Criação coletiva: Gustavo Greco, Henrique Portugal e Paulo André encerram série de crônicas carnavalescas

Publicados desde domingo, textos inspirados na folia foram escritos a seis mãos por convidados da Coluna HIT. Leia a história criada pelo designer Gustavo Greco, pelo tecladista Henrique Portugal pelo ator Paulo André, do Grupo Galpão

por Helvécio Carlos 14/02/2018 07:00
Florence Zyad/Divulgação
O designer Gustavo Greco, um dos convidados da Coluna HIT convidado para escrever histórias inspiradas no carnaval (foto: Florence Zyad/Divulgação)
Agora só em 2019

Para se despedir da folia, a coluna HIT encerra a série de histórias carnavalescas escritas a seis mãos por autores convidados e publicada desde domingo passado. Quem fecha a série é o designer Gustavo Greco, o tecladista do Skank Henrique Portugal e o ator do Grupo Galpão
Paulo André. Todos tiveram liberdade para escrever suas histórias inspiradas na folia. A única exigência era que cada autor cumprisse o prazo de 24 horas para escrever o seu trecho e passá-lo adiante. Os textos de Sabrina Abreu, Cris Guerra, Fernanda Mello (publicados na edição de domingo), Ronaldo Ciambroni, Sérgio Abritta e Júnior de Souza (na segunda-feira), Afonso Borges, Jacques Fux e Paulo André (ontem) podem ser acessados no portal www.uai.com.br.

***

Não acabou... ainda!

Os olhos custaram a se abrir, em razão da sensação de areia invadindo a córnea. Na boca, que parecia seca, como o ar que mal circulava no quarto, o gosto era de metal. Passou a ponta dos dedos sobre os lábios e percebeu que estavam sujos de sangue. O receio
de que as consequências da noite anterior tivessem sido severas demais foi rapidamente substituído pela constatação de que o vermelho vinha do resto do batom.

Sentiu alívio. Experimentou, em seguida, um incômodo nas costelas, como se algo lhe cortasse a pele, que já vinha sofrida pelo excesso de sol daqueles dias. Eram as lantejoulas do bustiê carmim, que sua tia passara o último mês bordando para terminar ali, assim, dessa maneira.

A luz doía-lhe a vista e a alma. O lençol exalava um cheiro que não era seu. Esforçava-se para lembrar o que havia acontecido. Nada recente lhe vinha à cabeça. Mas, com clareza, recordou-se de quando era criança e de que sua mãe insistia em fantasiá-la de bailarina, enquanto ela desejava a fantasia de pirata, do irmão mais velho.

Não pelas peças do vestuário, mas pela promessa da liberdade de navegar em qualquer mar. E tentou reviver o dia anterior.

Buscou à sua volta pistas que a levassem a algum lugar, como também fazia com o jogo de tabuleiro preferido da sua juventude. Tudo parecia em seu devido lugar. Apenas duas coisas ali eram forasteiras: um vidro de aguardente e um broche de ametista. (Gustavo Greco)

***

Tentar lembrar do que havia acontecido só aumentava a dor de cabeça. Os sintomas físicos davam sinais de algo intenso, mas a alma dizia para não se preocupar. Nenhum recado no celular, nada diferente no Instagram. A ametista trouxe a lembrança de uma velha canção do Chico Buarque.

A vizinha resolveu ligar o rádio e a voz da Pabllo Vittar invadiu o seu quarto cantando Nocauteou, nocauteou. As costelas doeram novamente. O corpo implorava para ficar na cama, mas o fim da folia a fez se levantar e tomar um banho. A água acariciava o seu corpo, levando para o ralo os vestígios que poderiam indicar respostas.

Que perfume era aquele? Será que o broche teria um telefone? (Henrique Portugal, E)

***


Não. Dentro do broche não havia um telefone. Havia um bilhete. Um pequeno papel dobrado quatro vezes.

Nele, com caligrafia firme de quem escreve com força, estava escrito: NÃO ACABOU AINDA!

E no verso do bilhete, com letra miúda, os seguintes dizeres: Engula a ametista com a aguardente que ainda resta no vidro e venha se encontrar comigo!

Excitada e trêmula, ela fez o que o bilhete ordenava sem dúvida ou apreensão e um sabor amargo invadiu sua boca e a fez fechar os olhos em claro sinal de rejeição. Quando abriu os olhos novamente, ela estava inteiramente nua na Praça da Estação!

Era uma outra praça, a Praça da Estação. Uma outra praia, a praia da Estação!

Imensos gramados úmidos de um brilhante orvalho faziam um extraordinário tapete em toda extensão da praça. Árvores gigantescas produziam grandes e sombreadas alamedas. Enormes arco-íris permaneciam sempre no céu. Pássaros exóticos e multicoloridos voavam de canto a canto. O sol brilhava, mas não fazia calor. Não havia fome ou sede. E flores, muitas flores exalavam um perfume em toda a cidade.

A praça estava repleta de pessoas, todas nuas, todas em uma feliz e perene harmonia, compartilhavam um silêncio calmante e reparador. Ela sentiu sua mão ser tocada por outra mão, enquanto uma voz dizia em seu ouvido:

“Que bom que você veio! Estava à sua espera! Vem! Ainda não acabou!

Isto é só um começo!”(Paulo André)

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE E-MAIS