna sua amante. Por sua vez, Bárbara Heliodora Guilhermina da Silveira sofre as agruras da perda do marido, o poeta inconfidente Alvarenga Peixoto, e dos bens confiscados do casal, passando privações em Vila Rica até recolher-se em São Gonçalo do Sapucaí.

Fora da norma, entre os homens, embora usual o costume, o poeta Cláudio Manuel da Costa (1729-1789), grande amigo de Gonzaga, era amasiado com a negra Francisca Arcângela de Souza, que aparece aos 60 anos no recenseamento de Vila Rica, em 1804. Os filhos integrantes do referido levantamento são o pintor Feliciano Manuel da Costa, de 39 anos, Maria, de 37, Anna, de 35, e Fabiana, de 31, além de Francisco, que, por contar 10 anos, não é filho de Cláudio Manuel, falecido 15 anos antes do censo.

Tem-se conhecimento, na ainda denominada Vila Rica, do casamento de Gonzaga, na Ilha de Moçambique, com Juliana de Sousa Mascarenhas, de 19, filha de um rico negociante, Alexandre Roberto Mascarenhas, e de sua mulher, Ana Maria. O matrimônio realiza-se em 9 de maio de 1793, poucos meses depois da chegada do poeta ao local do degredo.

 A versão de um irônico inglês

O escritor inglês Richard Francis Burton (1821-1890), capitão num regimento de Bombaim, descobridor do Lago de Tanganica e cônsul britânico na cidade de Santos, empreende viagem do Rio de Janeiro à mina de Morro Velho, situada em Congonhas de Sabará, hoje Nova Lima, em 1867. Vai conhecer e registrar os feitos da St. John Del-Rey Mining Co., além de anotar, detalhadamente, tudo que se passa ao longo do itinerário.

Em Ouro Preto, capital da província de Minas Gerais, recolhe subsídios sobre a história da cidade e, naturalmente, estende-se sobre a Inconfidência Mineira. Marília de Dirceu chama a sua atenção, e ele levanta informações sobre Maria Doroteia Joaquina de Seixas, a musa do poeta inconfidente Tomás Antônio Gonzaga. Burton lembra que “há uma lenda no sentido de que sua beleza apressou o trágico desfecho da Inconfidência”. Conta que “um certo coronel Montenegro” (...) “censurou-a por ter preferido, ‘a um nobre de fortuna e posição’, um pobre ‘homem que escrevia livros’. Ela, em um impulso juvenil, retrucou que preferia a inteligência a dinheiro e Montenegro. Este denunciou a conspiração, por carta, ao visconde de Barbacena, que, ao lê-la, empalideceu, colocou-a embaixo da mesa e saiu da sala. Encontrava-se presente, por acaso, seu primo, o frei Lourenço, o eremita do Caraça: a missiva caiu no chão e o frade, ao apanhá-la, leu-a de relance. Saindo, procurou apressadamente os amigos e contou-lhes a traição e aconselhou-os a fugir. Eles, contudo, resolveram antecipar o movimento e, saindo armados pelas ruas, tentaram dar o grito de liberdade. O governador, que, sendo amigo de muitos dos acusados, estava disposto a se afastar de seu cargo, foi, assim, obrigado a agir”.

Burton afirma ter ouvido reiteradas vezes essa versão dos acontecimentos de 1789. Sabe-se que, depois da Inconfidência, ao receber sua recompensa, o traidor, coronel Joaquim Silvério dos Reis, deixou Minas Gerais e adotou o sobrenome Montenegro. “O leitor não deve esquecer-se” – adverte a nota nº 12 – “de que tudo isso é mera tradição local. Registro-a devido à sua vasta difusão entre o povo”.

Sobre a descendência de Marília, o viajante inglês transcreve o que então apurou: “Um certo doutro Queiroga, ouvidor de Ouro Preto, teve a honra de suplantar o poeta Gonzaga, mas não com ternura legalizada. Dele, dona Maria Dirceu, como era chamada, teve três filhos: doutor Anacleto Teixeira de Queiroga, dona Maria Joaquina e dona Doroteia, todos de olhos azuis e cabelos louros. Em Ouro Preto, ela é hoje, talvez, mais conhecida como a mãe do doutor Queiroga. Nos últimos anos, viveu reclusa, só saindo de casa para ir à igreja, e morreu (em 1853) com a idade de 80 anos. Em seu leito de morte, disse ao confessor: ‘Ele foi separado de mim quando eu tinha 17 anos’. Os que a conheceram bem descrevem-na como sendo de baixa estatura e conservando, apesar da idade, feições delicadas e ‘uma boca risonha e breve’, e dizem que seus olhos eram azuis e que os cabelos, tornados brancos, tinham sido meio louros. Seu amante, curioso é dizer, fez suas madeixas quatro vezes ‘tingidas do azeviche da noite’ e em quatro outras ‘cachos de ouro’, e o autor da edição favorita das Liras o defende, como só os amigos podem defender.” (Páginas 303/304.)

Na nota nº 15 ao capítulo, Burton assinala que o manuscrito original das Liras “não foi queimado por dona Maria, como geralmente se diz”, e que “uma cópia do mesmo foi oferecida por sua família ao doutor José Vieira Couto de Magalhães, atual presidente da província do Mato Grosso”. Alude, ainda, à opinião de Joaquim Norberto de Sousa Silva sobre a cor dos cabelos da musa. Em 1862, Norberto publicou, no Rio de Janeiro, as liras de Marília de Dirceu precedidas de estudo de sua autoria, no qual observa, conforme Burton, “certamente não em louvor do poeta”, que louro rima com ouro e tesouro, mencionando o sarcasmo espanhol: Fuerza del consonante, a lo que obligas/ Que haces que sean blancas las hormigas.

Ao narrar detalhes da conjuração, Burton afirma que o seu nome favorito “é, hoje, ‘Inconfidência de Gonzaga’”. As informações de Norberto e as conversas em Ouro Preto são as fontes das assertivas, como se depreende da data de morte do poeta-ouvidor indicada em 1807, ainda com a observação de que não fora “em 1809, como dizem os senhores Wolf e Lopes de Mendonça”. Documentos referem que o falecimento de Tomás Antônio Gonzaga ocorreu no início de 1810, na cidade de Ilha de Moçambique. Burton cita vários livros e autores, demonstrando interesse pelo tema da Inconfidência, e confessa ter sido “obrigado a despir de todo o romanesco” a história da “Marília formosa”. (Página 307.)

 Legítima defesa da honra

O escritor Thomaz Brandão (aparentado com a família de Marília) publica, em 1932, pela Tipografia Guimarães, de Belo Horizonte, o seu libelo em defesa da honra de Maria Doroteia Joaquina de Seixas, na linha de um teólogo que protege, intransigentemente, o dogma da virgindade mariana. Fundamentando-se nas “falsidades” e equívocos que aponta em numerosos historiadores brasileiros (Joaquim Norberto, Xavier da Veiga e Eduardo Machado de Castro) e franceses (Ferdinand Dénis e o Larousse), bem como escritores e jornalistas, Brandão desautoriza por inteiro a versão de Richard Burton.

Reage, a seguir, contra o poeta Olavo Bilac, que, no livro Crítica e fantasia, teve “a infeliz ideia” de escrever que Marília e Dirceu envolvem “alguns versos lindos, uma conspiração, um apartamento, muitas lágrimas, muitas saudades e depois... filhos de parte a parte. Mais nada”. Acrescenta Bilac: “Não nego que dona Maria Doroteia teria dado prova maior do seu amor, acompanhando à África aquele que fez o possível para eternizá-la na memória dos homens”. O poeta parnasiano escreve versos e crônicas sobre temas de Ouro Preto, onde passa um período de 1892, a fim de escapar das perseguições do governo do marechal Floriano Peixoto.

