Músico carioca Thiago Amud lança disco repleto de 'mineiridades'; ouça

Ao comentar o lançamento de 'O cinema que o sol não apaga' ele confessa sua paixão por BH e fala das referências e parcerias de Minas Gerais

por Ana Clara Brant 26/06/2018 09:22

Karla Pessoa/Divulgação
O cantor e compositor mostra a diversidade de ritmos brasileiros; do congado ao xote, da bossa nova ao frevo. (foto: Karla Pessoa/Divulgação)

O músico Thiago Amud é carioca da gema, mas bem que poderia ser mineiro, apesar de não ter nenhuma origem ou parentesco em Minas Gerais. O seu mais recente trabalho, o álbum O cinema que o sol não apaga, traz um pouco dessa paixão pelo estado. “Tenho muitos amigos queridos aí. Minas é, sem dúvida, o lugar do Brasil em que mais gosto de ficar. Não é demagogia porque estou falando com um jornal mineiro. Sou apaixonado por Belo Horizonte, por Minas Gerais de uma maneira geral.”

Quem lhe despertou esse sentimento tão intenso foi a obra de Guimarães Rosa (1908-1967) que, para Thiago, foi responsável por adensar sua consciência de brasileiro. Direta ou indiretamente, o autor de Grande sertão: veredas está presente em seu trabalho, tanto nos anteriores como em canções do novo disco – o xote Brasileia, O mundo imaginal, Cantilena alada e Nascença. Nas duas últimas, a mineiridade soa mais forte.

Em Nascença, além da marcha grave da congada, a música conta com participação de vários artistas mineiros no coro – Alexandre Andrés, Deh Mussulini, Pablo Castro, Rafael Martini, Jhê Delacroix, Gustavo Amaral (Gustavito) e Leonora Weissmann. “Milton, que é esse grande mistério, é outra referência, e o Nelson Ângelo, que é um compositor extraordinário e a quem dedico o disco, também é. Sem contar que Paixão e fé (Fernando Brant e Tavinho Moura) é uma das músicas mais importante da minha vida. Escrevi Nascença sob o impacto do amor por BH e acabou sendo muito natural convidar toda essa mineirada”, avisa.

A arte da capa de O cinema que o sol não apaga é da pintora mineira Leonora Weissmann. “Ela é um vulcão criativo. Comentei com a Leonora que gostaria de fazer alguma coisa inspirada nas gravuras do Goeldi, que ilustrou vários livros do Dostoiévski. E foi então que ela comentou que estava voltando a fazer xilogravuras. No dia seguinte, ela me mandou algumas extraordinárias”, lembra.

O disco de Thiago faz parte da seleção inaugural da nascente gravadora Rocinante, que já lançou o disco do artista mineiro Rafael Macedo e vai lançar os novos de Ilessi, Sylvio Fraga, Nelson Angelo, Letieres Leite e Guinga – é um mergulho no Brasil. Tem frevo, xote, bossa nova, toada e, como ele diz, “essa coisa brasileira multiforme”.

O nome O cinema que o sol não apaga tem provocado as mais diferentes interpretações e Thiago Amud tem gostado disso. Outro dia foi Caetano Veloso quem deu sua análise. “Ele comentou que se lembrou das suas sessões no interior da Bahia e que, quando saía do cinema, o sol era tão forte que não conseguia apagar da sua cabeça os filmes a que ele tinha assistido. É uma interpretação bem poética e ao mesmo tempo física”, diz.

Sempre presente na vida e na obra do cantor e compositor de 38 anos, a sétima arte é também um estímulo criativo. “Não é só a música de cinema, mas o próprio ritmo das cenas, a montagem. O nome do disco é um verso da primeira faixa, A mais bela cena, e virou uma espécie de centro gravitacional do disco”, explica.

O trabalho está disponível nas principais plataformas digitais e será lançado em CD e em vinil no segundo semestre. Traz 16 faixas, todas autorais. Apenas duas foram feitas em parceria – Brasileia, com Guinga; e Catirina desejosa, com Edu Kneip. Thiago Amud revela que nem todas as composições foram feitas especificamente para o disco, mas que acabaram entrando. “Desde que lancei meu último trabalho solo, há cinco anos, compus muita coisa. Daria para fazer uns três discos. Não é exagero.”

Por falar em “excessos”, O cinema que o sol não apaga reuniu 73 músicos em cerca de 350 horas de estúdio. A produção musical é de Ivo Senra. “Não é bravata, não. Foi isso tudo. É impressionante, não é? (risos). Mas deu tudo certo. Vamos começar a turnê em agosto e BH já está no roteiro. Em 30 de agosto, estamos aí no Teatro de Bolso do Sesc Palladium”, avisa.

 

Abaixo, ouça o disco O cinema que o sol não apaga:  

 



O CINEMA QUE O SOL NÃO APAGA
>> Thiago Amud
>> Rocinante
>> 16 faixas
>> Disponível nas principais plataformas digitais

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE MUSICA