Festival de animação Mumia começa nesta sexta (1º) sua 15ª edição

Mostra vai exibir 180 filmes de 35 países. Voltado para a diversidade e a inclusão, evento vai celebrar os 120 anos de BH e os 100 da animação no Brasil

por Pedro Galvão 01/12/2017 08:53
Mumia/divulgação
Animação 'Torrey Pines' abre a programação do Mumia (foto: Mumia/divulgação)
Uma jovem debutante e uma anciã de 120 anos se encontram para festejar. Assim seria a relação da Mostra Udigrudi Mundial de Animação (Mumia) com Belo Horizonte em 2017. Anualmente, a cidade se transforma na capital brasileira do desenho animado graças ao festival, que inicia sua 15ª edição nesta sexta-feira (1º/12). No duplo aniversário, quem ganha presente é a população, que até dia 22 poderá desfrutar da programação gratuita voltada para os públicos adulto e infantil. São 180 filmes de 35 países, além de cerca de 100 eventos, entre sessões, oficinas e encontros com  realizadores.

A grade é dividida em duas mostras mineiras, seis nacionais, 12 internacionais e quatro longas-metragens, totalizando 97 sessões. As exibições serão distribuídas entre Sesc Palladium, Cine Humberto Mauro, MIS Cine Santa Tereza, Instituto Undió, Cineclube Joaquim Pedro de Andrade, PUC São Gabriel, C.A.S.A., Casa do Jornalista, Viaduto das Artes do Barreiro e Espaço do Conhecimento UFMG, além da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, que receberá sessões especiais com audiodescrição.

A abertura, nesta sexta-feira, no Sesc Palladium, terá a exibição do longa Torrey Pines, do diretor transgênero norte-americano Clyde Petersen. Lançada no ano passado, a produção é rotulada como “road-movie queer-punk”.

Feita em stop motion com recortes de papel, a animação conta a trajetória de Petersen, cuja mãe era esquizofrênica. Na juventude, ainda sob identidade feminina, ele fez uma viagem pelos Estados Unidos que resultou em várias descobertas pessoais, especialmente sobre o conceito de família. A produção foi premiada no Festival de Filmes Queer de Seattle, voltado para a diversidade sexual.

A inclusão é uma das preocupações da curadoria do Mumia. De acordo com Sávio Leite, diretor e fundador da mostra, a ideia é divulgar a animação junto a públicos variados. “Focamos na diversidade como um todo, não só no tema dos filmes. Teremos sessões com audiodescrição para deficientes visuais, levaremos animações infantis a dois ambulatórios da capital. Nós nos preocupamos muito com a acessibilidade, em chegar ao público que não é familiarizado. Vamos ao Barreiro, com sessão no Viaduto das Artes, além da PUC São Gabriel. Não é uma coisa restrita à Região Centro-Sul”, explica .

Entre os convidados está o gaúcho Otto Guerra, que participa de bate-papo com o público no domingo (3), às 19h, no Sesc Palladium. Ele vai comentar o processo de produção de seu novo longa, A cidade dos piratas, criado a partir de quadrinhos da cartunista transgênero Laerte. “O filme também conta sobre a transformação da Laerte, contextualizando esse momento dual do Brasil, onde há tanto discurso de ódio e posições tão acirradas”, adianta Sávio Leite. Haverá exibição-teste do filme, inédito em BH.

O aniversário de 120 anos da capital mineira também será celebrado. No dia 12, a compilação de animações que têm a cidade como cenário será exibida às 19h, na fachada digital do Espaço do Conhecimento da UFMG, na Praça da Liberdade. O festival também comemora os 100 anos da animação brasileira.

PAPEL “Queríamos exibir um filme representativo dessa história. Escolhemos o Piconzé (1972), dirigido por Ypê Nakashima, considerado o segundo longa brasileiro de animação. Ele também foi feito em recorte de papel, assim como o da abertura (Torrey Pines)”, explica Sávio. Dia 7, Piconzé estará em cartaz no Cine Humberto Mauro.

Dia 12, o livro Trajetória do cinema de animação no Brasil será lançado pela designer Ana Flávia Marcheti, às 15h30, na Biblioteca Pública. O evento contará com exibição de curtas.

A direção do Mumia aproveita a coincidência de efemérides para celebrar o momento atual da animação brasileira. “São 120 anos de BH, 100 anos de animação no Brasil e 15 de Mumia. Realizar uma mostra dessas por 15 anos no Brasil é de tirar o chapéu, pois sempre foi um cenário muito adverso. Vimos a animação nacional ter um ganho muito grande nesse período. A partir de 2003, o setor passou a ter mais incentivo, editais próprios e hoje há um mercado com muitas séries brasileiras, além de filmes como O menino e o mundo, de Alê Abreu, que disputou o Oscar de animação em 2016”, observa.

Sávio Leite enfatiza que a Mumia tem acompanhado essa evolução. “A gente exibe tudo que nos é enviado. Além disso, Minas é um lugar referência, até pelo curso da UFMG”, destaca, referindo-se ao curso de cinema de animação e artes digitais oferecido pela Universidade Federal de Minas Gerais.

MUMIA
Abertura nesta sexta-feira (1º/12), às 19h30, no Cine Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro). Exibição de Torrey Pines. Entrada franca, com distribuição de ingressos a partir das 19h. A programação vai até 22 de dezembro. Informações: www.mostramumia.blogspot.com e www.facebook.com/MostraUdigrudiMundialdeAnimacao

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE CINEMA