“Triste sorte a de Marília!” – lamenta Thomaz Brandão: “Reunindo sobejos predicados para ser mimosa da fortuna, voltou-lhe esta as costas. Noiva de Gonzaga, viu num momento desvanecidos seus sonhos de felicidade. O infortúnio que o feriu a ele, feriu-a também a ela. Ambos foram mártires da Inconfidência Mineira. Ela, porém, continua mártir ainda na sepultura, onde lhe poluías cinzas vilíssima calúnia, até agora triunfante, à míngua de quem tomasse o empenho de contrapor-lhe a verdade”.

Brandão rebate Burton, dizendo que “o célebre poliglota e explorador inglês” (...) “conspurcou a memória de Marília, apoiando-se levianamente em falsas informações, forjadas pela maledicência”. Acrescenta: “Afirmando sem prova irrefragável que Marília teve três filhos ruivos e de olhos azuis, procedentes de concubinato com um certo doutor Queiroga, ouvidor de Ouro Preto (personagem mítica saída de seu cérebro, como Minerva da cabeça de Júpiter), perdeu o direito de ser levado a sério, pelo menos como historiador”.

Segundo Thomaz Brandão, Anacleto Queiroga é filho de Emerenciana Joana Evangelista de Seixas, a filha mais nova do capitão Baltazar Mairink, portanto, irmã caçula de Maria Doroteia. Em casa contígua à do ouvidor-geral, descendo da praça de Vila Rica para o Bairro Antônio Dias, moram Antônia Cláudia Casimira de Seixas, tia de Marília e filha do tenente-general Bernardo da Silva Ferrão, e o marido, sargento-mor de Dragões Luís Antônio Sayão. A circunstância da vizinhança havia favorecido o namoro de Gonzaga e Doroteia e vai proporcionar o idílio entre Emerenciana e o tenente-coronel Manuel Teixeira de Queiroga, que reside lateralmente, no casarão onde hoje se acha a Pousada do Mondego.

Segundo o historiador Tarquínio Barboza de Oliveira, é ele Roquério (anagrama de Queiroga), o “pedante rendeiro” citado nas Cartas Chilenas. Em 1793, Queiroga pede a mão de Emerenciana, negada pelo pai. De acordo com Thomaz Brandão, o pretendente era mais velho (depondo na Devassa, declara ter 34 anos), tinha os bens sequestrados e dois filhos naturais, Manuel e Maria. No entanto, Queiroga consegue manter relações amorosas com Emerenciana, que fica grávida. Para ocultar seu estado, em princípio de 1794, ela se refugia na Fazenda do Manso, ao pé do Pico do Itacolomi, propriedade do capitão Valeriano Manso da Costa Reis, casado com Ana Ricarda Marcelina de Seixas, irmã de Emerenciana e Doroteia.

O sargento-mor de cavalaria Manuel Ferreira da Silva Cintra e sua mulher, Anna Isabel Brasida Ulhoa, residem na casa de um só pavimento, fronteira à Igreja de São Francisco de Assis, que ali ainda hoje se encontra. Eram pais de Emerenciana, nascida em 1793, tendo sido batizada com o nome da madrinha, Emerenciana Joana Evangelista de Seixas. É padrinho o tenente-coronel Teixeira de Queiroga, que corteja a irmã de Marília. Graças a essas ligações, recorre-se ao auxílio do casal Cintra, e à porta de sua casa é exposta uma criança, num “moisés” (pequeno cesto), em 13 de julho de 1794, segundo documentos citados por Thomaz Brandão. No dia 30, o “inocente exposto” é batizado na Matriz do Pilar, com a devida autorização do vigário de Antônio Dias. Tem os pais adotivos por padrinhos e ganha o nome de Anacleto, santo do dia 13. Mas o recenseamento registra que Cintra e Anna Isabel têm também uma filha de nome Maria Doroteia, tal a amizade que une as famílias.

