Com shows marcados no Brasil, Bryan Adams fala sobre projeto atual

Canadense apresenta repertório do álbum 'Get up' e clássicos de sua carreira no dia 27 de abril em São Paulo e de 28 a 30 de abril no Rio de Janeiro

15/03/2017 08:00

Samuel Kubani/AFP
Cantor afirma que não suporta mais cantar clássicos como 'Summe '69' e '(Everything I do) I do it for you' (foto: Samuel Kubani/AFP)
“Se vamos cair, que o façamos com estilo!” Quando compôs esses versos, de Go down rockin’, do seu disco mais recente, Bryan Adams queria mostrar que, aos 57 anos e mais de 30 dedicados à música, não tem medo de cara feia na indústria fonográfica. Sujeito que já vendeu mais de 100 milhões de cópias, ele reclamava com a própria empresa que o agencia, com seu empresário e com sua gravadora.

Adams estava disposto a assumir o risco com Get up, o 13º trabalho de estúdio, lançado em 2015, uma nova safra de canções inéditas que interrompeu o silêncio de sete anos, desde 11 (2008). E é com esse disco – e, obviamente, os clássicos Heaven, It’s only love e Somebody – que o canadense voltará ao Brasil no mês que vem.

Get up é a força motora que impulsionará as apresentações no Rio de Janeiro, em 27 de abril, e em São Paulo, de 28 a 30 do mesmo mês. A agenda incluiria Belo Horizonte, mas o show foi cancelado por questões da agenda pessoal do artista.

O 13º disco de Adams é uma resposta ao trabalho anterior, cuja realização, segundo ele, foi uma obrigação contratual com a qual não concordava. Em 2014, saiu Tracks of my years, disco que chegou ao topo das paradas canadenses, mas foi ignorado pelo mercado norte-americano. Bryan interpretava canções de Bob Dylan, Beatles, Chuck Berry e Beach Boys.

OBRIGAÇÃO  “Aquele não era o disco que eu queria fazer”, explicou. “Minha gravadora, meu empresário e produtor queriam que fizesse. Era obrigatório que as canções escolhidas estivessem entre as 10 mais tocadas dos Estados Unidos durante seu lançamento. Se a produção fosse inteiramente minha, o álbum teria Black Sabbath, Led Zeppelin, David Bowie e Deep Purple”, revela.

Adams acha que, atualmente, vive a situação de outros cantores e bandas de sucesso no passado. Jon Bon Jovi, por exemplo, disse que não suportava mais cantar Livin’ on a prayer nas apresentações do Bon Jovi. Adams tem as próprias Livin’ on a prayer: Summer’69 e a balada (Everything I do) I do it for you, de 1991. “Ninguém liga para as músicas novas”, avalia.

Entretanto, ele não é capaz de deixar as canções da safra mais recente fora do show. Normalmente, seis são de Get up, a mesma quantidade do clássico Reckless, de 1984. “Se você quiser irritar os fãs, não toque os clássicos. Toco todos e ainda acrescento algumas novas”, adianta. Ele vê em Get up reverberações de Reckless. Chama-os de “discos irmãos”.

FUTURO O astro canadense canta o otimismo em seu álbum mais recente. É a receita dos rockstars: acreditar em um futuro melhor. “Brand new day é sobre perceber que, às vezes, o que você tem é ótimo, basta abrir os olhos”, explica. “A grama nem sempre é mais verde do outro lado. Fiz um disco otimista, cheio de verdades. Como Go down rockin’, na qual reclamava do que fizeram comigo.”

Para encerrar, ele cita o próprio verso: “Se for para cair, que o faça com estilo”.

 

(Estadão Conteúdo)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA