Releituras do Clube da Esquina inspiram apresentação do pianista André Mehmari

Espetáculo, que o artista trata como tributo, dará origem a álbum

por Pedro Galvão 24/05/2019 08:45
Élcio Paraíso/Bendita
Na Praça Floriano Peixoto, Mehmari será acompanhado por Neymar Dias, no baixo e viola caipira, e Sérgio Reze à bateria (foto: Élcio Paraíso/Bendita)
Premiado e dono de extensa lista de obras executadas por importantes orquestras brasileiras, André Mehmari é também notável ao misturar sua habilidade como pianista, compositor e arranjador às criações de outros artistas. Neste sábado, ele apresenta em Belo Horizonte seu projeto Na esquina do clube com o sol na cabeça. O repertório com releituras de sucessos do Clube da Esquina, que dará origem a um álbum a ser lançado em breve, será apresentado na Praça Floriano Peixoto, em evento gratuito e aberto ao público, dentro do programa BH Instrumental.

“Tudo parte de uma grande paixão pelo conjunto da obra do Clube da Esquina. Toco Paixão e fé desde o Prêmio Visa (de MPB Instrumental) em 1998. Levo esse repertório comigo não é de hoje”, conta Mehmari, que vem à capital mineira acompanhado por Neymar Dias (baixo elétrico e acústico/viola caipira) e Sérgio Reze (bateria), que completam seu trio. Segundo o pianista, eles vinham executando esse repertório em muitos shows ultimamente e resolveram registrá-lo em um álbum inteiramente dedicado às versões do movimento musical belo-horizontino protagonizado por Milton Nascimento, Lô Borges, Toninho Horta, Tavinho Moura e companhia. Muitos deles já realizaram parcerias com André Mehmari. O disco está em fase final de produção e será lançado em aproximadamente um mês em CD e plataformas digitais. Haverá ainda uma versão posterior em vinil.

O compositor explica que a proposta é apresentar músicas conhecidas, sob uma versão instrumental bem particular. “É nossa forma de prestar um tributo, sem fazer um cover”, define. Ele adianta que o repertório inclui clássicos como Nascente, Trem azul, Tudo que você podia ser, Paixão e fé e outras, que qualifica como “menos emblemáticas, como a lindíssima E daí? e Olho d’água, além de composições minhas que dialogam com essas obras”, completa.

Entusiasta de suítes e outras formas de junções musicais, André Mehmari considera que seu processo criativo para desenvolver arranjos e construir as versões instrumentais é resultado de uma grande mistura musical. “Quando me apaixono por uma canção eu me fundo com ela. Naquele momento, as músicas todas que eu amo e conheço se misturam àquela canção. É um belo caldeirão interno de emoções e referências que dialogam com essa música. Tenho esse jeito aglutinador de ver a música, é uma marca da minha carreira, vou de orquestral ao sinfônico, ao choro, ao jazz. É tudo música para mim”, argumenta.

IDENTIDADE

Ele aponta essa característica como justificativa pela admiração ao Clube da Esquina, sobre o qual diz não haver “um cercadinho estilístico”. “Você pula do Calix Bento para o pop e passa pela música latina. O Clube sempre teve esse aspecto humanista que muito me atraiu”, diz Mehmari, que celebra o fato de apresentar o projeto na terra natal do movimento homenageado por ele. “Tenho uma relação muito próxima com Minas. Para mim, BH é um das cidades mais musicais do Brasil e digo isso com conhecimento de causa”, afirma.

Realizado pela Veredas Produções com apoio do Instituto Unimed-BH, o evento do programa BH Instrumental terá abertura do grupo local Estevan Barbosa Venue Quarteto. A apresentação aberta ao público na Praça Floriano Peixoto é destacada por Mehmari como o formato ideal. “Tem tudo a ver com a proposta e com o conteúdo musical de compartilhamento. É uma união num momento em que o Brasil passa pela sua pior crise ética e social, então essa atmosfera humanista é a coisa de que mais precisamos para reencontrar nossa natureza afetuosa, que o país perdeu nos últimos tempos e que o Clube da Esquina sempre teve de forma poética e inesgotável”, declara o pianista.

Serviço – Série BH Instrumental apresenta André Mehmari Trio no show Na Esquina do Clube com o Sol na Cabeça
. Abertura Estevan Barbosa Venue Quarteto
. Sábado, 25 de maio, às 19h30, Praça Floriano Peixoto, Bairro Santa Efigênia
. Entrada gratuita
. Mais Informações: 32225271

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE MUSICA