Em fins de 1789, Maria Doroteia partira em exílio voluntário para a Fazenda do Fundão das Goiabas, em Itaverava. Em agosto de 1793, ela é recebida como noviça na Ordem Terceira de São Francisco de Assis e no mês de dezembro regressa de Itaverava, a fim de ser madrinha de um batismo em Vila Rica. Em 1799, volta a Vila Rica para o casamento de Maria da Cruz Fernandes Santiago. Em outubro de 1800, mais um batizado retira Marília da fazenda. É a madrinha do sobrinho Bernardo, filho de Ana Ricarda e Valeriano Manso, sendo padrinho o governador da capitania Bernardo José de Lorena. Longas temporadas serão passadas por Marília na fazenda da família, marcadas pelo vaivém a Vila Rica. No censo de 1804, ela figura com o nome de “D. Maria Joaquina”, ao lado de “D. Emerencianna de Seixas”, ambas agregadas da casa do tio, coronel João Carlos Xavier da Silva Ferrão, no distrito do Alto da Cruz. Consta ter 30 anos, quando na verdade são 35.

Um ponto intrigante em sua biografia é a autorização régia que obtém de dona Maria I, em 13 de fevereiro de 1797, para viajar a Portugal como acompanhante da tia-avó materna, Clara Gertrudes de Seixas da Fonseca Borges, que vivia no Rio de Janeiro e tinha 88 anos. Não havendo maiores esclarecimentos, esse documento, que se acha no Arquivo Público Mineiro, dá origem às mais controversas interpretações.

 Aventuras de Emerenciana


Explicitadas por documentos são as relações da irmã de Marília, Emerenciana. Depois do romance com Queiroga, do qual é suposto ter nascido Anacleto, Emerenciana inicia um caso em 1799 com o alferes Carlos José de Melo, nascido em São João del-Rei, em 1770. Mais uma criança nasce na Fazenda do Manso, e recebe o nome de Carlota Joaquina, tendo por padrinhos, por procuração, em 21 de abril de 1800, a tia, Maria Doroteia Joaquina de Seixas, e o padre Antônio Ferreira de Araújo, na casa do qual ela é exposta, o que consta no censo de 1804.

A família entende não ser possível manter Emerenciana em Vila Rica. Ela segue para o Fundão das Goiabas, sob os cuidados da irmã Maria Doroteia, na residência do pai, capitão Baltazar Mairink, e sua segunda esposa, Maria Magdalena de São José, ambos ali falecidos em 1815. Aos 40 anos, Emerenciana reata relações com Carlos de Melo e tem mais uma filha, Maria, exposta na casa do pai biológico, sendo batizada pelos padrinhos Ana Ricarda de Seixas e padre Antônio Ferreira de Araújo.

Carlos de Melo levara Carlota para morar em sua casa, na qualidade de filha natural, pelo que passa a viver também com Maria, sem saber que a exposta é sua irmã. Dois anos depois, em 5 de maio de 1817, Melo e Emerenciana se casam oficialmente, pondo fim a um tormentoso caso envolvendo a filha Carlota Joaquina e o ouvidor-geral da comarca, o pernambucano Antônio José Duarte de Araújo Gondim. Melo havia processado o ouvidor por envolvimento com Carlota, mas perde o processo porque a filha é ilegítima. Carlota Joaquina e Maria são então legitimadas pelo pai, em 7 de julho. Em 30 de outubro, o desembargador-ouvidor Gondim e Carlota Joaquina de Melo se casam na Igreja de São Francisco de Assis, às 23h. Quatro meses depois, nasce Manuela, primogênita do casal e sobrinha-neta de Marília, batizada em 5 de fevereiro de 1818, sendo padrinho Manuel de Portugal e Castro, último governador da capitania de Minas Gerais.

O casamento de Emerenciana e Carlos de Melo promove a legitimação das filhas Carlota e Maria, mas exclui Anacleto, por ser filho de outro pai, o que o mantém na condição de exposto. Essa situação, segundo os historiadores Thomaz Brandão e Alexandre Sanchêz, faz com que Maria Doroteia se aproxime do sobrinho e o trate como o filho que Emerenciana não pode reconhecer, a fim de não desestabilizar seu matrimônio e a posição social das filhas. Anacleto Teixeira de Queiroga morre em Ouro Preto, em 8 de junho de 1861, no posto de capitão-cirurgião do corpo militar da capital. Deixa duas filhas, conforme afirma Thomaz Brandão.

