Confira os destaques da 8 ½ Festa do Cinema Italiano, aberta hoje e em BH e outras 11 cidades

Edoardo Pesce interpreta o antagonista nos longas 'Dogman', de Matteo Garrone, e Fortunata, de Sergio Castellitto

por Mariana Peixoto 02/08/2018 07:00
Regine de Lazzaris/Archimede/Divulgação
Edoardo Pesce e Marcello Fonte são personagens antípodas no Drama Dogman, dirigido por Matteo Garrone (foto: Regine de Lazzaris/Archimede/Divulgação)
“Alguém tem que fazer o serviço sujo”, brinca o ator italiano Edoardo Pesce. No Brasil para participar da 8 ½ Festa do Cinema Italiano, que tem início hoje em 12 cidades – em Belo Horizonte, o festival será no Cine Belas Artes –, Pesce é o antagonista em dois dos 11 longas que serão exibidos até o dia 8: Fortunata, de Sergio Castellitto e Dogman, de Matteo Garrone.

Os dois filmes, inéditos no Brasil, chegam com ótimas credenciais. Fortunata deu à atriz Jasmine Trinca o prêmio da mostra Um Certo Olhar, na edição de 2017 do Festival de Cannes. Já Dogman causou no evento francês no último maio. Após a exibição oficial na Croisette, o longa de Garrone foi ovacionado por 10 minutos – o protagonista, Marcello Fonte, levou o prêmio de melhor ator em Cannes.

Dogman explora o realismo social que fez de Garrone (graças, principalmente, a Gomorra, lançado há uma década) um dos nomes mais importantes da cinematografia italiana atual. Violência, marginalidade e vingança são os temas desta narrativa de um Davi (Fonte) contra um Golias (Pesce).

Marcello (Fonte) é um afável cuidador de cães de um lugar pobre (não localizado no filme, é na verdade Villaggio Coppola, na periferia de Nápoles, região que Garrone utilizou tanto em Gomorra quanto em L’imbalsamatore, de 2002). Sua vida é dedicada aos cachorros e à filha de um casamento desfeito. Até que surge Simoncino (Pesce), um ex-pugilista viciado em cocaína que acabou de sair da prisão.

A relação entre eles é rapidamente estabelecida. A influência que Simoncino exerce sobre Marcello é de uma ferocidade tal que o cuidador de cães se submete a todos os desmandos dele. Sua relação com as pessoas da comunidade sofre um baque tão forte que Marcello será levado a uma reação extrema.

Pesce foi convidado por Garrone para interpretar Simoncino sem passar por testes. O ator romano, de 38 anos, trabalhou com o cineasta por três meses antes das filmagens para encontrar o tom do personagem. “Começamos pela parte externa da caracterização, com um treino físico. Disse a Matteo que eu estava pensando no Frankenstein da Mary Shelley. Depois fomos subtraindo, subtraindo. Pensamos em algo muito simples e aí descobrimos que o personagem falaria muito pouco. Para mim, foi melhor, pois quanto menos ele falasse, mais medo ele daria”, conta Pesce.

Simoncino e Marcello são dois opostos. A conexão do grandalhão com o mundo se dá através de rompantes de violência. Já o cuidador de cães é de uma delicadeza com a filha e os cachorros que se contrapõe ao ambiente do submundo em que eles transitam. “Tanto eu quanto o Marcello viemos da classe popular. Ele é instinto puro e posso facilmente esquecer a técnica. Acho que foi por isso que o Matteo me escolheu”, continua Pesce.

Para ele, trabalhar com Garrone e Castellitto foi atuar em dois opostos. “Matteo não se preocupa com o roteiro. Você tem que ser verdadeiro no aqui e no agora. Já o Sergio é mais um artesão. Ele dá liberdade ao ator, mas dentro do perímetro que criou para cada um.”

BOA COLHEITA

Criada em Lisboa em 2008, a Festa do Cinema Italiano ganhou versões também em Angola e Moçambique até aportar no Brasil, há cinco anos. Em sua maior edição no país desde então, o evento com a nova safra do cinema da Itália vai exibir filmes de alguns dos cineastas mais conhecidos daquele país.

Uma questão pessoal (2017) é o longa mais recente dos irmãos Paolo e Vittorio Taviani. A narrativa, uma adaptação do romance homônimo do escritor Beppe Fenoglio, acompanha a trajetória de um militar que, durante a Segunda Guerra Mundial, divide-se entre a luta contra o fascismo e um amor clandestino. Já Emma (2017), dirigido por Silvio Soldini, é um drama romântico protagonizado por Valeria Golino. Outro destaque do evento é Nico, 1988, cinebiografia da cantora do Velvet Underground, dirigida por Susanna Nicchiarelli.

“Somos dependentes da produção do bom cinema, como uma colheita. E somos sortudos, porque conseguimos uma boa amostra tanto de filmes de autor quanto de uma produção mais popular. A Itália sempre foi uma grande produtora do cinema popular e é importante trazer isso para o Brasil”, comenta Stefano Savio, organizador do festival.

Em comparação com a edição de 2017, o festival cresceu tanto em número de cidades – eram oito, agora são 12 –, de filmes – sete, contra 11 neste ano –, e de sessões – de duas sessões diárias, passou a ter quatro. Os filmes são exibidos nos mesmos dias e horários em todas as cidades

8 ½ FESTA DO CINEMA ITALIANO
De hoje a 8 de agosto. No Cine Belas Artes (Rua Gonçalves Dias, 1.581, Funcionários, 3272-3229). Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia). Programação completa: festadocinemaitaliano.com.br.

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE CINEMA