Da análise de Brandão e de Sanchêz quanto aos documentos de época e demais referências resulta a comprovação de que Anacleto é o filho do relacionamento entre Emerenciana e Queiroga, esclarecendo-se a proteção a ele reservada por Marília. Mas versões contraditórias persistem. O historiador Adelto Gonçalves, na alentada biografia de Tomás Gonzaga (página 272), apoia a tese da maternidade de Marília, afirmando que Maria Doroteia é a verdadeira mãe de Anacleto. Cita versos de Gonzaga para provar que o poeta havia consumado a relação em Vila Rica e temia, na prisão da Ilha das Cobras, que a noiva pudesse esquecê-lo. O que ocorre, segundo Adelto Gonçalves, quando ela tem um caso com Queiroga.

Afirmação contundente é a do grande historiador português Manuel Rodrigues Lapa, estudioso da obra de Gonzaga e das Cartas Chilenas. Em artigo no Suplemento Literário de Minas Gerais nº 444 (8 de março de 1975), Rodrigues Lapa diz que “o mito da virgindade de Marília é uma parvoíce, que desdiz da inteligência, da seriedade e da cultura dos mineiros”. O autor português lembra um trabalho historiográfico de José Vieira Fazenda, no qual se registra nota do Jornal do Commercio, do Rio de Janeiro, sobre o falecimento do “major Pedro Queiroga, neto de Marília de Dirceu”, em 18 de janeiro de 1893. Rodrigues Lapa ressalta, sobretudo, o testemunho de dom Pedro II.

Depoimento merecedor de credibilidade, em contraposição ao libelo de Thomaz Brandão, o manuscrito de dom Pedro II consta de sua caderneta de anotações da viagem realizada em abril de 1881, por diversas cidades de Minas Gerais, em companhia da imperatriz Teresa Cristina. Ao visitar pela primeira vez a capital da província mineira, o imperador demora-se em observações e vai até a casa de Marília. Depois de visitar outras localidades, ele retorna a Ouro Preto, quando de novo desce até o fundo do vale de Antônio Dias para sabatinar uma aula de meninas e meninos. E anota: “Segui até o chafariz da ponte para ver a neta de Maria de Dirceu (sic), mulher do Carlos de Andrade, que mora perto. Apareceu à janela. É elegante e graciosa; jovem não beleza (sic), tem ar inteligente”.
A suprema autoridade do Império e da Igreja Católica no Brasil grava suas impressões sobre “a neta de Maria de Dirceu”, “casada com o Carlos de Andrade”, futuro barão de Saramenha e presidente da Câmara de Ouro Preto. O que parece ser um erro pode referir o costume, registrado por Burton, de Maria Doroteia Joaquina de Seixas ser tratada como Maria ou dona Maria. O imperador terá sido enredado em discreta inconfidência mineira. Para ele, Marília é a mãe do médico Anacleto. Quem garante que foi apenas a madrinha?


*Angelo Oswaldo de Araújo Santos é jornalista e secretário de Estado da Cultura de Minas Gerais

Referências bibliográficas

Thomaz Brandão, Marília de Dirceu. Tipografia Guimarães, Belo Horizonte (MG), 1932


Alexandre Sanchêz Ibañez, Maria Dorothea – A musa revelada – História da mulher que inspirou o mito Marília de Dirceu. Edição do autor, Belo Horizonte (MG), 2006


Adelto Gonçalves, Gonzaga, um poeta do Iluminismo. Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro (RJ), 1999


Cláudia Gomes Pereira, Beatriz Brandão – Mulher e escritora no Brasil do século XIX. Scortecci Editora, São Paulo (SP), 2005


Tarquínio J. B. de Oliveira, As Cartas Chilenas – Fontes textuais. Editora Referência, São Paulo (SP), 1972


Richard Burton, Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho. Tradução: David Jardim Júnior. Livraria Itatiaia/Edusp, São Paulo (SP), 1976


Auguste Saint-Hilaire, Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Tradução: Vivaldi Moreira. Livraria Itatiaia/Edusp, São Paulo (SP), 1975


Diário do imperador dom Pedro II – 1840-1891. Volume 24, CD-Rom Museu Imperial, Petrópolis (RJ), 1999

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']